segunda-feira, 21 de maio de 2018

Ciro Gomes desuniu as forças progressistas

Ciro Gomes havia dado uma declaração que dizia que não recomendaria a candidatura de Lula porque o ex-presidente criaria uma polarização, desunindo os brasileiros. Isso não é fato, pois Lula, mesmo preso ainda continua a unir os brasileiros, exceto os teimosos coxinhas. Mas o que se vê de fato é que quem está provocando uma divisão nas forças progressistas é o próprio Ciro.

Isso acontece em uma época ruim para o país, quando deveríamos estar unidos contra o golpe. Apesar de descreditados, os golpistas seguem vitoriosos, com suas medidas sádicas aprovadas a toda velocidade, mesmo diante de vaias. Vaia, mas nenhum protesto concreto.

Estranho perceber que Ciro não desperta ódio nos golpistas. Suposto representante de uma esquerda moderna, ele começa aos poucos a mostrar seu direitismo, ao mesmo tempo que angaria apoio maciço de importantes intelectuais progressistas. Paulo Henrique Amorim, Flávio Dino, Mino Carta, Leonardo Stoppa e Miguel do Rosário, já declararam apoio a Ciro, ignorando alguns detalhes sobre o político cearense.

Ciro nunca foi de fato um esquerdista. Foi amamentado nas tetas da Arena e teve o PSDB como seu educador político. É ligado a setores um pouco mais progressistas do grande empresariado e é neste detalhe que deveríamos focar a nossa análise sobre Ciro. Pois esta é a verdadeira classe para a qual ele irá trabalhar, caso chegue ao Planalto. Coisa que começa a dar cada vez mais sinais de que será possível.

Mídia Golpista começa a se interessar por Ciro

Apesar de aumentar o seu prestígio entre os progressistas, as forças conservadoras já começam a "namorar" o cearense. Além de nunca ter sofrido qualquer tipo de ataque vindo das forças conservadoras (a não ser pelo MBL, por motivos que creio serem pessoais), a mídia e setores do golpe começam a se interessar por Ciro, pois ele tem importantes características que podem forjar um consenso nacional.

Apesar de ligado a setores empresariais e de ter sido educado na direita brasileira, Ciro é nordestino (nascido em Sao Paulo, mas criado no Ceará, de onde herdou o sotaque carregado - sotaque que pode favorecê-lo diante dos progressistas) e está filiado ao PDT, fundado por Leonel Brizola (na minha opinião pessoal, a verdadeira maior liderança de esquerda que o Brasil já teve), mas hoje ideologicamente divorciada do político gaúcho, falecido de forma suspeita.

Ou seja, Ciro pode representar alguém que agrade aos dois lados, mas sem prejudicar a burguesia e o golpe arquitetado por ela. Dá uma aparência de democracia e de tolerância às forças progressistas. O que pode ser bom para que os golpistas melhorem sua imagem diante da opinião pública. Por isso que a mídia já começa a "namorar" Ciro Gomes. Ele é perfeito para forjar uma união nacional.

Ciro pode  "endireitar" esquerdistas

Mas quanto as esquerdas, Ciro faz exatamente o oposto. Mesmo fazendo declarações que agradam a vários esquerdistas, é preciso verificar se as declarações sensatas de Ciro não passam de conversa fiada. Falar é fácil, mas difícil é ver um ex-direitista, ainda amigo de boa parte do empresariado, e sem tradição de vínculo com a classe trabalhadora, pôr em prática medidas que desagradam as classes dominantes e revogam as cruéis medidas do golpe.

Para entender o que está acontecendo, esta união causada pelo apoio ao Ciro Gomes tem levado setores da esquerda a se inclinarem para a direita, o que causa desentendimento às forças progressistas. Com o tempo, esquerdistas poderão mudar de lado por uma questão de sobrevivência econômica, se tornando novos direitistas.

Isso não é bom, pois sabemos que os direitistas mais ranhetas como Olavo de Carvalho, Reinaldo Azevedo, entre outros, foram esquerdistas um dia. Ninguém se lembra que o próprio Bolsonaro integrou a base governista dos governos do PT. Um esquerdista virar direitista é a coisa mais fácil do mundo, pois todos sabem que do lado dos direitistas a farto dinheiro a ser distribuído a apoiadores.

Sendo representante das elites financeiras de cunho nacionalista, Ciro poderá atrair, como um flautista de Hamelin, vários esquerdistas para a vala direitista, estabilizando o golpe e enterrando de vez a esperança de vermos o país retomando sua soberania e seu protagonismo mundial. É esperar para ver.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Uma quimera chamada Ciro Gomes

As eleições de 2018 estão sendo as de maior expectativa desde 1989, quando foi a primeira depois de um longo tempo de ditadura militar. Hoje vivemos em uma ditadura diferente, mais sutil e a perspectiva da maior parte da população é do fim desta fase triste iniciada com um irresponsável golpe em 2016, em que as elites decidiram, com franca ajuda dos EUA, a eliminar os direitos da população e as riquezas do país. 

A finalidade era a de que o Brasil mantivesse a sua condição de sub-desenvolvimento, sem ameaçar a hegemonia dos EUA, além de manter as desigualdades, tranquilizando as elites brasileiras, fartamente remuneradas pelas grandes corporações mundiais fazendo-as continuar a ganhar grandes fortunas praticamente sem trabalhar, através do rentismo e da sonegação permitida de impostos.

Mas o golpe se mostra nocivo a grande parte da nação, sem excluir os que inicialmente eram favoráveis a ele, já começando a sofrer os prejuízos decorrentes. Quem não é rentista começa a desejar de forma quase desesperada pelo fim do golpe e o favoritismo de Lula, que causou a prisão decretada pelo Poder Judiciário, majoritariamente golpista, para que fosse possível um representante da impopular plutocracia pudesse ganhar a eleição de 2018.

