segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Stalin e a origem da intolerância anti-comunista

Uma onda enorme de anti-comunismo acontece no Brasil atual, estranhamente em pleno século XXI. Descontentes com a - real, até aí eu concordo - incompetência dos governos petistas, resolveram achar que isso é o verdadeiro Comunismo  (ou Socialismo, como queiram) e resolveram culpar até mesmo Karl Marx pelos erros que acontecem em nosso país e que nos enfiaram na crise em que encontramos.

Os anti-comunistas se esquecem que além disso tudo aí não ter nada a ver com as ideologias de esquerda (o governo do PT é na verdade uma Social-democracia, um Capitalismo mais humanista, já consagrado em países como a França) o verdadeiro Comunismo nunca foi posto em prática.

O surgimento do anti-comunismo no Brasil se deve a confusa difusão de informações equivocadas, distorcidas e mal compreendidas. Cientes do desinteresse dos brasileiros por pesquisa e estudo, as lideranças de direita trataram logo de criar sua visão pessoal de História mundial e colocaram nas cabeças de seus discípulos, tirando proveito do ódio resultante da revolta pela incompetência dos governos do Partido (outrora dos) Trabalhadores. 

Entre as informações distorcidas está a ideia absurda de que o Comunismo é genocida. De onde tiraram essa ideia? Eu li obras de Karl Marx e não vi nada disso. Marx queria o contrário, uma sociedade igualitária, com benefícios para todos. Como repartir renda de forma igualitária pode ser genocida. Isso só pode ser obra de um infeliz de bigodinho conhecido como Josef Stalin.

Stalin foi  grande deturpador das ideias de esquerda. Na verdade ele era uma espécie de Hitler da (falsa) esquerda. Falava em nome do Comunismo mas não era comunista. Pelo menos suas atitudes postas em prática não eram a de um comunista. Mas porque ele virou estereótipo de "comunista"?

Simples, porque os capitalistas, interessados em ampliar cada vez mais seu poder e suas fontes de lucro financeiro, necessitavam tirar d caminho qualquer ideologia que impedisse os avanços dos Grandes Empresários rumo ao lucro fácil e exorbitante. E viram no Comunismo um obstáculo aos seus planos. Entenderam que para enfraquecer o inimigo era necessário criar uma imagem negativa dele, se aproveitando de seus pontos fracos.

E aí veio Stalin e seu genocídio para confundir as cabeças dos capitalistas. Não é exagero dizer que Stalin favoreceu o Capitalismo. Seu autoritarismo e a crueldade de seu genocídio foram excelentes para que os capitalistas usassem isso para enfraquecer s ideais de esquerda. 

Simples, invente que Stalin e discípulo fiel de Marx, jogue no mesmo saco até mesmo os socialistas que discordavam de Stalin e voi-la! Os ideais de esquerda são enfraquecidos e a truculência capitalista ganha sua permissão para a atropelar quem quer que esteja na sua frente.

Burraldos oportunistas! Não é o Socialismo, Comunismo e os ideais de esquerda que são cruéis e contra o progresso. É Stalin, a velha Rússia e todos que seguiram seu modelo. O Comunismo (comunidade) e o Socialismo (sociedade) não podem ser anti-humanistas. Anti-humanista é o Capitalismo (capital = dinheiro e bens materiais)que prefere matar pessoas do que extinguir empresas. 

Que se preocupa em proteger patrimônios e largar seres humanos (ou ainda são ingênuos para pensar que seguranças de shopping-center estão lá para proteger pessoas?)! Que a menor crise opta por demitir gente do que reduzir a margem de lucro dos gananciosos donos, que só comem Bas Fond e que não conseguem passar período de férias sem sair do Brasil.

Portanto parem com esta tolice de usar Stalin para enfraquecer os ideais de esquerda. É mais do que sabido que por mais cruel que seja Stalin, ele matou muito menos gente que o Capitalismo, que até hoje continua a fabricar silenciosamente sua multidão de vítimas fatais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.