quarta-feira, 31 de agosto de 2016

A elite manda, a elite quis, a elite conseguiu. Fazer o quê?

A elite e os que a apoiam conseguiram o que queriam. Ignorantes sobre o que significa o Socialismo e ideais de esquerda, que eles classificam como nefasto, hoje comemoram a saída de uma presidente esquerdista, vencedora de 54 milhões de votos e sem comprovação de envolvimento em corrupção.

Um grupo aliado aos interesses das elites e ciente de que nunca iria ganhar eleições com um programa de governo altamente prejudicial à sociedade, resolveu tomar o poder na marra, inventando mentiras sobre os esquerdistas, lançando mão do poderoso aparelho midiático que é capaz de convencer graças ao seu prestígio, mesmo historicamente conjugado com interesses de grandes corporações estrangeiras.

Tudo começou com a descoberta do pré-sal. Passou pela derrota de Aécio em 2014. Hoje se encerrou com final triste. Os vilões e os que torciam por eles nesta novelinha global da política estão felizes. Nada irá acontecer com as elites. E se acontecer, elas tem meios de pegar um avião e fugir do país. algo que as elites estão acostumadas a fazer durante as férias.

Estou muito triste como brasileiro. O Brasil acabou. Os defensores do golpe que eles nunca chamam de golpe (até a ditadura militar não se considerava golpe e sim "revolução") desconhecem o que vem por aí. Até porque, desinteressados pelos bastidores da política, se limitaram a conhecê-la superficialmente, através das fontes de informação mais acessíveis, porém, cúmplices de todo o processo que foi concluído no dia de hoje.

Resta agradecer a todos que se esforçaram para impedir que este golpe fosse feito. E para os que apoiam o golpe que não chamam de golpe, dou meus pêsames. os direitistas que não foram ricos vão pagar muito caro pela sua decisão. Ao menos que sejam masoquistas e gostem de governos que façam o povo sofrer.

O interesse de poucos se sobrepôs aos interesses de muitos. Hoje a jovem democracia de apenas 31 anos falece. Retomamos as dores de 1964. Até quando, não sei. E nem sei se estarei vivo para ver uma nova democracia.

Tempos nebulosos estarão por vir. Vamos ter que repensar tudo em nossas vidas. Mas paciência, quando a dor chegar a todos, não haverá uma viva alma a ter coragem de chamar essa atrocidade de "Democracia". 

Golpe é a melhor palavra para definir o que foi feito. E assim que a História registará este momento.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Se correr, o bicho pega, se ficar o bicho come

Está acontecendo no Brasil algo inédito e triste no país: um verdadeiro dilema. Uma situação em que seja qual for o resultado, não sera nada benéfico para o país. 

A polarização política estimulada por uma mídia manipuladora controlada por empresários gananciosos criou uma rivalidade que acabou dividindo a sociedade brasileira. Uma polarização que tem muito a ver com a defesa dos interesses das elites e do proletariado. Uma guerra fria entre ricos e pobres.

Hoje ocorreu o julgamento da presidente Dilma Rousseff, falsamente acusada de crimes de responsabilidade. Na verdade, ela é que estava combatendo a corrupção e os corruptos, para escapar das prisões, decidiram puni-la sob falsas acusações para que posam ter o caminho livre para seguir fazendo o que queriam fazer: utilizar as carreiras políticas para favorecimento pessoal.

Dilma fez um brilhante discurso, impossível de ser feito por alguém que tenha intenções ocultas de utilizar o poder em seu favor. Foi um desabafo sensível que certamente não convencerá os insensíveis golpistas, que controlam todo o processo. O discurso pode ser lido aqui.

Foi necessária a inversão de responsabilidades para que a presidente que mais lutou contra a corrupção fosse expulsa do Planalto. Querem culpar a faxineira pela sujeira que ela está limpando. Para manter a corrupção, políticos corruptos, alegando moralidade, resolveram tirar uma presidente honesta embutindo nela a culpa por corrupção. Estranho, mas possível num país onde até a nossa elite é analfabeta funcional. Mesmo com uma coleção de diplomas no armário.