A plutocracia havia tentado vários candidatos, todos fracassados. Mas a grande carta debaixo da manga para governar para os mais ricos está justamente do lado oposto da plutocracia, em alguém que ganha cada vez mais confiança das esquerdas mais ingênuas e que também começa a mostrar as suas garras, provando que o verdadeiro lado onde está não é o que aparenta estar. O nome desta carta debaixo da manga atende pelo nome de Ciro Gomes. 

Ciro Gomes, unindo as esquerdas para favorecer a direita

Ciro representaria nas eleições deste na uma esperança para as esquerdas. Assumiu uma postura anti-golpe e prometeu revogar as medidas nefastas aprovadas pela equipe de Temer. Vem dado palestras inteligentes e tem atraído muitos jovens com ideias progressistas e promessas de soluções realistas e práticas. Mas Ciro tem um passado que prejudica a imagem progressista que tenta associar a si.

Ciro tem um passado direitista. Sua educação política foi amamentando nas tetas do PSDB. Seu padrinho político é o mega-empresario direitista Tasso Jereissatti, representante da Coca Cola no nordeste brasileiro e dono de uma grande rede de shopping-centers. As relações com Aécio Neves não são de inimizade. Por motivos desconhecidos, com o tempo foi mudando de lado e hoje se torna o principal nome da esquerda após Lula, se associando com o PDT, fundado por Leonel Brizola, mas hoje ideologicamente rompido com seu fundador.

Mas atitudes assumidas por Ciro durante a sua campanha e as circunstâncias em torno dele denunciam que o candidato do PDT pode não ter rompido com as suas origens tucanas. Chamado frequentemente de candidato-abutre, por se aproveitar da retirada de Lula da corrida eleitoral, ele pode estar mostrando que o tipo de ave que ele é não é bem o de abutre. 

Ciro, candidato do Golpe?

Algumas coisas estranhas tem acontecido com Ciro e que deveriam fazer a esquerda apoiadora abri os olhos. Vários esquerdistas têm declarado apoio incondicional a Ciro tratando seu direitismo como resultado de boataria de grupos que tentam desestabilizar as esquerdas. Mas se esquecem que o próprio Ciro é que pode estar começando a desestabilizar o campo progressista.

Para começar, a grade mídia ate agora não fez nenhuma crítica destrutiva contar o político cearense, como ela tem feito com políticos do PT e de alguns partidos progressistas. Isso dá a impressão de que Ciro seria um plano B da direita caso fracassasse, como está acontecendo, os planos de criação de um candidato dos plutocratas.

O descaso que Ciro tem demonstrado em relação a Lula é outro fator a ser levado em conta. Depois de declarar que faria de tudo para evitar a prisão do ex-presidente petista, Ciro parece ter visto vantagem na prisão e segue a sua campanha percebendo que aos poucos começa a conquistar não apenas vários esquerdistas como também setores sensíveis da direita como o DEM, que na ditadura militar atendia pelo singelo nome de "ARENA", o partido dos milicos.

Foi revelado que Ciro seria o verdadeiro plano do PC do B, que teria lançado a jovem Manuela D'Ávila como uma espécie de balão de ensaio para com o tempo favorecer o pedetista cearense.  Lideranças do PC do B, incluindo a própria Manuela, já admitem apoiar Ciro na corrida presidencial.

Ciro vem assumindo compromisso de revogar as medidas do golpe, diante de muitos aplausos eufóricos. Mas quem o conhece diz que é papo furado e que com as alianças que pretende fazer, deverá desistir das revogações e se empanhar em apenas amenizá-las, para não prejudicar os interesses dos plutocratas que o apoiam.

Ciro e o sanduíche de traíra 

Mas o sinal mais grave de que Ciro pode trair os esquerdistas é a possibilidade deter como vice o magnata do aço Benjamin Steinbruch. Acontece que Steinbruch é um capitalista estereotipado, ex-presidente da CSN, famoso pela ganância e pão-durismo e que apoiou não somente o golpe quanto a reforma trabalhista. 

É de Steinbruch a asneira de que seria "moderno" o trabalhador segurar um sanduíche com uma mão e uma alavanca de máquina com a outra, dispensando o tempo livre para almoço, que seria descontado com a reforma. Uma declaração considerada ofensiva, mas que virou piada no país todo, reforçando a imagem negativa já associada ao magnata.

Apesar de apoiar o golpe, demonstra insatisfação com Temer, pois começa a se sentir prejudicado por algumas reformas. O que facilitaria a associação com Ciro Gomes, seu ex-subalterno na CSN. Resta saber se ele poderá ser vice-presidente da república, pois ele está quase garantido como o próximo presidente da FIESP, a entidade que agiu em 2016 como maestro dos manifestoches nos protestos a favor do golpe.

A entrada de Steinbruch como vice de Ciro é perigosa e sinaliza que desta forma, Ciro esteja querendo secretamente preservar o golpe, o que agradaria as forças conservadoras, traindo as esquerdas, levando o país a um caminho sem volta para se esborrachar de forma definitiva no despenhadeiro do sub-desenvolvimento. 

Streinbruch não é José Alencar

Bom lembrar que é um erro comparar a associação Ciro/Steinbruch com a de Lula com José Alencar.  Por mais defeitos que possa ter tido o falecido Alencar, o empresário tinha a mente aberta e não criou grandes barreiras para Lula realizar sua quase brilhante gestão. Nem mesmo o filho de Alencar, Josué, demostra ser mente aberta como o pai. Steinbruch é um golpista e será um verdadeiro freio de mão na gestão Ciro.

