segunda-feira, 11 de abril de 2016

Pausa para mudanças

Vamos fazer algumas mudanças nos blogues principais e por isso teremos que parar por um tempo. Mas em maio voltaremos com grandes novidades. Aguardem e desculpe a espera.


segunda-feira, 4 de abril de 2016

Incapacidade de negociar comprova burrice dos brasileiros e consagra os analfabetos políticos

O Brasil está em crise e isso não pode ser negado. Mas ao invés de propormos um debate sadio que encontre soluções inteligentes, preferimos voltar a mais primitiva barbárie e apelamos para a agressiva decisão de eliminar, sem qualquer tipo de negociação, aqueles que se tornaram os desafetos da nação para colocar em seu lugar políticos com índole duvidosa, mas que não despertam o ódio coletivo das massas cada vez mais alienadas.

Isso é mais do que um atestado certeiro de que os brasileiros são realmente um povo muitíssimo ignorante. Nossa educação é focada exclusivamente no mercado de trabalho. A mídia oficial (jornais, revistas, radio e sobretudo a televisão) é assustadoramente influente. Brasileiros priorizam o entretenimento em relação à bens necessários.

A necessidade de sociabilização faz com que muitos abram mão de suas opiniões para seguir as da coletividade. Sem contar com o famoso "jeitinho" na hora de driblar problemas sem resolvê-los. Isso são alguns dos aspectos que faz com que os brasileiros se comportem como estão se comportando nos últimos anos.

Somos a terceira sociedade mais ignorante do mundo e a segunda a ter o pior sistema educacional. Há o costume tradicional de desprezar, esnobar e até ridicularizar tudo que signifique intelectualização. Nossa religiosidade é altíssima e a fé (= credulidade) se torna uma atitude tomada até mesmo em assuntos laicos, quando pessoas preferem acreditar em uma informação dúbia dita por alguma instituição ou pessoa que tenha prestígio ou transmita confiança. O hábito de verificar uma informação está cada vez mais raro em nossa sociedade.

É neste cenário desolador, onde o desestímulo à intelectualidade gerou um dano catastrófico que nos encontramos, com uma sociedade agressivamente ignorante, espumando de ódio com base em informações falsas que não foram analisadas.

E não falo dos analfabetos tradicionais, grupo que faz parte muitos que preferem estar alheios a essa onda de ódio, com tanto medo quanto eu. Falo de gente diplomada, que só por pertencer a um grupo privilegiado, anseia a saída do grupo opositor para que seu burguesinho de estimação retorne ao poder, satisfazendo os interesses individuais das classes dominantes ou das outras que as apoiarem.

Nem os pobres de direita se salvarão. Somente os ricos se darão bem com golpe

Quando eu escrevi este texto, ainda não havia se encerrado a novela do impedimento. Mas estava se formando um clima de insegurança, pois é mais do que sabido que a burguesia brasileira, a serviço dos interesses das Grandes Corporações, nunca iria aceitar a manutenção de vários direitos e conquistas sociais. O clima era de que o impedimento feito sem motivo justo, o que caracterizaria um golpe burocrático (diferente do golpe militar de 1964, mas com o mesmo objetivo e comandado pelas mesmas forças conservadoras), com a única e evidente intenção de devolver o poder aos partidos burgueses.

Apavorante saber que o descaso de muitos anos com a Educação gerou danos tão fortes, com a fabricação de verdadeiros rotweillers de guarda das elites, babando de ódio fervente a usar a democracia como desculpa esfarrapada para satisfazer meros interesses mesquinhos e anti-humanos. Mas calma. A desgraça do país pós-golpe vai atingir a muito mais gente do que se pensa. Não faltará crise e recessão para fazer a tristeza da população. Mesmo a parcela que apoiou o golpe.

Deste filme de terror, apenas lideranças de direita e donos das Grandes Corporações sobreviverão ilesos. Pois é para eles, e somente para eles, que esta novela triste foi escrita.