sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Notas altas em colégios militares não podem ser sinal de qualidade na Educação

A mais nova mania do brasileiro para tentar recuperar os valores perdidos é tentar corrigir os erros através de outros erros, acreditando que a sociedade no passado era melhor que a nossa. Se esquecem que sendo melhor em alguns aspectos, não significa que tenha sido melhor em todos. E obviamente é um erro tentar consertar erros com outros erros.

A Educação é um problema tradicional em nosso país. Ninguém sabe como resolvê-la. Ninguém mesmo. As soluções que tem aparecido ou são equivocadas ou apenas paliativas. Todas se baseando na tese da tábula rasa, onde "educar" é o mesmo que inserir informações em cérebros supostamente vazios, sem aproveitar o talento pessoal de cada um, que na verdade está latente na infância. Todo o currículo escolar é construído com base nesta ideia.

Outro erro é acreditar que todo aquele que tirta notas baixas é um preguiçoso ou incapaz, quando na verdade é um caso de falta de adaptação ao sistema - equivocado - de ensino, por causas inúmeras e complexas. Acusar um aluno que tira nota baixa de preguiçosos e incapaz é, além de desumano, um desperdício de potencial, já que a neurologia e a psicologia provaram que muitos alunos problemáticos tendem a ser excelente s cidadãos e profissionais, tendo qualidades que precisam ser desenvolvidas de modo diferente dos métodos tradicionais.

Mas falsas soluções tem animado a sociedade, que não sabendo o que realmente fazer para melhorar a Educação, aceita qualquer coisa que traga um benefício aparente, dentro do que a sociedade espera que aconteça e não como deveria ser. Além do caso aqui mencionado do suborno a estudantes para que eles se esforcem mais em troca de "prêmios", agora temos o êxito pragmático das escolas militares.

Eu pergunto: é função do militar oferecer educação. Claro que não! Militar não existe para educar, existe para oferecer segurança. Tradicionalmente truculentos, militares normalmente fracassam quando se metem em áreas que não são da alçada deles. A ditadura militar é uma grande prova disso.

Aliás, desviando um pouco o assunto, nem sei porque a sociedade não quer que o policiamento seja feito por militares das forças armadas. É segurança de qualquer jeito. Até bem mais eficiente que a fraquíssima polícia, tanto a militar como a civil. Mas isso é outro assunto.

Se as forças armadas não podem prender bandido, porque então podem educar cidadãos? O ensino militar é um ensino retrógrado, troglodita, que despreza o livre-arbítrio e é calcado na obediência excessiva., chamada de "disciplina". Disciplina é bom, mas em excesso gera danos. Sabem quais os danos disto? Criar jovens submissos, sem criatividade e repetidores de ordens, sem vontade própria e com pouca capacidade de dexisão. Se já vivemos numa sociedade tradicionalmente submissa e passiva, o ensino militar só irá agravar o erro que já está estabilizado.

Não digo que não existam escolar militares. Podem existir, desde que ignorem a filosofia militar em relação aos alunos. Os militares devem se limitar a administrar estas escolas (o mesmo digo aos religiosos que administram escolas que pertencem à igrejas), se afastando totalmente da intenção (tentação?) de transformar seus alunos em "soldados" em miniatura.

A educação deveria ter um grande avanço, livrando de uma vez por todas de conceitos antigos, observando sempre as diferenças pessoais entre os alunos e equilibrando a disciplina para que ela não se torne nociva ao livre arbítrio e ao desenvolvimento do senso crítico. Desenvolver uma personalidade questionadora e com alta capacidade de discernimento deveria ser o objetivo final de toda e qualquer escola, pois por falta de crítica e de discernimento que vemos hoje os problemas se arrastrem e crescerem de modo assustador, gerando danos que nunca são resolvidos de maneira adequada.