As esquerdas devem ter cuidado com Ciro. Melhor seria unirmos todos para tirar Lula da cadeia na marra. As leis não estão sendo respeitadas, o que permite uma retirada agressiva de Lula por uma imensa multidão, de forma revolucionária, como uma defesa contra os abusos da direita. As grandes mudanças políticas na história mundial sempre aconteceram de forma agressiva e deve ser a todo o custo manter Lula como principal opção das esquerdas para o Planalto.

Se ficarmos com planos M, B e C, poderemos nos dar mal e perpetuar o golpe, levando multidões à miséria absoluta e o país a condição de colônia exploradora de matéria prima. Até porque boa parte dos esquerdistas pró-Ciro estão muito bem de vida, com seus empregos estabilizados e muitos amigos e contatos que podem ajudá-los, criando uma imunidade aos danos que as reformas de Temer ainda tarão com a estabilização do Golpe, provavelmente incluída nos planos de Ciro Gomes.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Porque a direita é burra

Até hoje eu não consegui ler nenhum texto e ver nenhum vídeo mostrando alguma coisa convincente vindo de algum direitista. Até agora, a única coisa que vejo vinda de direitistas são ofensas e mentiras contra quem não se conforma com um sistema injusto onde apenas os mais ricos e aqueles que tem algum nível de conforto se dão bem.

Todas as manifestações de direita demonstram uma certa ignorância em relação a realidade. Ás vezes por desconhecimento, às vezes pela necessidade de difamar, de distorcer a realidade para que as elites e seus apoiadores continuem se dando bem. Mas logo eles, que se dizem "tão sábios", portadores de uma coleção de diplomas e títulos?

Na verdade a "sabedoria" da direita está limitada ao mercado de trabalho e a luta pelo interesse próprio. Mas por incapacidade ou desprezo, preferem não perceber os problemas cotidianos de forma realista. Até porque, se passarem a perceber, seu interesses gananciosos seriam prejudicados.

A direita, além de burra, é conservadora porque ela tem como finalidade manter uma rede de privilégios e uma organização social que permita que somente ela possa controlar o cotidiano e o destino de milhões de indivíduos. Mudanças bruscas na sociedade pode ser nocivas para quem tem a ganância como sua principal, digamos, "qualidade".

Até mesmo a noção de altruísmo defendida pelos direitistas não vai muito além do que já é praticado pelas religiões, uma caridade paliativa, seletiva, que ajuda uns poucos pobres, pré-escolhidos por critérios nem sempre justos, e que dispensa os mais ricos de repartirem renda de forma efetiva. É uma esmola institucionalizada, incapaz de eliminar problemas e injustiças na sociedade como um todo. 

Enfim, é inútil esperar algo de realmente inovador vindo de direitistas. Hipócritas, eles vivem falando de progresso e altruísmo que se limitam a retórica pura e vazia. Na prática, direitistas desejam que tudo fique como está, mudando apenas quando a manutenção dos interesses dos mais ricos exigir. 

Mas nem tente conversar com algum direitista, esperando ouvir dele algo que possa ajudar de fato a melhorar a sociedade. melhorar a sociedade é algo que passa bem longe dos objetivos de qualquer direitista.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Todos juntos exigindo Lula Livre!

Nunca o Dia Primeiro de Maio foi tão representativo quanto o deste ano. Direitos dos trabalhadores foram praticamente extintos. A escravidão retornou em sua versão mais moderna, porém mais dissimulada. A justiça do Trabalho, majoritariamente comprada pelos grandes capitais, pune apenas os trabalhadores. Desemprego cresce a níveis galopantes. A classe trabalhadora vai mal e sem apoio.

O Golpe de 2016, criado para impedir o Brasil de se tornar uma potência e facilitar a venda de riquezas, como a camada petrolífera do Pré-sal e empresas estratégicas como a Petrobras e a Eletrobras, favorecendo o domínio do predador mercado estrangeiro em nossas terras, nos tirou a soberania e a dignidade. Para piorar, enjaulou o único líder com condições plenas de reverter toda esta desgraça: Luís Inácio Lula da Silva.

Lula, que foi o melhor presidente da história política brasileira, que mesmo sem ter formação acadêmica, mostrou ter a inteligência plena de um grande administrador público, fazendo o país se desenvolver e se tornar soberano, dar qualidade de vida à população e melhorar a nossa imagem no exterior, desagradou a nossa elite do atraso, tradicionalmente parasitária, que aproveitou a crise econômica mundial de 2008 para favorecer toda a destruição que vemos a olhos vistos.

Para impedir que Lula retorne e reverta o golpe destruidor, as elites brasileiras facilitaram as coisas para que as elites predatórias estrangeiras fizessem seus estragos para que o capital estrangeiro satisfizesse sua tara de sugar tudo que temos de precioso em nossa nação. Resultado, voltamos a nossa condição de Colônia de Exploração de Matéria Prima e vemos todas as leis, incluindo a Lei Áurea, a Constituição de 1988 e a Independência do Brasil sorrateiramente revogados.

A prião de Lula foi a cereja do bolo fecal deste golpe. Foi necessário inventar uma desculpa esfarrapada para que a detenção claramente política de Lula tivesse aparência de legalidade. Mas como os episódios do Triplex, do Sítio de Atibaia e da Fundação Lula não tem fundamento e soam ridículas aos olhos dos mais sensatos, ninguém se convence de que Lula não é um preso político.

Esta data, quando vemos o maior representante dos trabalhadores encarcerado, numa torturante solidão - bom lembrar que Lula é uma pessoa muito social e sempre esteve rodeado, desde os tempos de sindicato, de grandes grupos de pessoas - temos que nos conscientizar e lutar para que Lula possa ser solto desta prisão política. 

Ele só fez bem ao país e tem as condições de desfazer os estragos do golpe. É isso que as elites do atraso temem, pois são favorecidas com a desgraça da população. Por isso fizeram questão de prender Lula para que esta desgraça pudesse ser perpetuada, mantendo as elites na sua isolada prosperidade.

