terça-feira, 20 de novembro de 2012

Porque ninguém critica os Grandes Empresários?

Interessante. Brasileiro nunca fala mal dos Grandes Empresários. São "educados" e estimulados pela mídia a odiarem apenas os políticos, se esquecendo que justamente os mais corruptos também são empresários e é esta condição que os faz poderosos. Político que não é empresário não é nada, não passando de uma formiga pronta para ser amassada. O grande problema de nosso país são os Grandes Empresários.

Será que ninguém conhece o poder que eles tem? Ninguém sabe que o poder lestes poderosos senhores vai além da Economia, mandando na mídia, e consequentemente, nos costumes das pessoas? Que eles se beneficiam de todos os erros, problemas e injustiças que estão aí, senão o poderio deles poderia se reduzir? E a má distribuição de riqueza: tem eles o direito - abusivo - de possuírem tanta grana em suas mãos? Será que a população se esquece que para esses poderosos a vida de uma empresa é mais importante que as vidas de seres humanos?

Há algumas hipóteses que lanço para tentar entender porque a população prefere não criticar os Grandes Empresários, ignorando a decisiva influência dos mesmos para tudo de ruim que está aí. Vamos a elas.

- Moço, me dá um emprego? - Talvez de olho em algum cargo em uma grande empresa, mesmo que seja para ganhar pouco (e a iniciativa privada paga bem pouco), evita-se a todo o custo de criticar os empresários, preferindo enxergar neles os "pais" que nunca tiveram.

- Herói de si mesmo - Brasileiros costumam cultuar aqueles que vencem na vida para beneficiar apenas a si mesmos, mesmo que não ajudam a ninguém mais. Esportistas, celebridades e Grandes Empresários, costumam todos serem símbolos de sucesso e substitutos postiços para uma nação sem heróis. Brasileiros há séculos vivem a procura de heróis e líderes, mesmo forjados, para fingirem orgulho e também para que sejam os guias da população brasileira, tradicionalmente infantilizada e que ainda não sabe pensar e agir por conta própria.

- Não estou nem aí - O desprezo e o desinteresse pelos bastidores do poder faz com que ninguém perceba a vilania por traz desses donos do poder, acreditando serem eles trabalhadores tão sofridos como qualquer proletário, não interessa de que modo começaram a enriquecer.

- Glamour, puro glamour - Quem vai reclamar de alguém que simboliza tudo que a sociedade gostaria de ser, mesmo não conseguindo? A pose e a imagem de um Grande Empresário sempre fascina as pessoas.

Essas são as hipóteses. Os Grandes Empresários estão muito felizes com a submissão da população, pois assim, ninguém freia os seus abusos que contribuem muito para que tudo permaneça como está, emperrando eternamente o desenvolvimento da sociedade brasileira como um todo.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Como explicar o ódio da elite à Lula e ao PT

Entrando em redes sociais e observando alguns blogues, percebo entre as pessoas de classe média alta para cima, um certo ódio ao Lula e ao grupo de políticos que o assessora. Mas não é uma repulsa justa e sim um ódio subjetivo. Como se Lula tivesse feito algo danoso ao interesse particular e exclusivo dessas pessoas.

Não estou defendendo Lula. Não sou petista muito menos lulista. Lula traiu a população não fazendo a "mudança" que anunciou fazer e ainda aproveitou os projetos sociais do pseudo-arquiinimigo FHC, que não passam de meras esmolas paliativas que deveriam ser provisórias mas existem até hoje, estimulando o aumento da taxa de natalidade de pobres - resultando nesse vandalismo cultural que vemos hoje - e a preguiça. Trabalhar para quê, se essas "Bolsa-isso" e Bolsa-aquilo" pagam o que os miseráveis querem?

O que noto nas classes "intelectualizadas" (se eles fossem de fato intelectualizados, não criticariam o Socialismo usando Lula e o PT como "prova" do fracasso da ideologia que eles odeiam), é que eles odeiam Lula pelo perfil que ele representou. Ex-operário, de aparência e comportamento rudes, ele fugia daquilo que as classes altas esperam de um presidente: aparência de rei, postura de lorde e um diploma, mesmo fajuto, pendurado na parede na sala de estar.

Estas características típicas de um lorde tinham os Fernandos e tem a maior parte dos líderes admirados pelos simpatizantes do Capitalismo, que obviamente não se importam em ser explorados pelos Grandes Empresários, pois não conseguem de jeito algum enxergar algum defeito nos donos das grandes empresas. Até porque ricaços são ricaços e a estes é "justo" que estejam no poder.

