terça-feira, 20 de novembro de 2012

Porque ninguém critica os Grandes Empresários?

Interessante. Brasileiro nunca fala mal dos Grandes Empresários. São "educados" e estimulados pela mídia a odiarem apenas os políticos, se esquecendo que justamente os mais corruptos também são empresários e é esta condição que os faz poderosos. Político que não é empresário não é nada, não passando de uma formiga pronta para ser amassada. O grande problema de nosso país são os Grandes Empresários.

Será que ninguém conhece o poder que eles tem? Ninguém sabe que o poder lestes poderosos senhores vai além da Economia, mandando na mídia, e consequentemente, nos costumes das pessoas? Que eles se beneficiam de todos os erros, problemas e injustiças que estão aí, senão o poderio deles poderia se reduzir? E a má distribuição de riqueza: tem eles o direito - abusivo - de possuírem tanta grana em suas mãos? Será que a população se esquece que para esses poderosos a vida de uma empresa é mais importante que as vidas de seres humanos?

Há algumas hipóteses que lanço para tentar entender porque a população prefere não criticar os Grandes Empresários, ignorando a decisiva influência dos mesmos para tudo de ruim que está aí. Vamos a elas.

- Moço, me dá um emprego? - Talvez de olho em algum cargo em uma grande empresa, mesmo que seja para ganhar pouco (e a iniciativa privada paga bem pouco), evita-se a todo o custo de criticar os empresários, preferindo enxergar neles os "pais" que nunca tiveram.

- Herói de si mesmo - Brasileiros costumam cultuar aqueles que vencem na vida para beneficiar apenas a si mesmos, mesmo que não ajudam a ninguém mais. Esportistas, celebridades e Grandes Empresários, costumam todos serem símbolos de sucesso e substitutos postiços para uma nação sem heróis. Brasileiros há séculos vivem a procura de heróis e líderes, mesmo forjados, para fingirem orgulho e também para que sejam os guias da população brasileira, tradicionalmente infantilizada e que ainda não sabe pensar e agir por conta própria.

- Não estou nem aí - O desprezo e o desinteresse pelos bastidores do poder faz com que ninguém perceba a vilania por traz desses donos do poder, acreditando serem eles trabalhadores tão sofridos como qualquer proletário, não interessa de que modo começaram a enriquecer.

- Glamour, puro glamour - Quem vai reclamar de alguém que simboliza tudo que a sociedade gostaria de ser, mesmo não conseguindo? A pose e a imagem de um Grande Empresário sempre fascina as pessoas.

Essas são as hipóteses. Os Grandes Empresários estão muito felizes com a submissão da população, pois assim, ninguém freia os seus abusos que contribuem muito para que tudo permaneça como está, emperrando eternamente o desenvolvimento da sociedade brasileira como um todo.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Como explicar o ódio da elite à Lula e ao PT

Entrando em redes sociais e observando alguns blogues, percebo entre as pessoas de classe média alta para cima, um certo ódio ao Lula e ao grupo de políticos que o assessora. Mas não é uma repulsa justa e sim um ódio subjetivo. Como se Lula tivesse feito algo danoso ao interesse particular e exclusivo dessas pessoas.

Não estou defendendo Lula. Não sou petista muito menos lulista. Lula traiu a população não fazendo a "mudança" que anunciou fazer e ainda aproveitou os projetos sociais do pseudo-arquiinimigo FHC, que não passam de meras esmolas paliativas que deveriam ser provisórias mas existem até hoje, estimulando o aumento da taxa de natalidade de pobres - resultando nesse vandalismo cultural que vemos hoje - e a preguiça. Trabalhar para quê, se essas "Bolsa-isso" e Bolsa-aquilo" pagam o que os miseráveis querem?

O que noto nas classes "intelectualizadas" (se eles fossem de fato intelectualizados, não criticariam o Socialismo usando Lula e o PT como "prova" do fracasso da ideologia que eles odeiam), é que eles odeiam Lula pelo perfil que ele representou. Ex-operário, de aparência e comportamento rudes, ele fugia daquilo que as classes altas esperam de um presidente: aparência de rei, postura de lorde e um diploma, mesmo fajuto, pendurado na parede na sala de estar.

Estas características típicas de um lorde tinham os Fernandos e tem a maior parte dos líderes admirados pelos simpatizantes do Capitalismo, que obviamente não se importam em ser explorados pelos Grandes Empresários, pois não conseguem de jeito algum enxergar algum defeito nos donos das grandes empresas. Até porque ricaços são ricaços e a estes é "justo" que estejam no poder.

Repito: não sou a favor de Lula nem dos petistas. Eles não me dizem nada. Mas a repulsa a eles deveria ser mais objetiva, com motivos mais realistas e não como se eles fossem "caras de mamão", como naquelas birras infantis, onde se odeia alguém só porque é "feio e bobo".

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Os "mensaleiros" do PT foram punidos. Ótimo. E os mensaleiros da direita, incluindo os Grandes Empresários?

O assunto de hoje na mídia é a condenação dos chamados "mensaleiros" do PT. A mídia está eufórica e os simpatizantes do capitalismo também. Estes estão acreditando que finalmente a corrupção acabou no país e que "podemos respirar sossegados". Não, não podemos.

Os simpatizantes do Capitalismo, que agora chamo de "cabeças duras" não sabem de 10% da estória. Se esquecem que o Capitalismo foi construído com a ajuda de um festival de falcatruas e conluios. Que ninguém se enriquece sem dar uma roubadinha daqui e dali. Não existe capitalista 100% honesto, já que a manutenção de gigantescas fortunas exige muita mentira.

Claro que ninguém vai assumir isto, já que é ruim para o prestígio dos Grandes Empresários e dos políticos de direita (que também são empresários, pois possuem meios de produção em seus patrimônios). Mas é uma realidade que mesmo na surdina, na "boca pequena", todos admitem ser real.

E punidos os corruptos de esquerda, quando serão punidos os corruptos de direita? Até porque, eu acredito que na hora de transações financeiras, ninguém é de direita ou de esquerda. As ideologias nunca são levadas em conta na hora de se obter lucros. Num mesmo processo de corrupção onde se encontrem "socialistas", tem obviamente a participação de capitalistas. Até porque o grosso da grana preta está na mãos dos capitalistas, verdadeiros donos do poder e manipuladores da sociedade como um todo, apesar de muitos deles se considerando "democratas", simpatizantes da população, quando na verdade quer que esta mesma população se dane. E para eles "vivas" para os Grandes Empresários.

Estamos aqui aguardando quando é que veremos os capitalistas sendo punidos. Tudo bem que as leis estão nas mãos deles, mas se deixarmos isso continuará assim.

Tenho absoluta certeza que o esquema de corrupção no país é muito maior do que se é capaz de imaginar e que há muita gente considerada "idônea" envolvida. Não sei quem está envolvido, nem quero saber, mas sei que existe mais participantes, pois a lógica do processo de corrupção onde se circula gigantesca quantidade de dinheiro, certamente é bem mais complexo e exige o envolvimento de muito mais gente.

Punam os corruptos de esquerda. Mas punam também os corruptos de direita, todos envolvidos na mesma e complicada rede que resulta em um só conluio.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

A esquerda a serviço do Capitalismo

O Socialismo da fato nunca aconteceu. Governantes e ideólogos agiram em nome do Socialismo, mas sem adotar todos os pontos de sua ideologia, distorcendo a doutrina e fortalecendo, sem intenções claras, o Capitalismo.

O Socialismo prega uma sociedade sem classes onde os benefícios devem ser repartidos entre todos. A ganância própria do ser humano impediu que esta ideia fosse adotada, resultando num "comunismo" retrógrado e autoritário, enganando a todos e fazendo com que os defensores do Capitalismo posassem de "humanistas", mesmo condenando a divisão igualitária dos benefícios.

Os Capitalistas se acham humanistas e democráticos. Mas defendem que os benefícios sejam alcançados - em tese - apenas por aqueles que lutam pelos benefícios. Acreditam que os pobres são como tais porque querem e que todo rico conseguiu seu patrimônio sempre com sofrimento e muita batalha (o que sabemos há tempos que não é verdade na maioria dos casos).

Voltando ao Socialismo, a sua distorção tem favorecido e muito o Capitalismo, pois enfraquecendo a ideologia lançada por Karl Marx e Friederick Engels, esta ideologia é desmoralizada e é dada a oportunidade para que seus detratores defendam o injusto sistema que, mesmo comprovadamente falho, ainda dá sinais de força, já que os poderosos não medem gastos para tentar manter vivo este sistema.

Os "bundas moles" trabalham sem saber, para o Capitalismo

As distorções do Socialismo acabam por criar uma versão distorcida e até contraditória da doutrina, sobretudo no Brasil. O Socialismo brasileiro admite a divisão de classes e estimula a estagnação da classe operária, prendendo-a numa ignorância cultural e numa onda desenfreada de consumismo que é confundido como forma de "qualidade de vida". Isso não é um dos pontos defendidos pelo Capitalismo?