É imperativo que o maior número de pessoas possível possa ira a Curitiba fazer um gigantesco movimento que pudesse gerar repercussão maciça mundial. É preciso gritar que temos um preso político e que o Brasil vive um golpe predatório que arrasa com a soberania e os direitos da população. Lula Livre é ter o direito de escolhermos quem queremos como presidente e quem tem condições de melhorar este país.

Não adianta fazer manifestações isoladas pelo país. Até podem, mas estas manifestações não geraram impacto. É preciso que no mínimo haja mais de 100.000 pessoas reunidas em um só lugar em Curitiba, mais próximo possível de Lula, tentando provocar medo nesta elite sádica e gananciosa.

Que todos os movimentos sociais foquem Curitiba, para que o Brasil volte a ser um país, não um território colonizado a dar de bandeja bens e direitos a forasteiros que mal sabem cuidar de suas riquezas, desejosos de arrancar dos outros aquilo que não é seu. LULA LIVRE!

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Pílulas Políticas, 23/04/2018

Infelizmente, completaram duas semanas da prisão de Lula. Mesmo assim, a plutocracia golpista não está tranquila. Fatos mostram que o Brasil entrou num túnel escuro e sem saída e que a população se prepara para entrar numa época de incerteza que poderá virar  uma nova era de trevas. Vamos ver o que aconteceu recentemente para tentar entender e montar um possível cenário para o futuro próximo.

- Lula Preso, mas Lula em alta: A plutocracia tenta se esforçar para "enterrar" Lula, politicamente "morto" por causa da prisão. Mas seu nome é cada vez mais mencionado. A vitória de Gleici, a ativista social do BBB, que gritou durante a comemoração de sua conquista "Lula Livre!" diante das câmeras da emissora que mais lutou pela derrota não somente de Lula, mas de todos os progressistas, furou a bolha que se limitava a converter convertidos. O povão que assiste TV viu no desabafo um grito pela democracia que - felizmente para nós, infelizmente para a Globo - não pode ser calado. mesmo na prisão, Lula segue mais forte, convertido em mártir político.

- Mais Lula: A proibição das visitas do filósofo Leonardo Boff e do vencedor do Prêmio Nobel da Paz, o argentino Adolfo Peres Esquivel, criou um mal estar na plutocracia. São dois notáveis homens bastante influentes e com notável prestígio. A atitude deu ainda mais visibilidade a Lula (que pode ser indicado por Esquivel a se candidatar para o Nobel da Paz em 2019), além de deixar claro o estado de exceção (ditadura não assumida) em que vivemos. mais pontos para Lula, que mesmo preso, segue conquistando corações e denunciando o golpe. A foto de Leonardo Boff esperando do lado de fora do local onde Lula está preso, que comoveu muita gente, ilustra esta postagem, agravando mais ainda a denúncia contra os golpistas que prenderam injustamente o ex-presidente.

- Usou, joga fora: A plutocracia golpista já começa a descartar os tucanos do PSDB, incluindo os de grande plumagem. Os serviços de golpeamento das forças progressistas, da eliminação de direitos da população e do fim da soberania nacional foram todos concluídos ou perto de ser. O que significa que os incômodos políticos da cor azul podem ser descartados para abrir caminho para um plutocrata moderado que seguirá com o golpe, mas de forma controlada, com direito a algumas amenizações. Esta figura ainda não apareceu, apesar de especulações. Mas o certo é que com a descoberta de que o golpe tem autoria tucana, tendo Temer como mero porta-voz dos tucanos, tem enfraquecido o partido, criando a sua necessidade de descarte urgente para recuperar a confiança da opinião pública.

- Bolsonaro também no lixo: A plutocracia nunca foi de fato a favor do capitão de ideais retrógrados. Bolsonaro foi útil como uma espécie de cão rotweiller a tirar os progressistas do caminho. Sem progressistas, os conservadores golpistas já não precisam mais do cãozinho raivoso . Recentemente, o intelectual neoliberal nipo-americano Francis Fukuyama classificou Bolsonaro como "nocivo para a democracia brasileira". Se um neoliberal pensa assim, é bom ficar atento em relação ao capitão querido dos mini-machistas brasileiros. Sinal de que o rotweiller útil para espantar reações contrárias ao golpe também será descartado pela plutocracia. Ganância não exige a violência física de autocracias arrogantes.

- Tiratemer: a versão atualizada remixada com remasterização digital em versão estendida do Joaquim Silvério dos Reis, o golpista que os plutocratas ainda tem a coragem de se referir como "meu presidente", Michel Temer, se comparou na TV a Tiradentes, num verdadeira demonstração de cara de pau que não conseguiu ser aceita pela população. Somente Temer acreditou nesta lorota. Temer e um blogueiro da revista semi-fascista Veja que inverteu a realidade, comparando Lula, com Silvério, mesmo com direitistas leitores da revista aceitando a tese real de que o traidor é Temer. Cada vez mais os golpistas seguem enlouquecidos falando coisas sem pé nem cabeça.

- Será a vez de Joaquim Barbosa?: O partido de centro PSB se prepara para lançar a candidatura do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa. Barbosa já começa a se tornar querido dos plutocratas e tem o perfil ideal para o plano de recuperação de confiança desejado pelas elites brasileiras. Se por um lado é negro, tem origem humilde e, segundo dizem, foi eleitor do PT, por outro, atuou no mensalão favorecendo tucanos (há quem considere a atitude de Barbosa como embrião do Golpe de 2016) e ideologicamente segue ideais neoliberais. As coisas ainda estão incertas em relação a Barbosa. Mas o crescimento da simpatia das elites por uma figura que, pelo menos na aparência, simboliza a união entre as classes opressoras e as classes oprimidas, é real. São grandes as chances de Joaquim Barbosa crescer nas pesquisas. É esperar para ver.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Blindagem de Alckmin, somada a prisão de Lula, desmascara a Lava Jato

Com o maior inimigo dos golpistas finalmente - e injustamente - preso, a plutocracia parece respirar aliviada. A mídia já começa a parar de rosnar e se ocupa agora de tentar construir o seu candidato para completar a destruição do país, iniciada com o golpe de 2016.