Há grandes chances de Dilma ser condenada, embora elas não sejam totais. Ela poderá convencer de que não tem culpa, retornar e devolver o país à democracia. É tudo o que queremos. Mas isso tem um detalhe: se Dilma voltar, os fascistas declararão guerra, que será muito bem difundida pelos aparelhos midiáticos, controlados por quem está interessado em ver Dilma longe do Palácio do Planalto.

A Rede Globo e suas derivadas já demonstraram alta capacidade de mobilização. Willliam Bonner tem o poder de ordenar os fascistas a saírem para as ruas e fazerem o que puderem e o que não puderem para exigir a deposição da presidente que eles odeiam tanto só porque não compartilha de sua orientação política.

Esqueça o papo de "corrupção" Coxinhas não querem o fim da corrupção. Coxinhas querem o fim do Socialismo e de ideais progressistas. Coxinhas querem que suas convicções medievais sejam mantidas e respeitadas. Foi para isso que os amarelados saíram às ruas vestidos com a camiseta da corrupta CBF, louvando um gigantesco pato amarelo como velocino de ouro, fazendo a famosa saudação nazista e pedindo para que todos os esquerdistas sejam mortos. Dá para perceber a índole de quem quer ver Dilma na sarjeta, Lula na prião e o PT no cemitério.

Se Dilma for realmente deposta, o que deverá acontecer certamente, pelo programa proposto por Michel Temer com base nas sugestões de Eduardo Cunha, de Aécio Neves e da bancada BBB (Bíblia, Boi, Bala), estaremos entrando em uma nova ditadura, sem militares. Uma nova ditadura livre de estereótipos, mas com toda a maldade típica de governos autoritários.

Apesar de não ter nenhum fundamento racional e legal para isso, o "impedimento" de Dilma tem o aval técnico e financeiro de muitas autoridades poderosíssimas, principalmente entre os maiores empresários que atuam no país. Por mais que o mundo todo, as leis, a lógica e o bom censo afirmem que o impedimento é ilegal e anti-democrático, a gigantesca verba a ser solta pelas gigantescas forças econômicas vai tentar provar, pelo menos para as mentes mais incautas, justamente o oposto. E o poder desses grandes empresários é algo quase impossível de se derrubar.

De qualquer forma, estamos perdidos. Se Dilma sair, entraremos numa ditadura que, mesmo civil, será tão sanguinária que a que começou em 1964. Se Dilma ficar, entraremos numa sangrenta guerra civil proposta pela elite preconceituosa que deseja ver no Palácio do Planalto alguém que governe somente para ela. 

Seja qual for o resultado, entraremos em tempos nebulosos. Tudo graças a péssima educação política  e ao estímulo ao desinteresse histórico que recebemos durante muitas décadas.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Lágrimas depois do sorriso

Acabou-se o que era doce. Depois de uma bem sucedida Olimpíada, a primeira em solo sul-americano, responsáveis por tantas alegrias e divertimento, temos agora que nos prepararmos para a "nossa olimpíada": onde a população brasileira deixará as arquibancadas para ser os próprios atletas. E se preparem: as provas serão muito duras!

Nesta semana começa o julgamento de Dilma Rousseff. A própria direita já admite a inexistência dos vários motivos alegados, mas irá até o fim, custa o que custar, para tirar Dilma e qualquer petista do poder. Uma ditadura silenciosa, mas evidentemente cruel está para se instalar após a deposição da presidente petista.

Para quem conhece política sabe que os verdadeiros motivos não tem a ver com o combate a corrupção e sim com a abertura de caminho para os abusos capitalistas. A elite não gostou dos projetos sociais e não quer repartir bens e direitos. O Grande Empresariado quer aumentar seu poder e lucros, além de diminuir custos. Setores conservadores querem impor seu ponto de vista pessoal para toda a coletividade, para que a sociedade funcione como eles querem.

Temos que aguentar. Mesmo que Dilma esteja certa, as forças que controlam as leis certamente arrumarão um jeito dela sair de qualquer maneira. O consolo é que as maldades pretendidas pelos empresários e conservadores vão tirar as suas máscaras de "homens de bem" e podem reverter as coisas a longo prazo.