Repito: não sou a favor de Lula nem dos petistas. Eles não me dizem nada. Mas a repulsa a eles deveria ser mais objetiva, com motivos mais realistas e não como se eles fossem "caras de mamão", como naquelas birras infantis, onde se odeia alguém só porque é "feio e bobo".

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Os "mensaleiros" do PT foram punidos. Ótimo. E os mensaleiros da direita, incluindo os Grandes Empresários?

O assunto de hoje na mídia é a condenação dos chamados "mensaleiros" do PT. A mídia está eufórica e os simpatizantes do capitalismo também. Estes estão acreditando que finalmente a corrupção acabou no país e que "podemos respirar sossegados". Não, não podemos.

Os simpatizantes do Capitalismo, que agora chamo de "cabeças duras" não sabem de 10% da estória. Se esquecem que o Capitalismo foi construído com a ajuda de um festival de falcatruas e conluios. Que ninguém se enriquece sem dar uma roubadinha daqui e dali. Não existe capitalista 100% honesto, já que a manutenção de gigantescas fortunas exige muita mentira.

Claro que ninguém vai assumir isto, já que é ruim para o prestígio dos Grandes Empresários e dos políticos de direita (que também são empresários, pois possuem meios de produção em seus patrimônios). Mas é uma realidade que mesmo na surdina, na "boca pequena", todos admitem ser real.

E punidos os corruptos de esquerda, quando serão punidos os corruptos de direita? Até porque, eu acredito que na hora de transações financeiras, ninguém é de direita ou de esquerda. As ideologias nunca são levadas em conta na hora de se obter lucros. Num mesmo processo de corrupção onde se encontrem "socialistas", tem obviamente a participação de capitalistas. Até porque o grosso da grana preta está na mãos dos capitalistas, verdadeiros donos do poder e manipuladores da sociedade como um todo, apesar de muitos deles se considerando "democratas", simpatizantes da população, quando na verdade quer que esta mesma população se dane. E para eles "vivas" para os Grandes Empresários.

Estamos aqui aguardando quando é que veremos os capitalistas sendo punidos. Tudo bem que as leis estão nas mãos deles, mas se deixarmos isso continuará assim.

Tenho absoluta certeza que o esquema de corrupção no país é muito maior do que se é capaz de imaginar e que há muita gente considerada "idônea" envolvida. Não sei quem está envolvido, nem quero saber, mas sei que existe mais participantes, pois a lógica do processo de corrupção onde se circula gigantesca quantidade de dinheiro, certamente é bem mais complexo e exige o envolvimento de muito mais gente.

Punam os corruptos de esquerda. Mas punam também os corruptos de direita, todos envolvidos na mesma e complicada rede que resulta em um só conluio.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

A esquerda a serviço do Capitalismo

O Socialismo da fato nunca aconteceu. Governantes e ideólogos agiram em nome do Socialismo, mas sem adotar todos os pontos de sua ideologia, distorcendo a doutrina e fortalecendo, sem intenções claras, o Capitalismo.

O Socialismo prega uma sociedade sem classes onde os benefícios devem ser repartidos entre todos. A ganância própria do ser humano impediu que esta ideia fosse adotada, resultando num "comunismo" retrógrado e autoritário, enganando a todos e fazendo com que os defensores do Capitalismo posassem de "humanistas", mesmo condenando a divisão igualitária dos benefícios.

Os Capitalistas se acham humanistas e democráticos. Mas defendem que os benefícios sejam alcançados - em tese - apenas por aqueles que lutam pelos benefícios. Acreditam que os pobres são como tais porque querem e que todo rico conseguiu seu patrimônio sempre com sofrimento e muita batalha (o que sabemos há tempos que não é verdade na maioria dos casos).

Voltando ao Socialismo, a sua distorção tem favorecido e muito o Capitalismo, pois enfraquecendo a ideologia lançada por Karl Marx e Friederick Engels, esta ideologia é desmoralizada e é dada a oportunidade para que seus detratores defendam o injusto sistema que, mesmo comprovadamente falho, ainda dá sinais de força, já que os poderosos não medem gastos para tentar manter vivo este sistema.

Os "bundas moles" trabalham sem saber, para o Capitalismo

As distorções do Socialismo acabam por criar uma versão distorcida e até contraditória da doutrina, sobretudo no Brasil. O Socialismo brasileiro admite a divisão de classes e estimula a estagnação da classe operária, prendendo-a numa ignorância cultural e numa onda desenfreada de consumismo que é confundido como forma de "qualidade de vida". Isso não é um dos pontos defendidos pelo Capitalismo?