Muita gente pensava que a operação conhecida como "Lava Jato" (interessante como a Polícia Federal adora colocar nomes bobos em suas operações) era uma iniciativa séria para combater a chamada corrupção. Não é.

Na verdade, a Lava Jato é uma operação orquestrada pela parceria entre a CIA e o FBI com as Grandes Corporações Empresariais para tirar governos que se recusem a se submeter às diretrizes impostas pelo governo norte-americano. Muitos acontecimentos levaram a crer que esta seria uma operação deste tipo, algo finalmente comprovado recentemente.

Dá para perceber porque a Lava Jato não prendeu nenhum tucano de alta plumagem (nomes dados a lideranças do PSDB). De tucanos, só prendeu os pequenininhos, com a finalidade de forjar para a opinião pública uma falsa imparcialidade. Mas o grosso mesmo era usar a operação para desmontar qualquer chance de novos governos progressistas, que repartam renda, direitos e protejam a soberania nacional.

A Lava Jato não prendeu nenhum tucano por um motivo simples: a Lava Jato sendo uma operação norte-americana, trabalha para as mesmas forças que contrataram o PSDB como seu braço político. Eu mesmo havia explicado, em vídeo, o motivo de nenhum integrante do PSDB ser preso. O PSDB trabalha para as grandes corporações e mesmo sem prestígio, o partido ainda dá sinais de força e influência.

Mesmo que a sigla PSDB se torne algo repulsivo, as forças que a controlam tem condições de criar outro partido ou entidade que continuará com a mesma função, mas com outro nome e outras características aparentes. Mas exatamente com a mesma finalidade: proteger a ganância dos poderosos aliados ao governo dos EUA e aos maiores empresários mundiais, estes os verdadeiros controladores do mundo.

Alckmin parece ser a esperança de proteger o PSDB

Mesmo desprestigiado, o PSDB continua a agir. Enquanto um novo plano não aparece, deve se insistir com o que está aí. E a aposta dos tucanos é o sisudo Geraldo Alckmin, que apesar de não ter carisma (é apelidado de "Picolé de Chuchu", um picolé que não tem gosto), é ligado a grupo religioso e tem uma postura sóbria que agrada aos conservadores que votarão no partido.

Foi anunciado recentemente que o político paulista, que deixou o governo de São Paulo para provavelmente se candidatar pelo partido a ser o continuador do golpe de 2016, não será investigado pela Lava Jato. A decisão teve bastante repercussão pois foi tomada  logo após a prisão de Lula, claramente política e que usou uma desculpa mais o que esfarrapada para incriminá-lo.

A estranha coincidência mostra que para os controladores e patrocinadores da Lava Jato, a prisão de Lula deixou um caminho aberto para uma vitória de um golpista por WO (Walkover ou Without Oponent, sem concorrente). Uma boa brecha para Geraldo Alckmin poder entrar.

Sabe-se bem que a Lava Jato é uma farsa. É uma operação encomendada pelas forças que não desejam que o Brasil se torne uma potência e tenha justiça social. O desejo dos líderes do planeta é que o Brasil seja uma espécie de "Africa das Américas", subdesenvolvido, miserável e reduzido a exportador de commodities (matéria prima e recursos naturais).

Finalmente descobrimos que o combate a este inimigo abstrato chamado "corrupção" não existe. O que existe de fato é uma luta feita pelos fortes para esmagar os fracos. E pelo jeito os fortes continuam vencendo. Ate quando, isso vai demorar...

segunda-feira, 9 de abril de 2018

A prisão de Lula é a pior coisa que poderia acontecer para o país

Eu estava devendo publicar alguma coisa em edição extraordinária sobre a prisão de Lula no final de semana, mas ocupações na minha vida particular não permitiram que eu escrevesse alguma coisa a tempo. Mas publiquei alguns vídeos na conta do YouTube, que por não precisarem ser editados, foram rápidos de fazer e publicar.

A prisão de Lula foi a pior coisa que pode acontecer ao país. Só ficou a favor da prisão de Lula os moralistas - que veem no Lula o estereótipo de um inimigo (tese do ladrão de galinha) ou aqueles pessoalmente favorecidos pela prisão (a burguesia em geral). Do outro lado, a prisão preserva o golpe e levará ao país ao caos não somente político e econômico, mas também social, pois cria uma polarização que serve como embrião de uma possível guerra civil entre cidadãos.

Lula não é apenas um preso político. Lula seria o homem com maiores condições de reverter toda a desgraça que foi feita pelos corsários que tomaram o poder em 2016 para satisfazer interesses de grandes magnatas daqui e do exterior. Desesperados pela crise de 2008, os magnatas s empenharam de forma truculenta para não perderem seus privilégios e por isso criaram um golpe sofisticado, que impressiona pela complexidade e pelo estranho sucesso.

Estamos na torcida para que alguma coisa se resolva, embora os fatos mostrem que mergulhamos de vez numa era sombria que pretende ser duradoura. Certamente não prenderam Lula para que um inimigo do golpe pudesse tomar o poder. Que venha o representante dos magnatas completar o saque e tomar a população brasileira como escrava, trabalhando mais e ganhando menos do que a dignidade humana permite.

