quarta-feira, 24 de setembro de 2014

O desinteresse por História cria histéricos

Nosso sistema educacional é exclusivamente direcionado ao mercado profissional. Engana-se que as escolas estejam se empenhando em formar o caráter e o senso critico dos jovens. Há indícios claros e incontestáveis de que isso não esteja sendo feito na prática. Estudo, para a grande maioria, só vale a pena se servir para emprego. Se não for, descarta-se.

Por isso mesmo as disciplinas onde os estudantes se dedicam mais são aquelas que podem garantir o sucesso profissional. Todos sabem que áreas de exatas e biológicas rendem os melhores salários. Apenas poucas humanas, apenas aquelas ligadas diretamente a defesa e satisfação de interesses de poderosos, como Direito, Economia e Publicidade, podem fazer parte dos objetivos profissionais dos jovens interessados apenas em garantir a sua sobrevivência nas selvas de pedra.

Por essas e outras que o aprendizado de História é bastante desestimulado no Brasil. Além de estar relacionada a profissões sem prestígio e que pagam salários baixos, a disciplina exige um esforço que os jovens de hoje se recusam a ter, justamente por pensar que aprender sobre fatos históricos é algo inútil. Não é, e seu aprendizado adequado ajudaria muito a entender o que acontece nos dias de hoje.

Não é de surpreender que os jovens de hoje tenham problemas de memória e queiram construir suas convicções sobre o passado cada um ao seu modo. Cada um construindo o passado a seu gosto, ficcional, mas confortável, satisfazendo os interesses particulares de quem os cria.

Daí nascem as histéricas teses que distorcem a compreensão do mundo e fazem com que absurdos pareçam realidade. A religião tem feito isso há séculos e os brasileiros, povo altamente religioso, tem aprendido com ela a não pensar, a apenas acreditar. E como fiéis que criam deuses e dogmas a seu bel prazer, até mesmo ateus lançam mão de teses ficcionais para satisfazer interesses particulares.

Um  acontecimento ocorrido no Facebook nos últimos dias ajuda a entender isso. A raiva dos erros de governos petistas tem criado um neo-macartismo nos cérebros tupiniquins que anda dizendo verdadeiras asneiras sem sentido como a de comparar o Socialismo ao Nazismo sem que tenha acontecido algum fato que pudesse supôr esta tese absurda.

Essa tese começou a ganhar força quando Danilo Gentili, humorista ruim de convicções direitistas, capitalista fanático, começou a espalhar este absurdo. E como hoje em dia o valor do que se é dito está no prestígio de quem fala e não na lógica dos fatos, a tese acabou ganhando força. É tratada como verdade pela grande maioria dos usuários do Facebook, cada vez mais inclinados para as retrógradas ideias do Capitalismo mais selvagem.

Luciana Genro, candidata do PSOL, ao ser entrevistada pelo humorista, ao ser questionada pelo mesmo que usava a tal tese estranha, ela argumentou sensatamente pedindo que Gentili (que tem o saudável hábito de ser gentil) para que estudasse melhor os fatos históricos.

Como não vi o vídeo (e não pretendo ver, pelo menos até o fechamento desta postagem), não sei a reação do humorista. Sabe-se que ele não deve ter cedido, já que vivemos em uma sociedade em que opinião é tratada como patrimônio: ninguém gosta de mudar de ideia, porque soa derrota, sendo ruim para o ego. Mas os internautas do Facebook zombaram de Luciana Genro, defendendo o humorista e o direito de não se estudar.

Este episódio mostrou como é ruim ser ignorante e mais perigoso dar poder de voz a um, distorcendo os fatos, fazendo colocar mentiras no lugar de verdades, só para satisfazer uma cambada de burros privilegiados.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Petistas traíram o Socialismo

Os desinformados de direita que querem difamar o Socialismo simplesmente porque os governos petistas foram desastrosos, não conhecem a doutrina fundada por Karl Marx e que nunca foi posta em prática, sequer pelos superestimados soviéticos, chineses e cubanos. Os erros petistas foram justamente erros típicos do Capitalismo e tenho a certeza que se um capitalista fosse colocado no lugar, iria cometer exatamente os mesmos erros.