O Capitalismo consagra tanto a divisão de classes como a estagnação dos pobres e o estímulo ao consumismo. As esquerdas brasileiras, representadas pelos "bundas moles", ao defender estes pontos, estão sendo contraditórias e negando a ideologia que defendem. Políticos como Marcelo Freixo, vários petistas, e intelectuais como Pedro Alexandre Sanches, apesar de se auto-rotularem socialistas, defendem abertamente estes pontos, por acharem mais fácil resolver os problemas da pobreza através do consumismo e da estagnação intelectual. Como se achassem bonito pobre continuar burro e sujo, mesmo consumindo as "últimas novidades" do mercado.

Quem lucra com isso são os "cabeças duras", defensores e simpatizantes do Capitalismo, que estranhamente, condenam a estagnação intelectual do pobre, mas desejam que a renda continue sendo mal distribuída, acreditando ser os Grandes Empresários os grandes heróis e tutores da humanidade, imunes à críticas e símbolos do sucesso para a humanidade brasileira.

Todos os dois lados erram por não entenderem o propósito do Socialismo. Um defende, mas sem adotar de fato a sua ideologia. Outro condena, tachando-a de "retrógrada" e "autoritária".

Stalin foi o grande deturpador do Socialismo. Quem leu O Capital, de Karl Marx sabe disso. Seu sistema nada teve a ver com o lançado pelo ideólogo alemão, pois além de autoritário, o sistema de Stalin não estimulava o progresso (o Socialismo verdadeiro defende o progresso), estimulando governantes consecutivos a mergulhar o Leste europeu e outras nações ditas socialistas, numa verdadeira miséria e estagnação.

Graças a Stalin, os capitalistas acabaram encontrando uma forma de condenar qualquer ideologia que negasse o seu sistema, fortalecendo-o e conquistando adeptos, sobretudo entre as classes mais abastadas, acreditando ser o Capitalismo um sistema "justo" - e não é" - só porque defende a liberdade de evolução econômica de seus seguidores, embora o mesmo sistema crie as condições que dificultem esta evolução. Quem quiser crescer no sistema capitalista, tem que suar muito, numa estressante luta tão torturante quanto qualquer calabouço de castelos medievais.

Stalin sem querer e sem saber, foi o grande trunfo do Capitalismo. Um grande garoto-propaganda às avessas que fez um grande serviço que acabou fortalecendo - até hoje - esse sistema injusto, excludente e que conquista adeptos pela sua fachada de "justo" e "progressista", mas criando crises, multiplicando miseráveis e fazendo com que uma gigantesca massa humana fique mergulhada na alienação e no conformismo, enquanto políticos e Grandes Empresários gastam fortunas com inutilidades que só servem para perpetuá-los no comando das nações por todo o mundo.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Os bundas-moles e os cabeças-duras

Se pensam que o pensamento político brasileiro se divide em esquerdistas e direitistas, estão redondamente errados. Na verdade o pensamento político da população brasileira se divide em bundas moles e cabeças duras.

Bundas moles são os esquerdistas paternalistas, fascinados com o destaque que a população das "periferias" estão tendo hoje, acreditando que o consumismo e a maquiagem visual substituem a qualidade de vida que nunca chega aos realmente mais carentes, hoje disfarçados de "nova classe média", como se um rótulo pudesse compensar as injustiças sociais que nunca se encerram em nosso país.

Injustiças defendidas pelos cabeças duras, um bando de capitalistas e simpatizantes do Capitalismo que se diverte falando mal da esquerda e que vivem tratando os Grandes Empresários como tutores e até mesmo "heróis" da humanidade.

Ambos estão errados em defender a existência desses extremos que só perpetuam as desigualdades em nosso país, consagrando a ideia errada que nos faz acreditar que existem privilegiados e sofredores e suas condições tem que ser mantidas, como se estes tivessem nascidos para viver nestas condições.

Os dois tipinhos emperram a evolução social de nosso país , por não entenderem as falcatruas que estão por trás das duas ideologias para que tudo fique como está, beneficiando apenas os donos do poder, sejam políticos, sejam os Grandes empresários (que eu defino como políticos da iniciativa privada, pois possuem sim, poder político).

E seus simpatizantes, sejam de um lado (esquerdinhas), sejam do outro (direitões), talvez felizes com a vida que possuem, seja boa ou não, adquirem confiança cega em seus ídolos, defendendo seus pontos de vista com unhas e dentes, chegando mesmo a provocar discussões e brigas, que muitas vezes chegam à agressões físicas.

Triste ver esse cenário. Os políticos e Grandes Empresários gostam disso, pois para eles a desorganização social, tratada por eles como "organização", e que traz uma noção errada de disciplina e tranquilidade, só os beneficia. Para eles pouco interessa se pessoas vão morrer ou não. Para os esquerdinhas, pessoas são grãos de areia enquanto para os Grandes Empresários, não passam de meros números. O que interessa a ambos é que essa bagunça toda não interfira em seus lucros pessoais e na sua posição no status quo, o que lhes garante muito poder, capaz de induzir as massas a serem cada vez mais obedientes e alienadas, nada fazendo para que o país melhore através de grandes mudanças, se conformando com meras mudanças paliativas.

Para esclarecer, não estou do lado de nenhum dos dois. Os esquerdinhas pecam pela ingenuidade. Os direitões pecam pelo egoísmo. Ambos atrapalham a evolução de nossa sociedade.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Os carneirinhos do ENEM e a educação que nunca vai melhorar

É tradição que os políticos nunca invistam em educação. Investir em educação, mas não apenas construindo escolas e remunerando melhor professores, mas criando condições para que os alunos aprendam de fato, faz com que estes se intelectualizem e sejam autônomos, acabando com a oportunidade do governo de manipulá-los para que os interesses mesquinhos deste possam ser mantidos e ampliados.

O que o Governo Brasileiro decidiu para, supostamente, "melhorar" a educação? Simples. Tasca provas. provas, provas e mais provas. O infeliz do aluno vai se matar tanto para estudar o conteúdo que o  governo impõe (e que nunca deve estimular o desenvolvimento do senso crítico e da capacidade de discernimento), que não terá tempo para contestar nada, aceitando todo os sistema com as injustiças e todos os erros que nunca devem ser encerrados, já que beneficiam os poderosos.

Pra que serve esse ENEM? Segundo seus defensores, serve para "analisar" a qualidade de ensino e decidir em qual escola deverá ir o investimento do governo. Se é para a anaisar as escolas, porque os alunos tem que fazer uma prova para isso? Não seria melhor fiscalizar o cotidiano escolar? Não seria melhor avaliar as provas que os alunos já fazem dentro da escola? Entrevistar professores, verificar currículos, estrutura das escolas, etc.? Não. Legal mesmo é tascar uma prova, como se ser estudante merecesse uma punição.

E o que o ENEM consegue de fato? Criar dificuldades para que os alunos entrem no mercado de trabalho. Ótimo, isso alegra as elites, sobretudo os amados, idolatrados e respeitados Grandes Empresários, verdadeiros detentores do poder no Brasil e que não estão nem um pouco afim de ampliar as vagas para o disputado emprego em suas empresas e nas de outros.

Genial. o ENEM, além de impedir o desenvolvimento intelectual do aluno (limitado ao inútil currículo escolar criado apenas para servir de obstáculo ao emprego), ainda serve de funil para que os alunos entrem na universidade e satisfaçam as exigências cada vez maiores e cada vez mais inúteis feitas pelo sempre excludente mercado de trabalho.

Se já não faz sentido barrar o ingresso livre dos estudantes nas universidades, porque manter o ENEM como filtro para isso? Defendo o ingresso livre, sim, pois sabemos que as provas do ENEM e do Vestibular não servem para selecionar "os melhores" para entrar nas faculdades, já que nosso sistema não estimula o discernimento e favorece que até os mais alienados consigam tirar excelentes notas nas escolas e nas provas de ingresso nas faculdades, que por sua vez exigem o discernimento ausente nos "melhores" alunos.

Todo o sistema educacional é falho. Precisa ser totalmente demolido e reinventado do nada. Um sistema que não estimula o discernimento, o senso crítico e que só serve de obstáculo para alguém conseguir um emprego (direito básico - sem emprego ninguém sobrevive dignamente), é totalmente falido e podre. Manter um sistema apodrecido, remendando a cada temporada é um erro grave que só resulta nisso que vemos por aí, com uma população alienada, acomodada, crédula, infantil, totalmente despreparada para muitas questões na vida e submissa a governos, empresários e mídia.

Tão submissa que aceita esta prova tranquilamente sem contestar, andando pelos corredores dos lugares de prova como carneirinhos dóceis e irracionais, que só fazem o que seu líder explorador manda, com a única finalidade de satisfazer os interesses particulares de quem detêm as rédeas do poder.

