terça-feira, 5 de junho de 2012

Futebol, Armas e Cotas Raciais: quando a Esquerda comete erros

Minha orientação política é de esquerda. Mas não essa esquerda que está aí. Embora muitos não concordem comigo, sempre acreditei que a verdadeira esquerda nunca existiu no Brasil e sim uma caricatura dela, ao mesmo tempo mofada (agindo como nos tempos dos bolcheviques) e pouco contestadora.

Mas em três assuntos, os esquerdistas cometem absoluta incoerência com os pontos básicos do verdadeiro socialismo: futebol, armas e cotas raciais.

Futebol, o mais capitalista dos esportes

Os esquerdistas ainda tratam o futebol como "símbolo cívico", tratando com seriedade assuntos relacionados a ele e dedicando quase de maneira militante durante as copas, como se algum título conquistado pudesse melhorar a vida dos brasilairos. 

Mal sabem eles que não há nada mais capitalista que futebol, prefeito instrumento de manobra ideológica, alienação e passividade, frequentemente utilizado como forma de impedir protestos ou qualquer tipo de contestação. Além de, claro, servir para aumentar ainda mais a corrupção, graças ao dinheiro fácil e farto que circula no meio.

Armas representam a estagnação da barbárie

Infelizmente tenho a oportunidade de ver muitas pessoas de mentalidade progressista defender o porte de armas pelos cidadãos comuns. Eles argumentam que é para a defesa, mas conhecendo a personalidade de 90% dos brasileiros, numa sociedade brasileira ainda bem atrasada, ignorante, ao mesmo tempo medrosa e com preguiça de raciocinar, que insiste em preferia a fuga através de divertimento fútil do que resolver seus problemas cotidianos, com certeza vai querer descarregar a sua raiva da pior maneira se estiver portando uma arma.

Isso é batata. Para um povo naturalmente catártico, que briga no trânsito por qualquer besteira, que gosta de bater em filho e se dar bem com jeitinho, ter uma arma  pode potencializar  ainda mais essa catarse, transformando em algo perigoso e altamente fatal a quem estiver por perto.

A presença de armas, na minha opinião, é um sintoma claro e evidente de atraso em nossa sociedade, que nos remete a tempos bem antigos, onde se guerreavam por qualquer motivo, como na Idade Antiga. Sinal que nos estamos bem longe da evolução humana, ainda estando na condição de animais aprendendo a ser gente.

Sistema de cotas é racismo bem cruel

Sou contra o sistema de cotas. Sou mestiço, neto de negros por parte paterna. Poderia me beneficiar me registrando como negro, mas sou contra isso.

O sistema de cotas leva em conta a absurda ideia de que os negros e outras etnias são menos inteligentes que as outras, merecendo um "empurrão" para alcançarem seus objetivos.

Os defensores desse sistema argumentam que ele existe para reparar erros seculares desde os tempos de escravidão, o que pra mim não faz sentido nenhum. Culpar o passado pelos erros do presente em que a origem não se encontra nesse passado é um erro. O que é necessário, é educar as pessoas desde cedo a parar com este erro chamado racismo, uma ignorância pura que estipula diferenças onde elas não existem na verdade. Afinal, raça é para cachorro, já que os seres humanos não possuem diferenças o suficiente para caracterizar um conjunto de traços "uma raça".

Desde séculos temos muitas provas da grande inteligência criativa da raça negra, provando que os racistas estavam errados. Principalmente na cultura, vemos uma invejável capacidade de raciocínio que resultou em inúmeras maravilhas que podemos usufruir até hoje. Certamente quem tem esse poder não precisa de cotas para vencer e sim do respeito humano que, como eu disse, deve ser desenvolvido desde a mais tenra infância.

Não há porque as esquerdas defenderem esses três pontos, que só negam aquilo que o verdadeiro esquerdismo pregou em todos esses anos no mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.