O PT pode até ter sido no início um partido de esquerda. Mas seus integrantes perceberam, após derrotas consecutivas nas eleições, que teriam que se aliar com partidos de direita para vencer e conquistar o poder. Partidos como o PL e o PMDB foram o trampolim ideal para que Lula e sua turma pudesse chegar à Presidência da República. O PMDB tem se revelado verdadeiro mentor dos petistas e se torna imune às críticas sofridas, embora seja o principal (talvez exclusivo) responsável por tudo de ruim que vemos nos governos petistas.

O PMDB é que deveria ser hostilizado

O PMDB é um clássico partido de direita moderada. Costuma se aliar com outras forças, pois é detentor da maior bancada partidária do congresso e da câmara. Na ditadura militar (sem o "P" inicial), se tornou um balaio de gatos ideológico, abrigando qualquer um que estivesse contra os governos militares (que agiam a mando dos EUA, para quem não sabe), mas sem poder de voz nos governos de então. Com o fim da ditadura e a volta dos partidos, o PMDB se tornou o que conhecemos agora, um vírus a ponto de se apoiar nas costas alheias.

Os desavisados que criticam o Socialismo, achando que o sistema esquerdista é isso que está aí, desconhecem totalmente os fatos históricos, preferindo se divertir com o desmedido ódio ao PT, se esquecendo que quem realmente estragou os  governos petistas foram os partidos de direita, sobretudo o PMDB. Uma pesquisa mais detalhada pode provar que as regras que fizeram os governos petistas a agirem como agiram sempre fizeram parte da cartilha do PMDB. Fora alguns traços copiados dos governos anteriores de Fernando Henrique Cardoso, ídolo máximo dos críticos ao PT, e que estranhamente e com frequência vive se auto-rotulando de "esquerdista" nas entrevistas.

Tirem o Socialismo dessa farsa petista!

O que Lula e Dilma, junto com seus inúmeros associados, fizeram foi agir de boa fé, confiando nas forças direitistas que se intrometeram em seus governos. Erraram sim, e muito e mostraram total incompetência. Mas isso não é motivo para acusar o Socialismo de ser desastroso. Até porque não é.

O Socialismo seria uma excelente ideia, se fosse posta em prática. Nunca foi. Os soviéticos que agia em nome do Socialismo, nunca seguiram a rigor as ideias de Karl Marx, preferindo uma estranha "ditadura do proletariado" que estimulou uma não freada decadência do leste europeu, além da mania doente de estatizar tudo. Algo ruim, pois sabemos que governos não podem administrar tudo, primeiro porque não tem competência para isso, segundo, porque tem muitas atribuições para se ocupar.

Como o nome diz, o Socialismo tem a sociedade como meta (e o capitalismo, o "capital", o dinheiro - prefere, um sistema em que seres humanos vivam bem ou que o dinheiro viva bem?) e originalmente defendia uma vida igualitária onde a renda seria melhor dividida e o estado mais responsável. Mas aí vieram os supostos seguidores e deturparam tudo, fazendo essa bagunça toda que fez nascer um ódio contra o sistema, estimulado pelos ricos detentores do poder desinteressados em repartir renda.

O Melhor Capitalismo erra mais que o pior Socialismo

O que vamos agora é um festival de contradições, pois o Capitalismo tido como "solução" erra muito mais que o pior Socialismo, pois trabalha exclusivamente pelo bem estar dos mais ricos e crer nessa utopia de que ele permite que todos se enriqueçam é um a tolice idiota e alienada.