Esse verdadeiro rebanho de idiotas nem repara que tudo isso é feito para que todos se mantenham na irracionalidade, negando o nosso privilégio de sermos os únicos a raciocinar plenamente. O Governo quer que continuemos sendo gado. Um gado feliz, mas sempre submisso.


quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Atenção para as novas datas de postagem


Por motivos de estudos, decidi estipular novas datas fixas para este blogue, que não será mais diário. Tomem nota:

PIZZARIA DO PODER (Política e legislação) - Segundas, Terças e Quartas.

Se houver necessidade ou oportunidade, poderão haver algumas postagens em outros dias.

Agradeço a compreensão.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

O terror da renovação da ideologia capitalista

Se não bastasse toda a decadência de valores e toda a manutenção de coisas velhas que deveriam ser extintas há muitas décadas, favorecendo a estagnação nuca imaginada para este século, ainda temos uma espécia de "renascença capitalista", com gente jovem defendendo o Capitalismo, tratando seus defeitos como "qualidades".

No meu Facebook, vejo vários "amigos" - na verdade "contatos" ou "seguidores", já que este negócio de "amigo" em redes sociais é pura farsa (coisas do Capitalismo) - assumirem claramente ideias capitalistas, acreditando nas características dos governos de Lula e de Dilma como "provas" do "fracasso" do Socialismo. Eles mesmo não sabem que os citados governos seguem rigidamente as cartilhas do sistema que tanto abraçam. Até porque ninguém quer falar grosso com Grandes Empresários, na prática, os verdadeiros mandantes e legisladores deste país.

É triste ver jovens defendendo o capitalismo. Vejo isso como um retrocesso. A médio prazo teremos que consertar os inevitáveis danos dessa irresponsabilidade de defender um sistema que só por suas características, já nasce falido, mas favorece os ricos - boa parte dos que defendem estão bem de vida, mesmo limitadamente - e embeleza a sua fachada, para não mostrar sua essência podre que na verdade não consegue esconder o verdadeiro e não assumia repulsa pelos seres humanos.

Até porque capitalistas, no fundo, odeiam seres humanos. Favorecem o desenvolvimento das máquinas, estimulam o amor aos bens materiais, preferem salvar empresas do que salvar os funcionários destas e fazem questão de se isolar do resto das multidões, se perfumando nas mais caras banheiras de marmore importado, se limpando da suposta "sujeira" daqueles que els chamam de "ralé".

Progressistas em tudo, menos em humanidade

O que me deixa encafifado é que estes capitalistas demonstram pensamentos progressistas em outros assuntos que não estão ligados - diretamente, tudo na verdade está ligado ao sistema - ao Capitalismo.

Um dos meus contatos direitistas é contra o fanatismo no futebol (o esporte mais capitalista do mundo). Outros denunciaram a farsa da versão brasileira da Doutrina Espírita, completamente oposta a proposta original de Kardec (que aliás se afinava com as ideias do Socialismo - !!!). Não canso de ler textos de direitistas criticando a decadência cultural do Brasil, se esquecendo que está decadência é patrocinada pelo mesmo Capitalismo que alegam defender.

Esse negócio de ser progressista em um aspecto e retrógrado em outro tem nome, e ele não é bonito: HIPOCRISIA. Porque ao invés de posar de "muderno" defendendo um sistema podre, não fica podre de vez? Não sabem que tudo que está aí está errado pela ganância e pela vontade de ganhar não o dinheiro necessário para a sobrevivência e bem estar, mas o dinheiro excessivo, o lucro fácil feito para fazer de seu possuidor uma pessoa "melhor" que as outras? Acordem e decidam de que lado estão!

O Capitalismo é um sistema retrógrado, coerente com os tempos de disputa, uma espécie de barbarismo moderno, onde as velhas lutas entre grupos continuam, só que com outras armas, mas com o mesmo desprezo pelo ser humano observado nos indivíduos de mais de 1000 anos atrás. Como achar que um sistema natimorto possa ser considerado "moderno"?

Os defensores do capitalismo não sabem o que lhes espera. O mundo vai exigir cada vez mais pessoas altruístas e que sejam capazes de sentir compaixão. Mas não aquele altruísmo de fachada, defendido pelas religiões, e que se caracteriza por esmolas e assistencialismo paliativo. Mas o altruísmo racional, onde se raciocina uma forma de bem estar de todos, sem que um queria estar melhor que os outros. Só a existência de ricos já é um bom sinal de que ainda estamos muito atrasados, quase pré-históricos.

Há muito o que fazer para melhorar a sociedade. A esquerda de hoje é burra e ingênua. Mas não é da direita, detentora de muitos defeitos e nenhuma qualidade, que podemos esperar alguma melhoria. Até porque o Capitalismo não quer melhorias. Quer que tudo continue como está, cheio de problemas, já que o fracasso alheio é o que garante o sucesso dos ricos, o sucesso do Capitalismo.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

O PTismo não é socialismo coisa nenhuma!

Os direitistas devem estar muito felizes com a condenação do "Mensalão". Para os simpatizantes da "doutrina dos Grandes Empresários", o episódio serviu para mostrar o "fracasso do Socialismo", como se os delitos cometidos pelos "mensaleiros" fossem o cumprimento fiel das regras socialistas. O que na verdade é o contrário, já que corrupção é algo tipicamente capitalista.

Mas este texto não é contra os direitistas. Os fãs de Abílio Diniz e Eike Batista receberão sua surra de cinta bem ardente, através de outro texto que estou preparando e que não tardará a ser publicado. Hoje a paulada vai nos esquerdinhas, os "socialistas" de fachada.

Os esquerdinhas também andam fazendo tudo errado. Sem querer acabaram favorecendo o Capitalismo e mais ainda essa onda de neodireitismo  que impulsionam muitos jovens, desiludidos com o fracasso dos movimentos sociais,  a aderirem ao cinismo de achar que a má distribuição de renda é "justa" e que os grandes capitalistas são "heróicos". São na verdade um bando de bundões.

Tão bundões quanto os esquerdinhas. Capitalistas e esquerdinhas são dois lados da mesma moeda. Os esquerdinhas agora, adotaram uma nova mania: puxar o saco dos pobres e comemorar o "enriquecimento" das classes mais carentes que agora recebem o rótulo vazio de "nova classe média", traduzindo o consumismo como "nova forma de qualidade de vida". Se favelados são "classe média", eu sou um ricaço.

Os esquerdinhas, no âmbito cultural, resolveram receber de braços - e pernas - abertos, todo o vandalismo cultural que estamos cada vez mais enjoados de ver na mídia, com uma decadente falange de "artistas" fajutos, criados em estúdios de gravadoras e completamente desprovidos de vocação e conhecimento musical, tendo essas características substituídas por fórmulas ditadas pela mídia e pelos donos dos meios de produção "cultural". A "cultura" de massa quer se impor como "cultura oficial" e quer o aval dos esquerdinhas para isso.

E isso é só uma parte do bolo podre a ser servido pelos esquerdinhas às classes dominadas. Estranho é perceber que o que os esquerdinhas fazem agrada e muito os capitalistas, poupando-os de criar uma nova ditadura, já que forjar uma prosperidade falsa é um excelente meio de amordaçar a população. Ainda mais a brasileira, que insistentemente vive recusando o conhecimento intelectualizado.

Os esquerdinhas brasileiros se alegram em ver o povo idiotizado, pensando ser isto uma forma de expressar a "felicidade". aqueles caras mal vestidos fazendo biquinho e o "V" da vitória em fotos ridículas no Facebook provam que tudo isso é só fachada e os pobres continuam tão miseráveis como antes. TVs de plasma e celulares não anulam misérias.

Isso favorece uma estagnação em nossa sociedade, mantendo a má distribuição de renda, disfarçada por uma inexpressiva redução de sua diferença, através de muito consumismo e poucas melhorias reais. Como brasileiro é um povo que não é sério, é meio infantilizado, receber "brinquedos" é considerado mais importante do que receber qualidade de vida. bom para os governantes esquerdinhas que não precisam gastar dinheiro com obras reais. TVs de plasma são caras, mas bem mais baratas que obras de melhorias concretas e necessárias. "Não tem o necessário? Contente-se com o supérfluo.": não é o que dizem?

Não confio nessa esquerda que está aí, caracterizado pela consagração dos governos de Lula e de Dilma e agora pela emersão do PSOL, partido paternalista, inimigo da cultura séria e focalizado em beneficiar apenas professores e sindicalistas. Representado pela figura de "galã" de Marcelo Freixo, arauto dos "funqueiros", o partido teve expressiva subida de votos nos lugares onde concorreu e já é bajulado por muitos blogueiros "progressistas" ingenuamente confiantes na forjada evolução econômica da classe pobre.

Me considero uma pessoa de esquerda, mas não essa esquerda que está aí. A esquerda que eu acredito não é representada por nenhum dos partidos existentes, todos fisiológicos e ideologicamente equivocados.