Aqui estão os vídeos publicados durante o final de semana, incluindo a mensagem que Lula deixou aos brasileiros como despedida antes de sua prisão por motivos políticos.




segunda-feira, 2 de abril de 2018

Maioria dos pesquisados não é maioria dos brasileiros

Brasileiros tem a mania de confundir maiorias com totalidade. Isso faz com que pesquisas sejam tratadas como algo absoluto, como se todos os brasileiros tivessem respondido às pesquisas.

Isso explica  excessivo otimismo das esquerdas, que trata os resultados das pesquisas, em geral feita com uma quantidade relativamente pequena - em relação ás dimensões do país - de pessoas. Para os esquerdistas, as pesquisas demonstram não apenas a vontade dos entrevistados, mas a d todos os brasileiros. Isso significa tomar uma parte como o todo.

Imagine uma pesquisa que envolva a opinião de apenas 10 pessoas. Pergunte a elas se preferem suco de goiaba ou de acerola. 9 desses 10 entrevistados respondem que preferem acerola. O resultado da pesquisa mostrará 90% a favor da acerola. E se entre os não-pesquisados a preferência pela goiaba se sobreponha? As esquerdas se esqueceram deste detalhe.

Falam tanto que a maioria dos brasileiros é de esquerda e quer Lula presidente. Gozado, no meu circulo social são quase todos de direita e opositores de Lula. Apenas meu irmão e uns dois caras, além de mim são de esquerda e preferem Lula. Todos os outros integrantes de meu círculo social, incluindo parentes - até meus pais são "coxinhas" - são de direita e sonham com o desparecimento de Lula na face da Terra.

Se as pesquisas estivessem certas, eu teria a oportunidade de ter muitos esquerdistas em meu círculo social. O que me leva a crer que pesquisas devem ser bem relativizadas, por mostrar o que pensa os entrevistados e não toda a população. 

Claro que há métodos de amostragem que sugerem que um certo numero de entrevistados corresponde ao pensamento da totalidade. Mesmo assim, a quantidade de entrevistados deve ser grande o suficiente para que a comparação por amostragem possa fazer sentido.

Não sei. Prefiro ser cauteloso e não ser otimista em relação às pesquisas. Vai que as coisas passem a acontecer do contrário do que se pensa e afunde todo o vestígio do excessivo otimismo que vemos nos corações das esquerdas.

segunda-feira, 26 de março de 2018

Todos os Direitistas unidos contra Lula

TRF-4, Moro, José Padilha, Tucanos, Bolsonaro, Fascistas em geral, além da classe média e a elite por ela bajulada. Todos unidos contra Lula e a esquerda em geral. Todos contra a soberania e o bem estar dos brasileiros. Todos a favor da ganância e da satisfação dos interesses elitistas. 

Eles sabem que Lula ameaça os interesses gananciosos de todos eles e por isso, se uniram em um projeto ultra-sofisticado de desmontar as forças progressistas para colocar no poder alguém que possa trabalhar em prol da ganância e da permanência das injustiças seculares de nosso país. 

Impedir o desenvolvimento do país e a  erradicação da pobreza é a meta destas forças retrógradas, que perderam a vergonha de difamar, ofender e agredir as forças progressistas. Se for permitido matar, até matariam, pois para eles moral é só o que os favorece.

Lula deve tomar cuidado e evitar o clima de "já ganhou". As forças retrógradas agem de forma sofisticada e tem uma poderosa quantidade de patrocinadores despejando gigantescas quantias de dinheiro para que o golpe se consolide e os interesses das classes dominantes sejam preservados. Mesmo que possa ser candidato e eleito, os plutocratas têm todas as condições imagináveis e inimagináveis para impedir Lula de governar a favor dos mais carentes e da soberania nacional.

Lula deve se lembrar que o caminho para a volta da democracia no Brasil é muito mais difícil do que se possa parecer. Há forças poderosíssimas interessadas no fracasso do Brasil e na sua redução a colônia de exploração de commodities, com um povo muito mal remunerado trabalhando para o interesse dos mais ricos. E todo o empenho haverá para que o golpe seja preseervado, de todas as maneiras, mesmo com o maior esforço.

Infelizmente vivemos em tempos horrendos, onde os maiores capitalistas, escondidos em confortáveis escritórios espalhados em lugares secretos pelo mundo, decidem o destino de milhões de pessoas, escravizadas para atender os interesses de quem não deseja ver uma humanidade vivendo prosperamente em condições justas.

Lula que se cuide. Não faltarão quem deseja derrotá-lo, inclusive da pior forma. Temos que preservar a única liderança com condições de derrotar este golpe medonho. 

domingo, 25 de março de 2018

Pílulas Políticas, 25/03/2018


Tenho alguns comentários curtos a fazer sobre coisas que vem acontecendo ultimamente.

RJ: a frente de esquerda que deveria ser nacional e evitada no estado - Esquerdistas do Rio de Janeiro decidiram se unir em torno de uma única candidatura: a do pequeno burguês Marcelo Freixo. Sinceramente sou contra esta frente única de esquerda no Rio de Janeiro. Primeiro porque a esquerda faz aqui o que deveria fazer nacionalmente: todos se unirem em torno da candidatura de Lula para presidente, com importantes esquerdistas se candidatando para o Poder Legislativo, enchendo o congresso de esquerdistas. Segundo porque não confio em Freixo. Sem querer fazer afirmações, percebo que ele age como se não fosse esquerdista. Merece ser alvo de muita atenção.

Esquerda ignora direitismo de José Padilha - Estreou recentemente a série O Mecanismo, que é mais ou menos a adaptação para seriado do filme Polícia Federal, a Lei é Para Todos (menos para os Tucanos). Os comentários de sites esquerdistas até agora não enfatizaram o direitismo convicto do diretor José Padilha, membro do Instituto Millenium e apoiador explícito do Golpe de 2016, sendo uma espécie de "Olavo de Carvalho" do cinema. Estranho a esquerda ignorar o pedigree semi-fascista do diretor da saga de pancadaria Tropa de Elite.