E os erros petistas foram sim, erros capitalistas, pois só há corrupção quando há uma gorda quantia de dinheiro. E isso só é possível se tiver grandes capitalistas por trás, especialistas tradicionais em qualquer tipo de corrupção. Os capitalistas só se esqueceram de ensinar os petistas a esconder a corrupção. Mas para quem confia nos homens mais ricos do país, sinto dizer que muita roubalheira está para acontecer. E muito pior que esta, com um volume maior de dinheiro rolando pela sarjeta. Quem viver, chorará.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Histeria neo-macartista usa ignorância sobre História para derrotar desafetos

Brasileiros mais jovens nunca foram afeitos a saber História. Educados a acreditar e não pensar, além de inverter o que deve ser levado a sério e o que deve ser levado na brincadeira, costumam zombar de tudo aquilo que represente de fato sabedoria, preferindo considerar como "sábio" tudo aquilo que for inútil e banal. Isso se manifesta em qualquer situação na vida desses jovens, impedindo a compreensão melhor da realidade. Realidade que eles fingem não existir.

As redes sociais tem sido um paraíso para essa gente desinteressada que quer mostrar o seu desvalor. Muita bobagem tem circulado livre em qualquer das redes sociais numa prova incontestável da falta de informação e de conhecimento do brasileiro, que prefere confiar em pessoas prestigiadas que admiram do que pesquisar para verificar se o que aquela "pessoa querida" está dizendo está correto ou não.

Mas as coisas estão indo longe demais. Essa juventude alienada que pensa que é sábia só porque sabe apertar alguns botõezinhos em algumas máquinas, não enxerga mais limites para as suas asneiras. E a mais nova peraltice deles é uma tolice sem tamanho que somente o desconhecimento de fatos históricos pode justificar.

Neomarcatismo alienado

Uma tese está sendo lançada em larga escala, multiplicada feito vírus e ganhando cada vez mais a adesão de muitos alienados descontentes com os governos petistas, num verdadeiro show de desinformação histórica e falta de bom senso. A vitória da estupidez sobre a sensatez.

Um grupo de desavisados de direita encanou de enfiar nas cabeças dos mais inocentes que os governos petistas representam o fracasso do sistema socialista (como se os petistas fossem o melhor exemplo de Socialismo) e que o Capitalismo mais excludente é o sistema ideal e justo para o bem estar de todos (sic) os brasileiros. Os mais histéricos chegam a demonizar socialistas de todos os tipos e chegam até a comparar com os nazistas, (??!!) representantes de uma ideologia de extrema-DIREITA. É muita asneira para uma só tese.

Nós aqui não estamos satisfeitos com governos petistas e até nos decepcionamos com os representantes do partido. Petistas são nojentos. Endeusam a si próprios e adquiririam o hábito de mentirem o tempo todo. Mas isso não é desculpa para que uma histeria oposicionista comece a inventar defeitos para derrubar os petistas. Para mim, eles mesmo se derrubaram com um desempenho ruim que não ajudou em nada a sociedade brasileira, além de não ter feito a tal "mudança" anunciada nas propagandas da eleição do Lula, estrela-símbolo do partido.

PT não é socialista coisa nenhuma. E errou como os capitalistas erram

O que os críticos mais histéricos não conseguem perceber é que sem querer e sem saber, estão elogiando os governos petistas, como se estes tivessem seguido perfeitamente o Socialismo. Isso não é verdade.

O Socialismo nunca foi posto em prática. E o PT copiou muitas medidas dos governos tucanos (PSDB) estranhamente o seguido por boa parte dos histéricos. Essa confusão ideológica está causando um desentendimento mais absurdo que livro de Franz Kafka. Pois o PT está sendo acusado pelos erros cometidos justamente pelos partidários direitistas admirados pelos neo-macartistas.

Mal sabem eles que os políticos de direita sabem como ninguém ser corruptos. O diferencial é que eles sabem esconder muito bem, algo que os petistas não souberam fazer.

Falta esses anti-comunistinhas de bonezinho se informarem melhor sobre fatos históricos e parem de dizer asneiras grotescas. Pessoas que agem assim normalmente são traídas pelos seus adeptos justamente por colocar nos seus inimigos os defeitos que estão visíveis em seus tão adorados ídolos.