Convém lembrar que no começo da ditadura militar, ninguém levou a sério as ameaças de piora que começaram a aparecer. 31 anos depois do fim, sabemos da História. Pena que nossa memória fraca e confiança cega e instituições duvidosas está pedindo que repitamos a desagradável experiência que se iniciou em 1964.

Vamos aguardar o rumo dos fatos. Se ficar bem claro para a maioria da população a maldade dos conservadores, certamente eles perderão a credibilidade e muito provável que percam em 2018, sendo obrigados a devolver o Brasil (que os conservadores pensam ser só deles) à democracia.

A dor está chegando. Mas os causadores da dor serão apresentados à derrota. É só aguardar e confiar.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Para "salvar o país" precisa prejudicar o povo?

A desculpa esfarrapada que o governo golpista e os simpatizantes direitistas sempre têm na ponta da língua para justificar as medidas duras a serem tomadas é de que tais medidas tem o objetivo de "recuperar o país". Tá, recuperar o país. Mas e o povo?

Se esquecem os direitistas - que dão sinais claros de que não costumam gostar de seres humanos, úteis apenas para lhes oferecer favorecimentos - de que não existe país sem povo. O Brasil, sem a sua população é uma entidade abstrata, existente apenas no nome e durante as conversas em que este nome é citado.

Vendo as medidas a serem tomadas percebe-se, com ajuda da lógica e do bom senso, que muitas delas nada tem a ver com a recuperação de país nenhum e muitas destas são até nocivas a nação como um todo, agravando crises  ao invés de resolvê-las. Mas entre os direitistas há muitos que lucram com crises e resolvê-las é sinal de prejuízo financeiro.

E precisa prejudicar a população para recupera o país? Porque não prejudicar os ricos, que já vivem com excessos e abusos? Ah, mas brigar com peixe grande não vale a pena. Melhor mesmo é sacanear os de baixo que é muito mais fácil e indolor (para quem sacaneia, não para o sacaneado).

Especialistas garantem que as medidas a ser tomadas por Temer não vão recuperar país nenhum. Pelo contrário, são nocivas, eliminam direitos essenciais e pode levar o país para o fracasso, pois com menor salário e maior carga horária de trabalho, teremos funcionários desestimulados e compradores sem dinheiro no bolso, o que pode gerar um colapso com a piora na qualidade de serviços e produtos e ausência de freguesia para movimentar a economia.

O que está confirmado é que o projeto de Temer é resultado da ganância das elites brasileiras e tem com o único objetivo preservar os privilégios das elites, que não estão dispostos a se livrar de seus supérfluos para garantir o necessário das classes menos favorecidas.

O tempo vai comprovar que tirar a Dilma do poder foi a pior ideia que tiveram.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Querem extinguir o PT, de maioria honesta. Porque não cassar o registro do PSDB, 100% corrupto?

O golpe já começa a mostrar a sua cara de golpe. Como na ditadura militar, partidos já começam a cair na ilegalidade. Gilmar Mendes, o juiz-ministro parcial do STF já começa a mexer os pauzinhos para extinguir o PT, sob argumentos de que ele é totalmente corrupto.

Sabe-se que não é assim. O PT tem corruptos entre seus integrantes, tem sim. Mas se tratam de uma minoria no partido. A intenção clara de acabar com um partido trabalhista que tentou colocar os interesses das classes necessitadas acima dos das elites nuca deve ser descartada. Tenho a certeza que a intenção é esta mesma. Para as elites, bom seria um partido que as representasse.

Esse partido é o PSDB, simbolizado pela figura de um tucano. Só que segundo Romero Jucá, o partido é 100% corrupto. A acusação que os direitistas fazem ao PT é posta em prática pelo partido que eles apoiam, o PSDB. Segundo Jucá, no PSDB ninguém se salva. Todos os tucanos, sem exceção, estão envolvidos ativamente em esquemas de corrupção. Mas como roubam para dar aos ricos, as elites não se importam.