Lula se livrou de mais uma: mas é cedo para comemorações - A esquerda entrou em clima de "já ganhou" ao receber a notícia de que Lula não poderá ser preso (injustamente, pois não há provas de crimes e delitos). Esquecem os direitistas o fato de que a direita tem todos os meios para derrotar Lula seja ele preso ou eleito. A direita conta com os maiores financiadores políticos do planeta e não faltará chuva de dinheiro para que um plutocrata mantenha o golpe e reduza o país em uma colônia de exploração. Melhor termos cautela e acompanharmos os fatos. 

Plutocratas querem fim da Lava jato para não atingir tucanos - A plutocracia, representada pelos meios de comunicação que nunca passaram de porta-vozes das elites endinheiradas, já pede o fim da Lava Jato. Com Lula condenado e surgindo a ameaça de atingir membros do PSDB, as elites, que vem nos tucanos os seus representantes políticos, já se agitam para que estes, extremamente úteis para a manutenção do golpe e da ganancia capitalista no país, não sejam pegos e punidos pela operação. Nos bastidores já existem ações para aos poucos encerrar a operação, dispensando seus responsáveis, mandando-os ao exterior. Tudo para que o PSDB continue intotcável, para o bem dos mais ricos.

Nos EUA, celebridades endinheiradas pedem desarmamento. Já no Brasil... - nos EUA aconteceu ontem uma imensa passeata, a March for our Lives (marcha/março pelas nossas vidas) com apoio de inúmeras e mais famosas celebridades do país, pedindo limites para o armamento, maior controle sobre o porte de armas e o fim da violência. No país Tupiniquim, as elites brasileiras fazem justamente o oposto, pedindo maior armamento e mais violência para combater o que as elites classificam como "criminosos": pretos, pobres e favelados. As lites e a classe média bajuladora apoiaram euforicamente a desastrada intervenção militar, com direito a aplausos - testemunhados por mim - quando passavam carros do exercito nas ruas. É a elite brasileira não é tão sábia assim. É pura pauleira!

segunda-feira, 19 de março de 2018

Conservadores querem usar morte de Marielle para aprofundar o golpe

Algo grave começa a acontecer no Brasil e pouca gente te prestado atenção a isso. A morte da vereadora e ativista Marielle Franco, de mentalidade progressista e denunciadora do golpe, pode estar sendo usada pelas forças conservadoras para aprofundar ainda mais o golpe. 

Os conservadores decidiram pegar emprestado uma personalidade progressista para poder justificar a intervenção militar - já reprovada por gigantesca parte da população - e censurar meios de comunicação progressistas.

Apesar de várias forças conservadoras admitirem - até porque fatos obrigaram a isso - que a morte da ativista foi política e não um crime comum, os conservadores demonstram muita cautela na hora de encontrar um culpado, pois não querem que a morte de uma progressista arruíne os planos do golpe criado para preservar a ganância dos mais ricos.

Por isso, para a plutocracia, o culpado deve permanecer oculto até que conservadores possam encontrar um bode expiatório para fazer o papel de "culpado" para a opinião pública e evitar chegar ao verdadeiro culpado. Até que isso aconteça, está sendo conveniente exigir maior intensidade para a intervenção militar, usando o caso de Marielle como "motivação de urgência" para a medida.

Estranho que Marielle foi uma insistente crítica da intervenção militar e não escondia isso. A intervenção é uma farsa, pois: 1) não se combate crimes urbanos desta forma e 2) a intervenção na verdade é um ensaio para uma nova ditadura militar caso a prisão de Lula, desejada pelos conservadores, cause uma gigantesca e tensa comoção nacional.

Boatos sobre Marielle podem favorecer censura a meios alternativos de comunicação

Outra forma de exploração da morte de Marielle surge através de boatos caluniosos sobre a ativista. Como conservadores são moralistas, começaram a inventar que a ativista era amiga de bandidos, viciada em drogas e avessa a conceitos tidos como "morais" por eles.

A mídia oficial já admitiu que tais boatos na verdade foram calúnias, mentiras de caráter ofensivo com a intenção explícita de destruir a reputação da ativista e enfraquecer os movimentos progressistas, sobretudo os que se empenham em auxiliar as classes oprimidas.

Só que a  mídia oficial dá sinais de que usará a denúncia de boatos contra os meios de comunicação que não façam parte da mídia corporativa, ainda considerada a fonte oficial de informações no Brasil e por isso a "mais confiável".

Pode ser que a mídia combata sites como "Verdade Política", "Politica-mente" e "Jornalivres" (não confundir com o supostamente progressista Jornalistas Livres, que estranhamente é patrocinado por George Soros (??!!)), criados para lançar mentiras difamatórias contra as forças progressistas. Até acho que estes sites existem para a grande mídia justificar que é imparcial no combate contra notícias falaciosas.

O problema é que sites altamente confiáveis como o Brasil 247, Diário do Centro o Mundo, Vi o Mundo, Jornal GGN, Conversa Afiada, Blog do Miro, entre outros, de mentalidade progressista e administrados por jornalistas consagrados de larga experiência, com passagem na mídia corporativa, posam ser classificados como "fontes de fake news" por não fazer parte daquilo que o senso comum entende como "fontes consagradas e confiáveis de informação".

É grave isso e temos que abrir os olhos. Estamos em uma ditadura de novo tipo, diferente da de 1964, mas igualmente autoritária, sádica e gananciosa. A morte de Marielle, tratada como a de um ser humano comum e não a de uma ativista anti-golpe, pode realmente ser um fator a aumentar a intervenção militar e a censura da m´dia alternativa, fazendo com que o golpe se fortaleça.

