segunda-feira, 19 de março de 2018

Conservadores querem usar morte de Marielle para aprofundar o golpe

Algo grave começa a acontecer no Brasil e pouca gente te prestado atenção a isso. A morte da vereadora e ativista Marielle Franco, de mentalidade progressista e denunciadora do golpe, pode estar sendo usada pelas forças conservadoras para aprofundar ainda mais o golpe. 

Os conservadores decidiram pegar emprestado uma personalidade progressista para poder justificar a intervenção militar - já reprovada por gigantesca parte da população - e censurar meios de comunicação progressistas.

Apesar de várias forças conservadoras admitirem - até porque fatos obrigaram a isso - que a morte da ativista foi política e não um crime comum, os conservadores demonstram muita cautela na hora de encontrar um culpado, pois não querem que a morte de uma progressista arruíne os planos do golpe criado para preservar a ganância dos mais ricos.

Por isso, para a plutocracia, o culpado deve permanecer oculto até que conservadores possam encontrar um bode expiatório para fazer o papel de "culpado" para a opinião pública e evitar chegar ao verdadeiro culpado. Até que isso aconteça, está sendo conveniente exigir maior intensidade para a intervenção militar, usando o caso de Marielle como "motivação de urgência" para a medida.

Estranho que Marielle foi uma insistente crítica da intervenção militar e não escondia isso. A intervenção é uma farsa, pois: 1) não se combate crimes urbanos desta forma e 2) a intervenção na verdade é um ensaio para uma nova ditadura militar caso a prisão de Lula, desejada pelos conservadores, cause uma gigantesca e tensa comoção nacional.

Boatos sobre Marielle podem favorecer censura a meios alternativos de comunicação

Outra forma de exploração da morte de Marielle surge através de boatos caluniosos sobre a ativista. Como conservadores são moralistas, começaram a inventar que a ativista era amiga de bandidos, viciada em drogas e avessa a conceitos tidos como "morais" por eles.

A mídia oficial já admitiu que tais boatos na verdade foram calúnias, mentiras de caráter ofensivo com a intenção explícita de destruir a reputação da ativista e enfraquecer os movimentos progressistas, sobretudo os que se empenham em auxiliar as classes oprimidas.

Só que a  mídia oficial dá sinais de que usará a denúncia de boatos contra os meios de comunicação que não façam parte da mídia corporativa, ainda considerada a fonte oficial de informações no Brasil e por isso a "mais confiável".

Pode ser que a mídia combata sites como "Verdade Política", "Politica-mente" e "Jornalivres" (não confundir com o supostamente progressista Jornalistas Livres, que estranhamente é patrocinado por George Soros (??!!)), criados para lançar mentiras difamatórias contra as forças progressistas. Até acho que estes sites existem para a grande mídia justificar que é imparcial no combate contra notícias falaciosas.

O problema é que sites altamente confiáveis como o Brasil 247, Diário do Centro o Mundo, Vi o Mundo, Jornal GGN, Conversa Afiada, Blog do Miro, entre outros, de mentalidade progressista e administrados por jornalistas consagrados de larga experiência, com passagem na mídia corporativa, posam ser classificados como "fontes de fake news" por não fazer parte daquilo que o senso comum entende como "fontes consagradas e confiáveis de informação".

É grave isso e temos que abrir os olhos. Estamos em uma ditadura de novo tipo, diferente da de 1964, mas igualmente autoritária, sádica e gananciosa. A morte de Marielle, tratada como a de um ser humano comum e não a de uma ativista anti-golpe, pode realmente ser um fator a aumentar a intervenção militar e a censura da m´dia alternativa, fazendo com que o golpe se fortaleça.

Com isso, os golpistas seguem aprisionando a população em uma miséria crônica e destruindo a soberania nacional, transformando o Brasil em uma colônia de exploração com população escravizada a satisfazer a ganância de uns poucos, que vivem se achando melhores que os outros. Apesar de fingir solidariedade pela a morte de uma inimiga da plutocracia, convertida em mera serviçal involuntária para o aprofundamento das desgraças iniciadas em 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.