E porque criminalizar o PT e partidos de esquerda? O povo carente que só é lembrado por partidos de esquerda tem que se virar para sobreviver ou aceitar as regras injustas impostas pelas elites para subir na vida e também se tornar "elite" para obter os benefícios?

É fácil utilizar a mídia para inventar mentiras para criminalizar um partido que segundo o nome, pretendia priorizar os trabalhadores estimulando as elites a repartir mais, a ceder. E ceder é algo que nenhum integrante das elites gostou de fazer.

Se Gilmar Mendes quer mesmo combater a corrupção e cancelar o registro de um partido 100% corrupto, faça com o PSDB. Jucá, em sua conversa vazada garantiu que todo tucano é sujo e que nenhum sobraria sequer para contar a estória. Tucanos tem muito medo da gaiola, embora nada fizessem de decente para evitá-la.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

O Diploma e a percepção da realidade

Foi anunciado recentemente que o deputado tucano Bruno Covas, neto de Mário Covas , portanto um jovem com ideia de velho, propôs que ministros de estado da República sejam obrigados a ter diploma de nível superior. 

Não foi informado de quais cursos seriam exigidos os diplomas. Mas a justificativa atende a supostos "critérios técnicos". Mas sabemos que não é isso. Na verdade, o que Covas quer é elitizar a política brasileira, impedindo pessoas de origens mais humildes sejam ministros do governo. Talvez se aprovada, a exigência se estenda ao cargo de presidente da República.

Elites não obedecem "gente inferior"

A elite brasileira sempre se incomodou com o fato de Lula não ter diploma de nível superior. Não que isso fosse indispensável para o cargo de presidente e não é. É que a elite não gostaria de ter no comando alguém que - supostamente - não passou pelo "esforço" que a elite passou para conseguir um diploma. Como se fosse impossível conseguir um diploma sem um estudo dedicado.

Sabemos que é muito fácil conseguir um diploma. Difícil é entrar em uma faculdade. Sair é moleza. Muitos professores fingem que ensinam e alunos fingem que aprendem. Trabalhos de grupo viraram excelente meio para preguiçosos "vencerem na vida". Faculdades particulares facilitam a aprovação para receber mais dinheiro. Isso sem falar na famosa compra de diplomas, que é ilegal, mas acontece.

Outra coisa a lembrar as elites: diploma não garante inteligência e competência. Diploma é somente um papel. Igual ao que você usa para limpar após as "necessidades". E estamos cansados de saber que temos a elite mais ignorante do mundo e não são poucos os fatos que comprovam isto.

Essa mania de querer governantes brancos, ricos, com diploma e nascidos no Sul/Sudeste só pode ter um nome: ELITISMO. As elites querem um representante delas no poder, mesmo que não passe de um total incompetente e de um ganancioso corrupto.

Elites isoladas em um "Mundo Encantado"

As nossas elites vivem trancafiadas dentro do mundinho que eles constroem. Falam muito em "luta", "garra", "esforço" e "trabalho", sem saber o que realmente é isso. Acham que distribuir ordene sentado em uma confortável poltrona em um escritório refrigerado é "trabalho". Nem sabem os nomes e as aparências de seus subordinados e querem se igualar a eles!

E o que acham de um presidente que desconhece a realidade de seu país. Legal, já temos um! O episódio de Temer ir buscar o filho que ele teve com a menina que ele pegou para criar (e que ele chama de "esposa"), já mostra que o "notável advogado-presidente" desconhece completamente a realidade cotidiana do homem comum. O cancelamento de projetos sociais é outra prova da ignorância de Temer sobre o mundo real.

Eu prefiro um presidente que conheça a realidade. Lula conhecia. Boa parte dos petistas conheciam. Talvez seja este o "crime" dos petistas. Num país do faz-de-conta, levar a realidade das ruas para o Palácio do Planalto não é uma boa ideia. A realidade tem o poder de corroer os privilégios de uma elite cheia de títulos, dinheiro e bens, mas completamente isolada em seu mundinho encantado.