Esta é a geração que vai melhorar o país? Claro que não. Que venha a próxima.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Cenário político cria polêmica com algo que já acontece sem ninguém saber

O bafafá que marcou esta semana foi certamente a acusação de que a candidata à Presidência da república pelo PSB, a ecologista Marina Silva, daria autonomia política ao Banco central e entregaria a gestão do país aos donos doa maiores bancos do país. 

Essa acusação causou um alvoroço sem tamanho para os três principais candidatos, Marina, Aécio Neves (PSDB) e a candidata a reeleição Dilma Rousseff (PT). Mas quem conhece os bastidores da política sabe que é muito barulho por nada.

Na verdade todos estão se agitando por causa de algo que já acontece. É infantil acreditar que poderosos empresários se mantém longe do poder político. Donos de grandes empresas, sobretudo de bancos (que tem no dinheiro o seu próprio "produto"), não se contentam em concentrar em suas próprias mãos as maiores fortunas do país. 

Querem também que as leis protejam seu patrimônio e lhes permitam aumentá-lo ainda mais. Ter poder político é algo que faz com que os homens mais ricos do país sejam também os mais poderosos. Tratar Grandes Empresários como se fossem trabalhadores como quaisquer outros é desconhecer o que acontece no cotidiano desses poderosos homens.

As próprias leis que temos em nosso sistema político-econômico-social, é bem clara quanto a isso. Não vemos os donos de grandes empresas sofrerem danos. Há até alguma limitação (como no caso do bilhete único e da obrigação de pagar salário mínimo - não duvido que boa parte deles sonharia com a volta da escravidão, pois isso iria economizar tanto dinheiro...). 

Mas as nossas leis sempre protegem os direitos do poderosos que inclusive usam os meios de comunicação para transformar suas convicções pessoais em coletivas, obrigando quase toda a população a acreditar nos mesmos valores em que eles pessoalmente acreditam.

Trocando em miúdos, os Grandes Empresários já governam o nosso país. Eles já são grande maioria nos congressos e assembleias.  Falam de igual para igual com presidentes, muitas vezes exigindo que detentores do  Poder Executivo lhes deem respeito quase divinal às suas pessoas e aos seus patrimônios. Nunca vi um empresário se humilhar perante políticos supostamente poderosos. Talvez eu morra sem ver um fazer isso.

Portanto essa polêmica em torno da Marina é uma tolice. Nós já somos governados pelos banqueiros. Eles ditam as leis, as regras e impõem até o modo como gastamos nosso escasso dinheirinho. 

Se Marina vai entregar o poder a eles?  Não, ela não fará isso. Isso já foi feito por governantes anteriores. Isso nem é novidade em nosso país. O poder já foi entregue desde que o primeiro banqueiro aportou aqui. Sabemos muito bem que no sistema capitalista dinheiro é sinônimo de poder, pois quem tem as condições para pagar, pode fazer a cabeça de qualquer um. E não há quem tenha a capacidade de dizer não a um ricaço metido a governante.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Entendendo a "Pilantropia" de George Soros

No mundo atual, não é mais eficiente dominar pela força. Pega muito mal, gerando danos visíveis. Os poderosos, ainda sedentos por dominar a população, agora recorrem a métodos mais pacíficos e brandos para manter a sociedade intelectualmente inerte, evitando transformá-la em ameaça aos interesses que mantém os privilégios dos mais ricos.

Uma das formas mais eficientes de domínio é sustentar financeiramente o alvo dessa dominação. Sabe-se que, dependente de seu tutor, o sustentado não se rebela, obedece cegamente, já que necessita do sustento mantido pelo seu tutor que quase sempre é condicional.

É assim que age George Soros, o famoso especulador financeiro que em muitas vezes tentou bagunçar as bolsas de valores para obter favorecimentos. Hoje, mantém o projeto Open Business, de fachada altruísta, mas que na verdade tem o objetivo de criar vínculos com movimentos de esquerda pelo mundo na tentativa de deturpá-los e matá-los silenciosamente. 