O Capitalismo consagra tanto a divisão de classes como a estagnação dos pobres e o estímulo ao consumismo. As esquerdas brasileiras, representadas pelos "bundas moles", ao defender estes pontos, estão sendo contraditórias e negando a ideologia que defendem. Políticos como Marcelo Freixo, vários petistas, e intelectuais como Pedro Alexandre Sanches, apesar de se auto-rotularem socialistas, defendem abertamente estes pontos, por acharem mais fácil resolver os problemas da pobreza através do consumismo e da estagnação intelectual. Como se achassem bonito pobre continuar burro e sujo, mesmo consumindo as "últimas novidades" do mercado.

Quem lucra com isso são os "cabeças duras", defensores e simpatizantes do Capitalismo, que estranhamente, condenam a estagnação intelectual do pobre, mas desejam que a renda continue sendo mal distribuída, acreditando ser os Grandes Empresários os grandes heróis e tutores da humanidade, imunes à críticas e símbolos do sucesso para a humanidade brasileira.

Todos os dois lados erram por não entenderem o propósito do Socialismo. Um defende, mas sem adotar de fato a sua ideologia. Outro condena, tachando-a de "retrógrada" e "autoritária".

Stalin foi o grande deturpador do Socialismo. Quem leu O Capital, de Karl Marx sabe disso. Seu sistema nada teve a ver com o lançado pelo ideólogo alemão, pois além de autoritário, o sistema de Stalin não estimulava o progresso (o Socialismo verdadeiro defende o progresso), estimulando governantes consecutivos a mergulhar o Leste europeu e outras nações ditas socialistas, numa verdadeira miséria e estagnação.

Graças a Stalin, os capitalistas acabaram encontrando uma forma de condenar qualquer ideologia que negasse o seu sistema, fortalecendo-o e conquistando adeptos, sobretudo entre as classes mais abastadas, acreditando ser o Capitalismo um sistema "justo" - e não é" - só porque defende a liberdade de evolução econômica de seus seguidores, embora o mesmo sistema crie as condições que dificultem esta evolução. Quem quiser crescer no sistema capitalista, tem que suar muito, numa estressante luta tão torturante quanto qualquer calabouço de castelos medievais.

Stalin sem querer e sem saber, foi o grande trunfo do Capitalismo. Um grande garoto-propaganda às avessas que fez um grande serviço que acabou fortalecendo - até hoje - esse sistema injusto, excludente e que conquista adeptos pela sua fachada de "justo" e "progressista", mas criando crises, multiplicando miseráveis e fazendo com que uma gigantesca massa humana fique mergulhada na alienação e no conformismo, enquanto políticos e Grandes Empresários gastam fortunas com inutilidades que só servem para perpetuá-los no comando das nações por todo o mundo.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Os bundas-moles e os cabeças-duras

Se pensam que o pensamento político brasileiro se divide em esquerdistas e direitistas, estão redondamente errados. Na verdade o pensamento político da população brasileira se divide em bundas moles e cabeças duras.

Bundas moles são os esquerdistas paternalistas, fascinados com o destaque que a população das "periferias" estão tendo hoje, acreditando que o consumismo e a maquiagem visual substituem a qualidade de vida que nunca chega aos realmente mais carentes, hoje disfarçados de "nova classe média", como se um rótulo pudesse compensar as injustiças sociais que nunca se encerram em nosso país.

Injustiças defendidas pelos cabeças duras, um bando de capitalistas e simpatizantes do Capitalismo que se diverte falando mal da esquerda e que vivem tratando os Grandes Empresários como tutores e até mesmo "heróis" da humanidade.

Ambos estão errados em defender a existência desses extremos que só perpetuam as desigualdades em nosso país, consagrando a ideia errada que nos faz acreditar que existem privilegiados e sofredores e suas condições tem que ser mantidas, como se estes tivessem nascidos para viver nestas condições.

Os dois tipinhos emperram a evolução social de nosso país , por não entenderem as falcatruas que estão por trás das duas ideologias para que tudo fique como está, beneficiando apenas os donos do poder, sejam políticos, sejam os Grandes empresários (que eu defino como políticos da iniciativa privada, pois possuem sim, poder político).

E seus simpatizantes, sejam de um lado (esquerdinhas), sejam do outro (direitões), talvez felizes com a vida que possuem, seja boa ou não, adquirem confiança cega em seus ídolos, defendendo seus pontos de vista com unhas e dentes, chegando mesmo a provocar discussões e brigas, que muitas vezes chegam à agressões físicas.