O verdadeiro Socialismo nunca foi posto em prática. O respeitoso temor que os brasileiros tem dos Grandes Empresários (espera de algum emprego dado por algum deles?), contribui ainda mais para que o Capitalismo se fortaleça, impedindo o surgimento de algum êxito socialista em nosso país. Até porque os planos sociais de Lula foram na verdade a manutenção de projetos de FHC, o grande intelectual brasilairo do Neoliberalismo, a base teórica do Capitalismo.

A condenação dos "Mensaleiros" não é a condenação do Socialismo. É a condenação do Capitalismo, provando que se é ruim a adesão de qualquer pessoa a um sistema excludente, injusto e autoritário, imagine a de "socialistas" de mentirinha, que defendem o povo no discurso, mas que nos bastidores recebem as belas notinhas coloridas - cada note de Real tem uma cor - vindas não importa de que menira.

"Os fins justificam os meios", não é, esquerdinhas e direitões?

terça-feira, 16 de outubro de 2012

A morte das mulheres e suas consequências na vida afetiva brasileira

Um fato silencioso acontece no Brasil. A morte quase rotineira de mulheres jovens que acontece nos últimos meses em várias localidades por todo o país. Em contraste, se observa uma maioria masculina entre crianças e adolescentes. O que o destino quer dizer com isso?

Talvez os fatos existam para que possamos refletir sobre os mitos que  acreditamos. O povo brasileiro, educado pleas religiões, se acostumou a não pensar e formar suas convicções usando apenas a fé ou a confiança em instituições tradicionais e pessoas prestigiadas. 

Graças a essa não utilização frequente do raciocínio, muitos mitos são construídos sem o menor discernimento, acabando por consagrar muitos absurdos que se tornam influentes nas regras sociais. Na maioria dos casos, acreditar nestes mitos é um irrecusável ingresso para uma vida social ativa e constante. O que ajuda ainda mais na consagração desses mitos.

E um dos maiores mitos que a sociedade brasileira adora crer é no excesso de mulheres. Somando conceitos do machismo com outros do Capitalismo, é confortável para a maioria acreditar que há muitos "produtos" (mulheres) para a sua demanda de consumidores (homens). É um pensamento cruel, mas arraigado na sociedade e defendido também pelas mulheres brasileiras, que aceitam nua boa a sua "missão" de serem brinquedos sexuais de seus maridos ou de aspirantes a marido.

E o que começa a ser rotina em nossa sociedade surge para derrubar este mito, tentando mudar os pensamentos e costumes de uma sociedade que, mesmo com a evolução tecnológica, ainda age e pensa, salvo em raros casos, como há oitenta anos atrás.

Porque as mulheres morrem mais?

Antes os óbitos masculinos eram maiores, visto a vida frenética que os machistas tradicionais eram educados a ter. Hoje em dia, os homens, ao invés de eliminar o machismo, preferiram atualizá-lo, moldando suas arestas e aceitar algumas conquistas femininas, mas sem negar a elas o atributo de "objetos".

Com a atualização do machismo, os homens deixaram de ter uma vida mais arriscada. Já cuidam mais da saúde e adotam uma vida senão pacata, pelo menos sem riscos. Os homens morrem cada vez menos e mais tarde.Com as mulheres, se observa o contrário. E são vários tipos de morte.

Umas, na ânsia de se vingar do machismo, adotam um estilo de vida arriscado, na tentativa de negar o estigma "carola" imposto às mulheres, resultando em mortes por acidente ou por saúde. Outras morrem assassinadas em assaltos ou em brigas com cônjuges, já que, como felei nesta postagem, o machismo não acabou, apenas se atualizou, amenizando alguns aspectos. Mas o sentimento possessivo do macho em relação ao seu "objeto" (tratado como "patrimônio"), não só permaneceu como foi fortalecido. Lamentavelmente.

Mas o que o destino quer dizer com isso? Não há resposta para isso. O nascimento de pessoas do sexo masculino aumenta cada vez mais. E o que acontecerá com esta grande demanda masculina. Bem, é a confirmação de que a solidão possa ser o mal deste século.

Com o excesso masculino, o processo de conquista das mulheres será mais competitivo. Não sabemos que tipo de mentalidade terá a mulher do futuro - há sinais de que, do contrário do que deveria, as mulheres estão retrocedendo na evolução moral e intelectual. Mas o que se sabe é que os homens terão que mudar, se quiserem estar na dianteira dessa acirrada competição que, pelo que se percebe, é pior do que vestibular e concursos públicos, já que, em tese, são mais de 1000 candidatos para uma só vaga: a de namorado/marido de uma dessas mulheres.

E os homens estão realmente mudando. Estão mais sensíveis, são pais mais presentes e aos poucos fogem daquela vida irresponsável de noitadas, festas e similares. Do contrário das mulheres, os homens já se esforçam para evoluir em alguma coisa.

O machismo ainda é forte, mas o número de homens que se recusam a ser machistas cresce rapidamente. Os homens querem se livrar do estigma de durões, já percebendo os estragos que o machismo tem feito na sociedade como um todo.

A diminuição do número de mulheres vai servir como um motivo de reflexão aos homens. Pode ser que a taxa de natalidade reduza - homens não podem gerar filhos sozinhos , mas mulheres podem - , mas não é a único aspecto dessa nova sociedade que está por surgir, pelo menos no Brasil.

Será realmente o fim, talvez não apenas de um, mas de muitos mitos sociais que existem há séculos e que só travam a evolução intelectual e moral de uma sociedade perdida, que ainda vê os seus problemas seculares ainda existirem, como mortes cruéis de donzelas, algo que sinceramente só combina com os tempos mais antigos, onde havia mais doenças e mais violência.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Capitalistas usam o mensalão do PT para condenar o Socialismo

Como todos sabem, nestas últimas semanas onde este blogue estava de folga, ocorria o julgamento do chamado "Mensalão" nome dado ao esquema de corrupção que aconteceu envolvendo integrantes de partidos em sua maioria governistas. Nomes fortes do PT, outrora Partido dos Trabalhadores (que hoje não representa trabalhador nenhum, se tornando um partido como qualquer outro), estavam supostamente na liderança deste esquema.

Prefiro não julgar sobre a responsabilidade dos envolvidos no "Mensalão", já que não estou profundamente esclarecido sobre o episódio e por notar que tanto do lado a favor (grande mídia e simpatizantes) quanto do lado contra (blogueiros "progressistas" e simpatizantes), há uma exibição de paixões cegas e subjetivas, cada uma defendendo seu interesse particular no episódio, com direito a heróis e vilões forjados pelas partes interessadas.

Os "esquerdistas" ficaram de luto com a condenação de grandes líderes do PT, sobretudo a José Dirceu. Sem querer afirmar a minha opinião sobre o ex-ministro do governo Lula, acho que seus defensores agem com pura paixão. Se for realmente responsável, Dirceu merece pagar, não importa de que partido seja e qual a sua posição ideológica. Se é que hoje possamos falar em posição ideológica.

Mas do outro lado, vemos também paixão cega e fanática. O sempre sensato Joaquim Barbosa foi reconhecido pela grande massa, mas não como grande jurista que tem demonstrado ser, mas como uma espécie de "herói" que conseguiu "acabar" com o inimigo da grande mídia. Barbosa merece ser admirado por sua trajetória, não por um episódio corriqueiro como este. Até porque a condenação dos petistas não vai melhorar em nada a sociedade brasileira, onde a própria população é corrupta, adepta do lucro fácil.

O orgasmo dos capitalistas e simpatizantes

Os capitalistas ficaram eufóricos com a condenação de Dirceu & CIA. Para eles foi a vitória do Capitalismo e a forjada prova do - falso - caráter democrático do sistema dos Grandes Empresários, na prática, verdadeiros donos e manipuladores do poder.

Os simpatizantes do Capitalismo gastam um preciosos tempo de suas vidas em forjar qualquer coisa que pudesse provar que o Socialismo está errado. Usam os governos de Lula e de Dilma como exemplos do "fracasso" do Socialismo, quando não percebem, graças a falta de discernimento comum a qualquer fanático, que os governos petistas seguiram a cartilha do capitalismo - prejudicar Grandes Empresários?* Nããããooo.... -e seus defeitos tinham muito a ver com o sistema de Adam Smith, Ford e quejandos.

Uma prova real da cara de pau dos capitalistas, gente que está muito mais preocupada com a sobrevivência de empresas do que a de pessoas e que pensa que contratar alguém em troca de um salário de fome é "altruísmo". Nada disso.

Este episódio do "Mensalão" pode até provar que existe sim, gente que se assume esquerdista, mas se aproveita das falhas do sistema para se dar bem. Mas dizer que o que Dirceu & CIA supostamente fizeram tem a ver com as regras do Socialismo é uma gigantesca e profunda falta de informação e bom senso, já que o verdadeiro socialismo reprova tudo que está aí sob o rótulo de "esquerda".