Como um vírus que se infiltra em uma célula para destrui-la, Soros, homem assumidamente de direita, nunca iria patrocinar estes movimentos visando boas intenções. Ele sabe muito bem que não combinaria com seus interesses fortalecer o lado inimigo, oposto ao de suas convicções. Se ele entrou nessa de patrocinar os movimentos de esquerda é justamente para enfraquecê-los, pois e a forma mais doce de domínio, sem derramamento de sangue e sem uma dor seu quer, onde ainda ele saí como "bom homem" pelo seu pseudo-altruísmo que somente os bem informados conseguem perceber sua vilania. Cuidado. O lobo se fez de pastor para depois engolir suas ovelhas.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Povo assim, os corruptos adoram

Dois episódios nos tempos do Orkut me inspiraram a escrever esse texto. Mesmo que não estejam diretamente ligados ao assunto deste tópico, me ajudaram a pensar a respeito.

Um é a polêmica dos busólogos que passaram a defender a padronização visual dos ônibus do RJ e os problemas que vieram junto (que os mesmos ainda insistem em dizer que não existem).

Outro é um tópico da comunidade "Eu odeio a seleção brasileira", que define como idiota quem torce pela seleção da Argentina. Apesar de não gostar de futebol e de reprovar de uma certa forma o fanatismo do futebol argentino, se percebermos bem, o fanatismo deles não é tão alienado como o nosso, pois além do futebol ser tratado como mero esporte - aqui o futebol tem uma importância exagerada para as características que possui - , o povo de lá se rebela contra os abusos das autoridades. Aqui, chegam a beijar os pés de algum político abusado.

O brasileiro é tradicionalmente um povo medroso e submisso. O povo bravo do Hino Nacional, que "não foge a luta" existe só na letra. Na verdade o povo brasileiro até se sente confortável com o cenário atual, com paliativos disfarçados de "soluções definitivas" e deslumbrado com o crescimento da indústria do entretenimento no país. Viramos a potência da diversão mundial e isso parece satisfazer a população.

Já em qualidade de vida, ainda estamos entre os piores. Basta colocar os problemas debaixo do tapete ou tentar "resolvê-lo" com paliativos como bolsas disto e daquilo ou esmolões como o "Criança Esperança". Resolver de maneira concreta os problemas exige esforço e risco e a população não está preocupada em enfrentá-los para uma melhoria definitiva. Se não dá para resolver um problema, o jeito é fugir para as drogas licitas ou não ou para a farra das noitadas e do futebol. Fuga, fuga, fuga, essa é a ordem.

E isso agrada muito a autoridades e grandes empresários. Desde os anos noventa, esse aspecto tem ajudado a atrair a atenção de vários grandes empresários estrangeiros. Um deles, que obviamente não se identificou, foi enfático: "quero investir no país porque o povo daqui é obediente e a mão de obra é barata". É o preço que o povo tem que pagar por ser tão alienado e conformista.

E as autoridades, sobretudo as corruptas, se beneficiam desse cenário, pois ficam livres da ameaça de revolta popular. A população se limita a reclamar pelas costas, mas aquela "reclamação" que já é permitida pela grande mídia, muitas vezes não levada a sério pelos alvos dessa reclamação e incapaz de romper a "impermeabilidade" desse políticos, que permanecem impunes.

Infelizmente, não tenho orgulho de viver nesse país. Parece que para muitos, os problemas existentes já fazem parte de nossa nação. Como se integrassem o nosso folclore. E isso contribuí ainda mais para que eles permaneçam.

Mas não faz mal. Se a situação se complicar, vai todo mundo correndo se esconder em um estádio de futebol ou em alguma boate e se alucinar com alguma cerveja. Até que o velho problema não resolvido volte para lembrar os brasileiros de que ainda continua vivo, sadio e atuante.