Não é uma nota alta que deve ser usada para medir as capacidades intelectuais dos alunos. A tradição mostra que os melhores alunos mesmo, aqueles que realmente realizam as transformações sociais, não tiram na maior parte de suas avaliações, notas acima de 6. Isso tem que ser observado e revisto.

Não podemos dar a Educação soluções paliativas que estão relacionadas a um contexto em que o mundo não mais encontra. As pesquisas de educadores mostram que tudo deve ser mudado, sobretudo o currículo escolar, hoje ainda irreal e desnecessariamente dificultante.

Notas altas, professores bem remunerados e escolas construídas não são sinal de boa educação. A boa educação se vê no cotidiano, no modo que os cidadãos agem. E como vemos em nossa sociedade insistentemente decadente, há muito o que fazer. Para começar reinventar a educação, partindo do ponto zero e descartando tudo que foi aprendido sobre ela.

E que os militares se preocupem com a segurança do país. Aluno não é soldado. Deixem a Educação para os educadores.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

PRF em greve mostra cartaz polêmico

Desta vez, pegaram pesado. A Polícia Rodoviária Federal, em greve, mandou colocar um cartaz em seus postos, que tem causado muita polêmica. A foto abaixo mostra o respectivo cartaz que além de estar sendo considerado ofensivo e uma desobediência à lei (mesmo em greve ela deveria lutar para que drogas e armas nunca entrassem, o que é considerado um serviço essencial, que por lei deve ser mantido mesmo durante greves), ainda sugere que vivemos num caos, onde tudo é permitido.

De qualquer forma, o cartaz não deveria ter sido colocado. Foi um exagero. O direito de greve e de liberdade de expressão deve respeitar os limites do bom senso. "Consagrar" o caos nunca deveria ser lema de greve nenhuma que na verdade deveria lutar para que o caos acabasse e não legitimá-lo. Foi uma frase infeliz, mal interpretada por muitos e que mostra como a nossa sociedade está uma bagunça.

Reivindicar direitos é louvável, mas não com declarações infelizes como esta.


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Brasileiros são o melhor povo do mundo para ser manobrado

Por Marcelo Pereira

Os poderosos do mundo todo e do nosso país também, adoram o povo brasileiro. A nossa população é a melhor do mundo para se tornar alvo de manipulação ideológica. Quando alguém quiser alguém para ter seu cérebro "lavado", os brasileiros são a primeira opção. Por isso mesmo quase todas as empresas do mundo querem ter filial aqui. Povo obediente, mão de obra barata...

Os brasileiros criaram uma espécie de "nojo" às coisas intelectuais. Pensar exige esforço e nada melhor que aposentar o cérebro na hora de descanso e curtir a vida. Claro que não se abre mão do rótulo de "inteligente". Levar o título de "sábio" sem mover uma só palha é a melhor coisa do mundo. Até dispensa do "nefasto" raciocínio. Basta seguir alguém que seja formador de opinião e pronto: todo mundo fica inteligente sem ser de fato. Não é uma maravilha?

Maravilha mesmo, sem, ironia é para os poderosos, que encontraram no brasileiro as marionetes perfeitas para satisfazer os seus interesses, numa silenciosa escravidão ideológica que não tem igual em qualquer outro país.

Aqui a religiosidade é alta, ter fé é tido como qualidade, futebol é considerado obrigação social e cívica, música de mercado é "pura arte" e vários valores sociais duvidosos seguem defendidos a ferro e fogo pela população há muitas décadas. Tudo isso somado ao desemprego e má qualidade de vida, onde qualquer tipo de ilusão é usada como "saída de emergência" para tais.

Esse é um cenário perfeito para que alguém que tenha poder ou dinheiro possa investir em um "exército" ideológico que ajudaria esses poderosos a ficarem ainda mais poderosos, pois com a índole passiva e alienada do brasileiro, fica fácil fazer qualquer um em nosso país trabalhar pelos interesses exclusivos desses poderosos.