Triste ver esse cenário. Os políticos e Grandes Empresários gostam disso, pois para eles a desorganização social, tratada por eles como "organização", e que traz uma noção errada de disciplina e tranquilidade, só os beneficia. Para eles pouco interessa se pessoas vão morrer ou não. Para os esquerdinhas, pessoas são grãos de areia enquanto para os Grandes Empresários, não passam de meros números. O que interessa a ambos é que essa bagunça toda não interfira em seus lucros pessoais e na sua posição no status quo, o que lhes garante muito poder, capaz de induzir as massas a serem cada vez mais obedientes e alienadas, nada fazendo para que o país melhore através de grandes mudanças, se conformando com meras mudanças paliativas.

Para esclarecer, não estou do lado de nenhum dos dois. Os esquerdinhas pecam pela ingenuidade. Os direitões pecam pelo egoísmo. Ambos atrapalham a evolução de nossa sociedade.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Os carneirinhos do ENEM e a educação que nunca vai melhorar

É tradição que os políticos nunca invistam em educação. Investir em educação, mas não apenas construindo escolas e remunerando melhor professores, mas criando condições para que os alunos aprendam de fato, faz com que estes se intelectualizem e sejam autônomos, acabando com a oportunidade do governo de manipulá-los para que os interesses mesquinhos deste possam ser mantidos e ampliados.

O que o Governo Brasileiro decidiu para, supostamente, "melhorar" a educação? Simples. Tasca provas. provas, provas e mais provas. O infeliz do aluno vai se matar tanto para estudar o conteúdo que o  governo impõe (e que nunca deve estimular o desenvolvimento do senso crítico e da capacidade de discernimento), que não terá tempo para contestar nada, aceitando todo os sistema com as injustiças e todos os erros que nunca devem ser encerrados, já que beneficiam os poderosos.

Pra que serve esse ENEM? Segundo seus defensores, serve para "analisar" a qualidade de ensino e decidir em qual escola deverá ir o investimento do governo. Se é para a anaisar as escolas, porque os alunos tem que fazer uma prova para isso? Não seria melhor fiscalizar o cotidiano escolar? Não seria melhor avaliar as provas que os alunos já fazem dentro da escola? Entrevistar professores, verificar currículos, estrutura das escolas, etc.? Não. Legal mesmo é tascar uma prova, como se ser estudante merecesse uma punição.

E o que o ENEM consegue de fato? Criar dificuldades para que os alunos entrem no mercado de trabalho. Ótimo, isso alegra as elites, sobretudo os amados, idolatrados e respeitados Grandes Empresários, verdadeiros detentores do poder no Brasil e que não estão nem um pouco afim de ampliar as vagas para o disputado emprego em suas empresas e nas de outros.

Genial. o ENEM, além de impedir o desenvolvimento intelectual do aluno (limitado ao inútil currículo escolar criado apenas para servir de obstáculo ao emprego), ainda serve de funil para que os alunos entrem na universidade e satisfaçam as exigências cada vez maiores e cada vez mais inúteis feitas pelo sempre excludente mercado de trabalho.

Se já não faz sentido barrar o ingresso livre dos estudantes nas universidades, porque manter o ENEM como filtro para isso? Defendo o ingresso livre, sim, pois sabemos que as provas do ENEM e do Vestibular não servem para selecionar "os melhores" para entrar nas faculdades, já que nosso sistema não estimula o discernimento e favorece que até os mais alienados consigam tirar excelentes notas nas escolas e nas provas de ingresso nas faculdades, que por sua vez exigem o discernimento ausente nos "melhores" alunos.

Todo o sistema educacional é falho. Precisa ser totalmente demolido e reinventado do nada. Um sistema que não estimula o discernimento, o senso crítico e que só serve de obstáculo para alguém conseguir um emprego (direito básico - sem emprego ninguém sobrevive dignamente), é totalmente falido e podre. Manter um sistema apodrecido, remendando a cada temporada é um erro grave que só resulta nisso que vemos por aí, com uma população alienada, acomodada, crédula, infantil, totalmente despreparada para muitas questões na vida e submissa a governos, empresários e mídia.

Tão submissa que aceita esta prova tranquilamente sem contestar, andando pelos corredores dos lugares de prova como carneirinhos dóceis e irracionais, que só fazem o que seu líder explorador manda, com a única finalidade de satisfazer os interesses particulares de quem detêm as rédeas do poder.

Esse verdadeiro rebanho de idiotas nem repara que tudo isso é feito para que todos se mantenham na irracionalidade, negando o nosso privilégio de sermos os únicos a raciocinar plenamente. O Governo quer que continuemos sendo gado. Um gado feliz, mas sempre submisso.