Os capitalistas que aguardem o "Mensalão" do DEM, onde seus amiguinhos  queridos também poderão ser denunciados. E não pensem que gente bem graúda, detentora do poder e das maiores fortunas do país vai escapar. Estamos bem longe de confiar nos Grandes Empresários. Até porque se eles fossem pessoas realmente corretas, não seriam gigantescamente ricos. Concentrar renda, por si só, já é um erro muito reprovável.

Peixe Grande também exala cheiro podre. O futuro vai feder.

----------------------------------------------------
* NOTA: Collor conseguiu essa "proeza" com o confisco da poupança e se deu mal.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Os candidatos não vão melhorar a Educação. E isso não é uma opinião. É um fato certo

Vejo nas campanhas para prefeito muitas promessas de melhorias na Educação. Tudo conversa fiada, pois sabemos que 9 entre 10 brasileiros, ainda veem a educação escolar apenas como um meio de garantir o futuro profissional, através de um currículo excessivamente exigente e completamente irreal e de uma carga horária estressante e desnecessária, além de não desenvolver as aptidões naturais de cada aluno, ainda tratado como se fosse uma caixa vazia a ser preenchida. Escolas se tornaram na verdade, fábricas de profissionais, que chegam ao mercado de trabalho tratados como se fossem meras máquinas, sem opinião, sem atitudes e sem direitos.

O conceito tradicional de Educação em nosso país é bem arcaico. Nossa Educação não estimula o senso crítico, o discernimento e a individualização de ideias. Ainda nos encontramos em um sistema que impõe a obediência, o cumprimento cego de deveres e onde a carga horária ainda é tida como elemento mais importante de um sistema que nunca consegue ensinar o essencial para suas crianças, preferindo impor uma rotina igual ao de um assalariado, com a desvantagem que ao invés de dinheiro, ganham notas, meros números que não trazem a dignidade nas vidas dos alunos.

E o que me assusta é que os adultos brasileiros agem como se nunca tivessem sido crianças, impondo para as crianças de hoje tudo aquilo que não gostariam que fosse imposto a eles quando crianças. Um ato de egoísmo irresponsável que ao invés de melhorar o mundo, piora cada vez mai, graças a estabilização de um sistema podre e falho que resulta no mau comportamento que os jovens e, principalmente os adultos de hoje, demonstram, pela total falta de discernimento e excesso de arrogância e teimosia.

E o que as autoridades propõem? Mantenha-se esse sistema. Apenas remunera-se melhor os professores, constroem mais escolas e amplia a carga horária para os alunos (o que acho na verdade o oposto do que deveria ser feito, pois tira a liberdade tão necessária à infância, transformando as crianças em robôs programados por estas escolas). Medidas que não estão diretamente relacionadas a Educação própriamente dita e em nada ajudam no desenvolvimento da personalidade de qualquer aluno.

Mas é evidente que os político nunca vão melhorar a Educação. E nem querem. Sabem que crianças bem educadas se transformam em cidadãos responsáveis. E cidadãos responsáveis não dão ouvidos a políticos mentirosos, cobrando destes maior atitude em suas gestões, o que significa diminuir o interesse destes, verdadeira razão que os motivou a seguir na carreira política. 

É interesse clássico dos políticos que a Educação sempre seja ruim. Em tempos de copa no Brasil, o que já era ruim promete piorar, pois se a educação é o setor que menos recebe verbas - propositadamente, deve receber menos ainda ou nada, para que as obras de embelezamento e maquiagem das cidades possam ser concluídas a tempo.

Claro que nas escolas existem alguns professores dispostos a estimular o discernimento nos alunos. Eu mesmo tive vários. Mas são casos isolados, muito mais por iniciativa de cada professor do que por melhoria no sistema que com toda a tecnologia e todas as pesquisas avançadas no setor de Pedagogia, ainda continua o mesmo de muitas décadas atrás.

Não esperemos melhorias na Educação. Cada criança que se eduque por si mesma, desenvolvendo opiniões próprias e recusando uma ideia errada, mesmo difundida pela grande mídia e seguida por ampla maioria da população. Cada pessoa deve por si só desenvolver suas atidões, pois se esperarmos alguma coisa de um sistema claramente e insistentemente falido, estaremos eternamente perdidos.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Dilma pode ter barateado energia para estimular audiência de televisões

Recentemente a presidente Dilma Rousseff anunciou que a energia elétrica será mais barata nos próximos meses, estimulando a concorrência entre as distribuidoras de energia. Mas junto com esta boa notícia, vem junto uma péssima, que muita gente ainda não percebeu.

Na verdade, não é o único motivo, mas é um forte motivo, já que a suposta ordem nacional depende dela: estimular o aumento do consumo de televisores. Isso mesmo que você leu: Dilma mandou reduzir o preço da energia para que os brasileiros possam assistir a mais televisão.

Isso é bom? isso é péssimo. A televisão, que em tempos remotos era apenas um instrumento de lazer e informação, hoje é a legisladora oficial das regras sociais, que não são escritas na Constituição, mas são seguidas e cobradas com o mesmo rigor que as leis da Carta Magna do país. Estimular o hábito de ver TV é, para os poderosos, necessário para que as massas se mantenham na - falsa - ordem, obedecendo regras que garantirão a submissão e aceitação das injustiças que dão privilégios aos mais "fortes". 

Impedir o consumo de TV gera um grande risco de rebeldia, pois dará oportunidade para a população pensar por si mesma, o que não acontece quando há submissão televisiva, pois todos passam a agir conforma os programas de televisão orientam.

É tolice achar que a televisão é a voz do povo. A voz do povo é a internet. Emissoras de televisão são a voz de seus donos. O que aparece veiculada por elas estão coerentes ao pensamento de seus donos. Tudo aquilo que vai contra as convicções e interesses deles nunca é colocado em seus programas. E sempre as TVs são perfeitamente utilizadas quando seus donos desejarem impor alguma linha de pensamento.

Não se iludam. "Quando a esmola é muita, o santo desconfia", diz a sabedoria tradicional. Certamente os empresários de TV e publicitários, ou qualquer outro "peixe grande" interessado na submissão das massas certamente fez esse pedido para que as pessoas possam assistir a mais televisão e com isso impedir que seus cérebros funcionem por conta própria, se resumindo a serem meros reprodutores das ideias, gostos e costumes impostos pelos donos de emissoras, principais interessados para que os erros do Brasil continuem como estão, já que estes erros garantem e aumentam seus lucros.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Precisamos de um novo "Grito de Independência"?

A população brasileira é alienada. Adora ser enganada e pensar que vivemos a prosperidade plena que "não existe em qualquer outro lugar". Ninguém sabe que nos bastidores do poder econômico, algo bem sombrio acontece para abalar a já frágil soberania, garantida por lei e exaltada de maneira fantasiosa em vários hinos cívicos.

Nossa soberania de fachada já é de muito abalada pela forte presença de empresas estrangeiras em nosso país, o que sinaliza perfeitamente uma forma moderna de colonialismo, com todas as características que a definem como tal. Isso tudo acontecendo bem longe dos olhos da população, já que nas campanhas publicitárias, essas empresas se travestem de brasileiras, interessadas no bem estar da população local.

Isso não significa que o Brasil está em alta. Pode até mesmo significar o oposto, já que á a mão de obra barata e a personalidade submissa do povo brasileiro que são os verdadeiros atrativos para que estas empresas se instalem por aqui, muitas vezes através de aquisições de empresas nacionais, silenciosamente dilacerando nossa soberania e impedindo o nosso crescimento econômico. 

O Brasil há muito demonstra que tem capacidade de e crescimento econômico. Mas autoridades e empresários estrangeiros não querem que o Brasil abandone a sua condição de "subdesenvolvido", já que estão interessados em defender a soberania (exagerada) deles, como "líderes mundiais" e não a soberania dos outros. Comprar empresas brasileiras tem demonstrado ser uma excelente forma de manipulação do poder. Até porque como eu falei em outros textos, grandes empresários não se contentam em apenas administrar empresas. Querem administrar as sociedades também, como se todos os cidadãos fossem também escravos dos interesses . Sim, escravos.

Nossas empresas acabam não se desenvolvendo e tendo que submeter as regras impostas pelas matrizes estrangeiras, além de dar uma gorda fatia de lucro para estas. Está na cara que as empresas gringas não se instalariam no país se realmente tiverem que deixar os lucros no país-filial. A lei pode até garantir a permanência dos lucros em nossas terras, mas é algo que nem sempre é garantido na prática, visto que nossos políticos, mesmo os do Poder Executivo, são altamente submissos a grandes empresários.

Precisamos de um novo "Grito do Ipiranga"?

A realidade nos diz que de fato, não somos independentes. A comemoração do Dia da Pátria é puramente simbólica. Um país altamente religioso, em que a crença e a defesa de lendas fictícias são tidas como motivo de salvação pessoal, os fatos históricos também são contados de forma altamente lendária. Ou seja, paramos para celebrarmos uma ficção.