É uma pena que a população aja desta forma, pensando que vai se desenvolver com isso. Com essa atitude, mantemos a nossa baixa auto-estima e nossa estagnação, perpetuando nosso subdesenvolvimento que, mesmo disfarçado de prosperidade pelo consumismo e pelo destaque que o país vem tendo no ramo do entretenimento (que não é arte, bom lembrar), nunca consegue se encerrar, sempre colocando nosso país entre os piores em qualidade de vida. 

Mas importante mesmo é o título no futebol, não acham? Morre-se de fome, fica sem emprego e aguenta a corrupção, mas o "caneco" fica na CBF! Para a alegria postiça da população alienada. E para a alegria real dos poderosos.

sábado, 11 de agosto de 2012

Analfabetismo científico nos EUA preocupa

ESPREMENDO A LARANJA: Se lá nos EUA, país mais desenvolvido que o nosso já é assim, imagine aqui no Brasil, onde o analfabetismo funcional se encontra em níveis alarmantes e onde a burrice (sem esse nome, é claro) é infelizmente defendida pela maioria dos jovens como a "nova inteligência".

Nunca devemos esquecer que "bem informado" não é aquele que recebe ou tem acesso a um monte de informações, mas aquele que sabe analisá-las e é capaz de verificar sua veracidade.

Analfabetismo científico nos EUA preocupa

Ricardo Mioto - Folha de São Paulo

Após ouvir cerca de 10 mil alunos de graduação nos EUA, pesquisadores descobriram que só 35% discordavam da ideia de que ETs teriam visitado civilizações antigas da Terra e ajudado a construir monumentos como as pirâmides do Egito.

Poucos se manifestaram contra outras teses sem base, como o suposto status de ciência da astrologia (não confundir com a astronomia) e a ideia de que existem números da sorte -22% e 40%, respectivamente.

Além disso, mais de 40% disseram que antibióticos matam tanto vírus quanto bactérias -- na verdade, só as bactérias são vulneráveis a esse tipo de medicamento.

Para o autor do estudo americano, o astrônomo Chris Impey, os números refletem um problema do país: os alunos de ensino médio não precisam fazer cursos de ciência. A maioria estuda biologia, mas menos de metade tem aulas de química e só um quarto estuda física.

"O ensino médio americano é forte em história, conhecimentos gerais, esportes, computação, mas bastante fraco mesmo em ciências", diz Renato Sabbatini, biomédico e educador da Unicamp.

"Mas as perguntas que fizeram são hiperelementares, um adolescente minimamente informado que assista televisão saberia responder."

Preocupante, diz Impey, é que o pior desempenho foi justamente o dos alunos de cursos na área da educação.

Não há números parecidos que indiquem qual a realidade brasileira. Embora aulas de ciência sejam obrigatórias no ensino médio por aqui, a baixa qualidade do ensino não garante muita coisa.

Conspirando contra a compreensão científica no país, diz Sabbatini, há o fato de que cerca de 70% dos brasileiros só conseguem ler textos curtos e tirar informações esparsas deles. "Têm letramento insuficiente. É impossível serem bem informados sobre a ciência moderna."

Tal analfabetismo, diz Impey, não deixa de ser um problema político: "Esses conhecimentos são importantes para avaliar posições políticas sobre mudança climática ou células-tronco."

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Proibido proibir o Caetano

Nos 70 anos de Caetano Veloso, completados hoje, um momento histórico, cantando a mítica É Proibido Proibir. Caetano é excelente compositor e cantor, mas quando expressa suas opiniões sobre política ou cultura, costuma deixar a desejar.

De qualquer forma, o famoso discurso está aí para vocês ouvirem e analisarem. Foi uma reação às vaias em um festival. Lembrando que Caetano, do contrário que muitos pensam não era contra a ditadura, não foi prejudicado por ela e sua linha ideológica é de direita (capitalista), postura que mantém até hoje.

 Mesmo assim, feliz 70 anos, Caetano Veloso!