Na verdade nos livramos do governo português, mas estamos atrelados a novos colonizadores que, como os de outrora, chegam aqui com a mesma intenção de explorar, de arrancar de nós o benefício que deveria ser nosso. De impedir que as nossas mentes possam se desenvolver com risco de ultrapassar os países que são os "donos" do mundo.

Não sabemos como mudar isto. Como a instalação das empresas gringas ocorreu de forma limpa (até prova ao contrário), não dá para simplesmente expulsarmos os estrangeiros de nossas terras. É preciso que as empresas pequenas fortaleçam e possam comprar as grandes, tomando-as de volta aos braços nacionais.

Hoje não temos motivos para comemorar. Estamos muito mais dependentes dos outros do que antes. Se o lema foi mesmo "Independência ou Morte", o Brasil já morreu a muito tempo e ninguém avisou.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Parem de chamar o Lulismo de Socialismo!

Os defensores do Capitalismo são gente que não tem o hábito de usar o discernimento. Além de não usarem argumentos convincentes para defender um sistema cheio de defeitos, está na cara que eles são beneficiados pelos erros que as injustiças desse sistema oferecem em nosso cotidiano.

E claro, eles são contra o socialismo. Mas para atacar o Socialismo, um sistema que, sendo bem elaborado é totalmente justo, argumentam justificando que os governos do PT são "autenticamente socialistas". Na falta de encontrar defeitos para o Socialismo, enxertam os dos governos petistas.

Mas eu disse no início que discernimento não é forte deles - e nem da maioria dos brasileiros - e por isso mesmo eles se esqueceram de observar que os governos petistas são claramente capitalistas. Que justamente os erros dos governos de Lula e de Dilma, são erros capitalistas, tipicamente de acordo com as regras do "livre mercado". O Socialismo nunca foi implantado de fato em nosso país. Além disso, a nossa Constituição obriga o país a nunca abandonar a sua condição de capitalista, não admitindo qualquer sistema que não seja este.

Mas os capitalistas não vão atacar aquilo que eles defendem, não é? O direito de uns privilegiados de ganharem muito mais que o resto da população é considerado "sagrado" e nunca pode ser mexido. 

Os defensores do Capitalismo, por estarem do lado dos mais fortes, rugem como feras quando algo não vai como eles querem. Poucos sabem o verdadeiro motivo que tirou Collor do poder, preferindo acreditar no falso mito de que um monte de adolescentes matadores de aula, sedentos por um carnaval fora de época, tivessem expulsado o presidente. Nada disso. A elite prejudicada pelo confisco da poupança - medida temida pelos detratores do PT na época da campanha de Collor - obrigou o congresso a expulsar - por meio de um processo chamado "impeachment" (sempre o inglês, não é chique?), resultando naquilo que a história política mostrou.

Os capitalistas querem sempre estar no poder. Trabalharam - nem sempre "duro" como alegam - para isso e não estão satisfeitos em concentrar a renda supérflua que impede muitos a terem o necessário. Querem também mandar e por a população inteira no cabresto.

É infantil imaginar que grandes empresário estejam interessados em apenas administrar as suas empresas. Eles querem também mandar no país. Já viram grandes empresários de cabeça baixa perante presidentes (a suposta maior autoridade de nosso país)? Nunca. Pois vemos autoridades do executivo falarem bem fininho com poderosos empresários, pois sabem que, bem e principalmente mal, os recursos virão deles. E que eles não fazem por caridade (do contrário que os defensores do capitalismo dizem), sempre exigindo algo em troca, principalmente o direito de mandar no país mais que qualquer Presidente da República. 

Aliás, torço para que o próximo presidente seja de um partido assumidamente capitalista. Criticar quando os problemas são causados por alguém que não é de nossa confiança é muito fácil. Quero ver como os capitalistas e seus simpatizantes reagirão quando os problemas de nossa sociedade forem causados pelos seus "irmãos" de ideologia. Se realmente continuarão a defender um sistema que nunca para de dar problemas e fazer injustiças.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

A malandragem do governo Dilma

Acabar com a pobreza é uma tarefa difícil. Quem ganha muito não quer saber de reduzir o seu padrão de vida, por mais inútil e dispendioso que seja. É um trabalho que exige muitas décadas de educação, colocando na mente dos jovens que não é necessário ser rico e que temos que repartir para que todos possam viver bem. Esse trabalho educacional é muito demorado e não é um, nem 10 e nem 100 governos que farão isto.

Mas a Dilma Rousseff, presidente do nosso país no ano atual, cismou que queria acabar com a pobreza. Transformou em meta e até colocou como slogan no símbolo oficial da gestão. Só que como eu falei, é algo que depende da educação das pessoas e de uma radical (violenta até) mudança em toda a nossa sociedade, repensando inclusive o valor salarial de muitas profissões bem remuneradas.

Mas Dilma, ao invés de assumir que é difícil, que exige tempo, apelou para o famosos "jeitinho brasileiro" para poder "cumprir" a promessa de governo: se baseando apenas no consumismo (que não é sinônimo de qualidade de vida e nem a substitui), resolveu reclassificar as classes sociais. Os pobres que tem acesso a algumas bugigangas tecnológicas foram imediatamente reclassificados como "classe média", com direito a ampla propaganda feita pela Rede Globo (a legisladora dos costumes sociais de nosso país). Em tempos de mediocrização de tudo, essa é a cereja do bolo (fecal) da mediocrização.

Aí ficou legal, já que os pobres, pensando que viraram "classe média" param de reivindicar e permanecem na sua inércia, tranquilizando os mais ricos que agora podem gozarem o privilégio de serem os beneficiados dessa injusta má distribuição de renda, infelizmente mantida perpetuamente em nosso país.

A propósito: virei rico? Com todos os meus problemas e a dificuldades que tenho para adquirir o que realmente preciso e cheio de dívidas, se depender dessa nova classificação, virei rico. Ricaço. 

Ora, vai enganar outro, Dona Dilma!

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Brasil poderá ser o novo Oriente Médio


Dizem os sensatos que o Brasil é uma panela de pressão prestes a explodir. A maioria dos brasileiros, embora até assimile essa previsão, não costuma levá-la a sério, acreditando que nossa (falsa) fama de pacíficos irá nos levar ao desenvolvimento pacífico, servindo de exemplo mundial. Uma falsa fama de pacíficos que já começa, através das redes sociais a cair abaixo.

O povo brasileiro tem demonstrado ultimamente um defeito bem grave, que é a teimosia. Os brasileiros , quando chegam aos 18 anos acreditando em certos valores, mesmo que sejam errados, levam esses valores para o túmulo, pois para ele, mudar de ponto de vista fere o seu orgulho. Essa defesa de valores duvidosos tem sido a origem de muitas brigas entre internautas e mostra que o mito da "índole pacífica" do nosso povo é uma mentira prestes a ruir de vez.

O interessante é que, para justificar o suposto pacifismo do brasileiro, usa-se a religiosidade, que é alta em nossa população. A maioria das pessoas acredita que não há pacifismo sem religiosidade (o bom senso e o discernimento mostra que são duas coisas completamente diferentes e independentes uma da outra) e isso faz com que os brasileiros se tranquilizem com a suposta possibilidade de não-violência por causa disso. Será?

A religiosidade nada tem a ver com moral. E pode até impedi-la

A moral não depende de religião. Depende da consciência de que vivemos em grupo (habitantes do planeta terra) e que por isso, todos os integrantes desse grupo tem direito ao bem estar, em todos os aspectos. A moral resultante da religiosidade não é espontânea e é frouxa, pois não resulta da compaixão e sim da necessidade de se obedecer - olha que absurdo - a um ser fictício, inventado pelas religiões.

Religiões se baseiam em lendas. Isso é ótimo para a cultura e para o entretenimento. Mas é péssimo em assuntos sérios de nosso cotidiano. A fé cega trava o discernimento e gera um efeito em seu portador muito parecido com a alucinação por droga: a transformação de algo fictício em realidade. Essa alucinação "santa" acaba por gerar transtornos que só prejudicam a sociedade. Homofobia, transfusão de sangue, alimentação, procriação, e muitas outras situações provaram como a religiosidade atrapalha a nossas vidas quando levada excessivamente a sério.

Somando a isso temos o tradicional costume de nos ofendermos facilmente e agressivamente quando nossa fé é questionada. Por causa de crenças em fatores não confirmados (e em muitos casos contestados pelo bom senso), brigamos com outras pessoas alegando que o "deus" (em letra minúscula mesmo - é aquele feito à imagem e semelhança humana, em que a maioria dos brasileiros acredita) da religião ficou ofendido. Não é Deus que foi ofendido. Deus não se ofende (ofensa é reação de orgulhoso - orgulho é um defeito que o Deus real não possui), quem se ofende é o próprio fiel, que acha mais nobre acusar "deus" de tudo.

Essas brigas acabam por tornar o brasileiro um "xiita" em potencial, provando que a religiosidade não freia o instinto de agressividade de nossa sociedade tão atrasada. A religião não é a única fonte de brigas, mas com a responsabilidade de tentar impedir estas brigas, ele acaba gerando outras por teimosia de qualquer fiel que tem medo de analisar as questões que provam que a sua fé cega está errada.

Não nos animemos com o Brasil. Embora muita gente esteja animada com o destaque que o país vem tendo no entretenimento, acreditando desta forma, chegar ao "primeiro mundo" e "conduzir" o planeta, com supostos exemplos de idoneidade moral, na verdade estamos caminhando para sermos os novos xiitas, matando uns aos outros por qualquer motivo (pesquisas e noticiários mostram que homicídios praticados por "não-bandidos" tem aumentado muito), negando de uma vez por todas o falso pacifismo brasileiro, resultante de uma moral frouxa que não está baseada no amor ao próximo e sim na obediência cega aos deuses, santos e espíritos que as religiões inventaram para manter a sociedade no cabresto.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Notas altas em colégios militares não podem ser sinal de qualidade na Educação

A mais nova mania do brasileiro para tentar recuperar os valores perdidos é tentar corrigir os erros através de outros erros, acreditando que a sociedade no passado era melhor que a nossa. Se esquecem que sendo melhor em alguns aspectos, não significa que tenha sido melhor em todos. E obviamente é um erro tentar consertar erros com outros erros.

A Educação é um problema tradicional em nosso país. Ninguém sabe como resolvê-la. Ninguém mesmo. As soluções que tem aparecido ou são equivocadas ou apenas paliativas. Todas se baseando na tese da tábula rasa, onde "educar" é o mesmo que inserir informações em cérebros supostamente vazios, sem aproveitar o talento pessoal de cada um, que na verdade está latente na infância. Todo o currículo escolar é construído com base nesta ideia.

Outro erro é acreditar que todo aquele que tirta notas baixas é um preguiçoso ou incapaz, quando na verdade é um caso de falta de adaptação ao sistema - equivocado - de ensino, por causas inúmeras e complexas. Acusar um aluno que tira nota baixa de preguiçosos e incapaz é, além de desumano, um desperdício de potencial, já que a neurologia e a psicologia provaram que muitos alunos problemáticos tendem a ser excelente s cidadãos e profissionais, tendo qualidades que precisam ser desenvolvidas de modo diferente dos métodos tradicionais.

Mas falsas soluções tem animado a sociedade, que não sabendo o que realmente fazer para melhorar a Educação, aceita qualquer coisa que traga um benefício aparente, dentro do que a sociedade espera que aconteça e não como deveria ser. Além do caso aqui mencionado do suborno a estudantes para que eles se esforcem mais em troca de "prêmios", agora temos o êxito pragmático das escolas militares.

Eu pergunto: é função do militar oferecer educação. Claro que não! Militar não existe para educar, existe para oferecer segurança. Tradicionalmente truculentos, militares normalmente fracassam quando se metem em áreas que não são da alçada deles. A ditadura militar é uma grande prova disso.

Aliás, desviando um pouco o assunto, nem sei porque a sociedade não quer que o policiamento seja feito por militares das forças armadas. É segurança de qualquer jeito. Até bem mais eficiente que a fraquíssima polícia, tanto a militar como a civil. Mas isso é outro assunto.

Se as forças armadas não podem prender bandido, porque então podem educar cidadãos? O ensino militar é um ensino retrógrado, troglodita, que despreza o livre-arbítrio e é calcado na obediência excessiva., chamada de "disciplina". Disciplina é bom, mas em excesso gera danos. Sabem quais os danos disto? Criar jovens submissos, sem criatividade e repetidores de ordens, sem vontade própria e com pouca capacidade de dexisão. Se já vivemos numa sociedade tradicionalmente submissa e passiva, o ensino militar só irá agravar o erro que já está estabilizado.

Não digo que não existam escolar militares. Podem existir, desde que ignorem a filosofia militar em relação aos alunos. Os militares devem se limitar a administrar estas escolas (o mesmo digo aos religiosos que administram escolas que pertencem à igrejas), se afastando totalmente da intenção (tentação?) de transformar seus alunos em "soldados" em miniatura.

A educação deveria ter um grande avanço, livrando de uma vez por todas de conceitos antigos, observando sempre as diferenças pessoais entre os alunos e equilibrando a disciplina para que ela não se torne nociva ao livre arbítrio e ao desenvolvimento do senso crítico. Desenvolver uma personalidade questionadora e com alta capacidade de discernimento deveria ser o objetivo final de toda e qualquer escola, pois por falta de crítica e de discernimento que vemos hoje os problemas se arrastrem e crescerem de modo assustador, gerando danos que nunca são resolvidos de maneira adequada.

Não é uma nota alta que deve ser usada para medir as capacidades intelectuais dos alunos. A tradição mostra que os melhores alunos mesmo, aqueles que realmente realizam as transformações sociais, não tiram na maior parte de suas avaliações, notas acima de 6. Isso tem que ser observado e revisto.

Não podemos dar a Educação soluções paliativas que estão relacionadas a um contexto em que o mundo não mais encontra. As pesquisas de educadores mostram que tudo deve ser mudado, sobretudo o currículo escolar, hoje ainda irreal e desnecessariamente dificultante.

Notas altas, professores bem remunerados e escolas construídas não são sinal de boa educação. A boa educação se vê no cotidiano, no modo que os cidadãos agem. E como vemos em nossa sociedade insistentemente decadente, há muito o que fazer. Para começar reinventar a educação, partindo do ponto zero e descartando tudo que foi aprendido sobre ela.

E que os militares se preocupem com a segurança do país. Aluno não é soldado. Deixem a Educação para os educadores.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

PRF em greve mostra cartaz polêmico

Desta vez, pegaram pesado. A Polícia Rodoviária Federal, em greve, mandou colocar um cartaz em seus postos, que tem causado muita polêmica. A foto abaixo mostra o respectivo cartaz que além de estar sendo considerado ofensivo e uma desobediência à lei (mesmo em greve ela deveria lutar para que drogas e armas nunca entrassem, o que é considerado um serviço essencial, que por lei deve ser mantido mesmo durante greves), ainda sugere que vivemos num caos, onde tudo é permitido.

De qualquer forma, o cartaz não deveria ter sido colocado. Foi um exagero. O direito de greve e de liberdade de expressão deve respeitar os limites do bom senso. "Consagrar" o caos nunca deveria ser lema de greve nenhuma que na verdade deveria lutar para que o caos acabasse e não legitimá-lo. Foi uma frase infeliz, mal interpretada por muitos e que mostra como a nossa sociedade está uma bagunça.

Reivindicar direitos é louvável, mas não com declarações infelizes como esta.


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Brasileiros são o melhor povo do mundo para ser manobrado

Por Marcelo Pereira

Os poderosos do mundo todo e do nosso país também, adoram o povo brasileiro. A nossa população é a melhor do mundo para se tornar alvo de manipulação ideológica. Quando alguém quiser alguém para ter seu cérebro "lavado", os brasileiros são a primeira opção. Por isso mesmo quase todas as empresas do mundo querem ter filial aqui. Povo obediente, mão de obra barata...

Os brasileiros criaram uma espécie de "nojo" às coisas intelectuais. Pensar exige esforço e nada melhor que aposentar o cérebro na hora de descanso e curtir a vida. Claro que não se abre mão do rótulo de "inteligente". Levar o título de "sábio" sem mover uma só palha é a melhor coisa do mundo. Até dispensa do "nefasto" raciocínio. Basta seguir alguém que seja formador de opinião e pronto: todo mundo fica inteligente sem ser de fato. Não é uma maravilha?

Maravilha mesmo, sem, ironia é para os poderosos, que encontraram no brasileiro as marionetes perfeitas para satisfazer os seus interesses, numa silenciosa escravidão ideológica que não tem igual em qualquer outro país.

Aqui a religiosidade é alta, ter fé é tido como qualidade, futebol é considerado obrigação social e cívica, música de mercado é "pura arte" e vários valores sociais duvidosos seguem defendidos a ferro e fogo pela população há muitas décadas. Tudo isso somado ao desemprego e má qualidade de vida, onde qualquer tipo de ilusão é usada como "saída de emergência" para tais.

Esse é um cenário perfeito para que alguém que tenha poder ou dinheiro possa investir em um "exército" ideológico que ajudaria esses poderosos a ficarem ainda mais poderosos, pois com a índole passiva e alienada do brasileiro, fica fácil fazer qualquer um em nosso país trabalhar pelos interesses exclusivos desses poderosos.

É uma pena que a população aja desta forma, pensando que vai se desenvolver com isso. Com essa atitude, mantemos a nossa baixa auto-estima e nossa estagnação, perpetuando nosso subdesenvolvimento que, mesmo disfarçado de prosperidade pelo consumismo e pelo destaque que o país vem tendo no ramo do entretenimento (que não é arte, bom lembrar), nunca consegue se encerrar, sempre colocando nosso país entre os piores em qualidade de vida. 

Mas importante mesmo é o título no futebol, não acham? Morre-se de fome, fica sem emprego e aguenta a corrupção, mas o "caneco" fica na CBF! Para a alegria postiça da população alienada. E para a alegria real dos poderosos.

sábado, 11 de agosto de 2012

Analfabetismo científico nos EUA preocupa

ESPREMENDO A LARANJA: Se lá nos EUA, país mais desenvolvido que o nosso já é assim, imagine aqui no Brasil, onde o analfabetismo funcional se encontra em níveis alarmantes e onde a burrice (sem esse nome, é claro) é infelizmente defendida pela maioria dos jovens como a "nova inteligência".

Nunca devemos esquecer que "bem informado" não é aquele que recebe ou tem acesso a um monte de informações, mas aquele que sabe analisá-las e é capaz de verificar sua veracidade.

Analfabetismo científico nos EUA preocupa

Ricardo Mioto - Folha de São Paulo

Após ouvir cerca de 10 mil alunos de graduação nos EUA, pesquisadores descobriram que só 35% discordavam da ideia de que ETs teriam visitado civilizações antigas da Terra e ajudado a construir monumentos como as pirâmides do Egito.

Poucos se manifestaram contra outras teses sem base, como o suposto status de ciência da astrologia (não confundir com a astronomia) e a ideia de que existem números da sorte -22% e 40%, respectivamente.

Além disso, mais de 40% disseram que antibióticos matam tanto vírus quanto bactérias -- na verdade, só as bactérias são vulneráveis a esse tipo de medicamento.

Para o autor do estudo americano, o astrônomo Chris Impey, os números refletem um problema do país: os alunos de ensino médio não precisam fazer cursos de ciência. A maioria estuda biologia, mas menos de metade tem aulas de química e só um quarto estuda física.

"O ensino médio americano é forte em história, conhecimentos gerais, esportes, computação, mas bastante fraco mesmo em ciências", diz Renato Sabbatini, biomédico e educador da Unicamp.

"Mas as perguntas que fizeram são hiperelementares, um adolescente minimamente informado que assista televisão saberia responder."

Preocupante, diz Impey, é que o pior desempenho foi justamente o dos alunos de cursos na área da educação.

Não há números parecidos que indiquem qual a realidade brasileira. Embora aulas de ciência sejam obrigatórias no ensino médio por aqui, a baixa qualidade do ensino não garante muita coisa.

Conspirando contra a compreensão científica no país, diz Sabbatini, há o fato de que cerca de 70% dos brasileiros só conseguem ler textos curtos e tirar informações esparsas deles. "Têm letramento insuficiente. É impossível serem bem informados sobre a ciência moderna."

Tal analfabetismo, diz Impey, não deixa de ser um problema político: "Esses conhecimentos são importantes para avaliar posições políticas sobre mudança climática ou células-tronco."

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Proibido proibir o Caetano

Nos 70 anos de Caetano Veloso, completados hoje, um momento histórico, cantando a mítica É Proibido Proibir. Caetano é excelente compositor e cantor, mas quando expressa suas opiniões sobre política ou cultura, costuma deixar a desejar.

De qualquer forma, o famoso discurso está aí para vocês ouvirem e analisarem. Foi uma reação às vaias em um festival. Lembrando que Caetano, do contrário que muitos pensam não era contra a ditadura, não foi prejudicado por ela e sua linha ideológica é de direita (capitalista), postura que mantém até hoje.

 Mesmo assim, feliz 70 anos, Caetano Veloso!


terça-feira, 24 de julho de 2012

Importante não é estudar muito, mas saber estudar


Existe um mito bastante solidificado que diz que para se dar bem numa prova se deve estudar muito. Esse mito começa a ser quebrado aos poucos. Estudei relativamente pouco para a última prova de concurso que fiz e acertei quase tudo. Conheço gente que passou em provas sem estudar absolutamente nada.

Então, pensei, analisei e cheguei a conclusão que me dei bem porque aprendi a estudar. Isso mesmo: aprendi a estudar.

Não adianta você ficar um longo tempo com a cara grudada em uma página de livro ou apostila se você não sabe como assimilar o conteúdo de maneira adequada. Ainda mais sabendo que as provas, no Brasil, privilegiam a memória acima de tudo. A proibição da consulta é uma prova disso.

Claro que dá para fazer prova de consulta sem encontrar a resposta pronta (um professor de física que tive em 1989, demonstrou essa possibilidade: uma prova de consulta que manteve seu grau de dificuldade). Mas os organizadores de provas são gente que não quer que você seja preguiçoso, mas acham que podem ser preguiçosos (tanto é que é uma maquina que "corrige" as provas) e por isso são incapazes de bolar uma boa prova. "Faça o que eu digo e não faça o que eu faço" é o lema dos organizadores de provas.

Continue estudando o tempo que quiser. Quem tem mais dificuldade deve estudar por mais tempo, não que o tempo seja importante para a prova, mas para que haja oportunidade de resolver dúvidas. Mas acima de tudo, aprenda a estudar. Crie métodos de memorização, procure ler mais sobre assuntos relacionados com o conteúdo e se possível, converse com outras pessoas sobre os assuntos do programa. Fazendo isso, o sucesso na realização de uma prova estará mais garantido.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Cuidado! Eles já estão aí!!!

Começou a campanha  pelas eleições de 2012! Prefeitos e vereadores novinhos em folha (ou nem tanto...) se digladiarão para conquistar o trono cobiçado que vai cuidar de cada cidade, ainda mais na época dos grandes eventos de entretenimento, onde muita maquiagem irá ser feita para enganar os turistas que chagarão em nosso país para se iludir com supérfluos eventos esportivos.

Cuidado quando andarem nas ruas, pois além de serem atropelados por multidões segurando bandeiras gigantescas, poderão sujar suas mãos apertando-as nas mais sujas ainda mãos de políticos que só vão dar as caras nesta época, para sumir de vez quando o objetivo for conquistado.

Eu mesmo me tombei com alguns candidatos de minha cidade, com o direito de ouvir pessoalmente as mentiras de um deles. Fingi que acreditei, pra não dar briga, inclusive prometendo votar no cara. De fato, meu voto será nulo, não interessa quem ganhe.

É assim em todas as eleições. E desta vez não será diferente.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Não tem jeito: esquerdistas ainda exaltam futebol

Os esquerdistas brasileiros normalmente acertam quando o assuntos se referem à qualidade de vida e à política. Mas no ramo do entretenimento, os que se consideram discípulos de Karl Marx demonstram total afinidade com os capitalistas que vivem puxando o saco dos poderosos dos EUA. E dá-lhe canções de consumo, blockbusters cinematográficos, best sellers literários e ... futebol, muito futebol.

Ontem, vários blogueiros que se consideram progressistas, fizeram de um modo ou de outro, referências e reverências ao jogo que aconteceu ontem com o Corinthians, o time do Lula. E sempre que há oportunidade, tem sempre um socialistinha de plantão para gritar "goool!" diante de uma capitalista tela de televisão. Ligada inclusive em alguma emissora do PIG que eles insistem em criticar.

Os esquerdistas demonstram uma certa ingenuidade nos assuntos relativos a diversão. Como se os grandes empresários não metessem o dedo na diversão (quanta utopia...), pensando que o lazer é controlado por três favelados punheteiros que não saem do quarto onde fica um computador, de onde eles bolam as obras que servem para distrair tantos brasileiros.

Não é assim. O entretenimento cada vez mais se mostra politiqueiro e capitalista, iludindo as massas e estimulando o consumismo como substituto da qualidade de vida que nunca melhora. E o futebol, cada vez mais mercenário e trapaceiro é a cereja do bolo deste entretenimento capitalista.

Há tantos esportes por aí. Porque os esquerdistas não procuram um esporte mais alternativo, onde cartolas autoritários e atletas mercenários não estejam envolvidos? Que não seja um instrumento de manipulação e de estímulo ao fanatismo alienante? É uma incoerência amar o futebol e ser socialista no contexto atual. Soa hipócrita.

Mas no Governo Dilma que se diz de esquerda mas que cada vez mais assume características de direita, além de fazer pacto com direitistas, é coerente que os simpatizantes desse governo se empolguem com o esporte favorito dos capitalistas que, apesar de ser "curtido" por gente de todo o tipo (obrigação cívico/social do Brasil), é certamente controlado e difundido pelos poderosos que se beneficiam com as injustiças sociais que são imediatamente maquiadas com um belo chute de uma bola em uma rede. Algo que segundo a lógica, não deveria ser motivo de orgulho para ninguém.

Chutes de bola em uma rede não mudam a vida de ninguém. Nem para melhor.