Com isso, os golpistas seguem aprisionando a população em uma miséria crônica e destruindo a soberania nacional, transformando o Brasil em uma colônia de exploração com população escravizada a satisfazer a ganância de uns poucos, que vivem se achando melhores que os outros. Apesar de fingir solidariedade pela a morte de uma inimiga da plutocracia, convertida em mera serviçal involuntária para o aprofundamento das desgraças iniciadas em 2016.

sexta-feira, 16 de março de 2018

O que faz as esquerdas se calarem diante da Reforma Trabalhista?

Na minha opinião, a Reforma Trabalhista, junto com a Escola sem Partido, foi a pior medida tomada pelo governo golpista instalado em 2016. Se alguém me perguntasse, se entre todas as medidas do golpe, você tivesse que cancelar apenas uma, qual seria, eu respondia a reforma Trabalhista, pois ela é a mais ligada diretamente a dignidade humana. Mas grande maioria das forças progressistas iria discordar de mim, e há motivos para isso.

Apesar de ser um esquerdista convicto, por afinidade ideológica, não confio totalmente em esquerdistas. Evidências não mentem, mas pessoas sim. Não é impossível para qualquer ser humano mudar de lado e trair seus antigos amigos. Eu mesmo fui traído or muitas amizades que com o tempo, mostraram ideologicamente opostos a mim, alguns com claras capacidades de me prejudicar. Mas é assunto pessoal que prefiro não aprofundar.

Na verdade,há muitos esquerdistas de classe média, com relativa estabilidade de vida, sobretudo financeira. Muitos tem uma vida social bem movimentada, o que garante uma rede de amigos dispostos a ajudar em qualquer crise. De qualquer forma, há muito esquerdistas que não serão prejudicados pelas medidas do golpe. Se entre eles, haver algum claramente empenhado em combater o golpe, é por altruísmo e não por razões pessoais.

Por isso que a Reforma Previdenciária, e não a Trabalhista, foi eleita pelos esquerdistas como mais prioritária. A Previdenciária atingirá quem está estabilizado financeiramente. A Trabalhista só atingirá quem está desempregado, quem não está estabilizado ou os estabilizados em carreiras ameaçadas pela reforma, sobretudo servidores de empresas púbicas sob ameaça de privatização.

O que significa que a Reforma Trabalhista não e vista como ameaça para a maioria dos esquerdistas, que podem arrumar, de um jeito ou de outro, alguma remuneração para sustentar a sua vida relativamente confortável. Há muitos pequenos burgueses envolvidos com causa s progressistas e o patrocínio de entidades ligadas a grandes especuladores como George Soros - o que é um fato triste entre as esquerdas - diminui ainda mais a preocupação com a Reforma Trabalhista.

Eu tenho razões pessoais para entrar em pânico diante da Reforma Trabalhista, pois não estou profissionalmente estabilizado e no momento vivo de bicos. Vivo de favores em casa de parentes de idade bem elevada (podem morrer a qualquer momento), que pagam as minhas contas e a reforma veio para arruinar ainda mais o que já era incerto, mesmo nos governos progressistas de Lula e de Dilma, que cometeram o erro de não romper com vários dogmas capitalistas, o que favoreceu a realização do golpe de 2016.

Infelizmente, o fato de muitos esquerdistas estarem bem de vida aumenta ainda mais a desunião das forças progressistas. No fim, os que estão bem de vida seguirão em frente com seu confortável cotidiano, mesmo com o golpe solidificado, deixando pelo caminho os desafortunados que terão que se virar para pagar as suas contas, para sobreviver de forma precária nesta terra arrasada pelo golpe dos corruptos concretizado em 2016.

terça-feira, 13 de março de 2018

Entrevista histórica com o maior analista brasileiro de política internacional

Esta semana, a excelente TV 247, canal do YouTube que se tornou indispensável para a minha vida, contou com uma entrevista histórica e de grande importância para o entendimento da política mundial, principalmente em relação ao golpe que aconteceu no Brasil, em 2016.

Pepe Escobar, o maior analista de política internacional entre os brasileiros, já consagrado como jornalista na área cultural (lembro dos seus excelentes textos na extinta revista Bizz que eu comprava todos os meses), deu uma entrevista bem didática a Leonardo Attuch, o bravo comandante da  TV 247, que já se torna histórica graças a importância do conteúdo.

Attuch convidou Escobar para se tornar mais um dos excelentes colunistas da TV 247. O jornalista, que vive na França e costuma viajar por toda a Europa atrás de notícias, colaborando com os mais diversos periódicos locais, agradeceu e apesar de ter adorado a ideia, recusou alegando falta de tempo. Claro, um jornalista com a qualidade de Pepe Escobar é muito solicitado, trabalhando cerca de "40 dias" por mês.

Vejam na íntegra a entrevista e lá depois da metade, pepe Escobar fala sobre o golpe de 2016 e dá detalhes que confirmam ser o mesmo uma guerra hibrida, sem tanques, sem armas, mas com muita tirania, a ponto de destruir um país inteiro em um período relativamente bem curto.

segunda-feira, 12 de março de 2018

O caso Duplo Expresso e a fragmentação das forças progressistas

Eu estava devendo escrever alguma coisa sobre o escândalo envolvendo a equipe do blog Duplo Expresso. Demorei porque estava custando a entender o que aconteceu. Além disso, eu não queria cometer injustiças, pois eu gostava do Duplo Expresso. Não é preciso dizer que o escândalo me deixou triste e decepcionado.

Tudo começou com a revelação de um documento "bombástico" que teria sido descoberto pelo advogado carioca especialista em Direito Internacional Romulus Maya, um dos integrantes do Duplo Expresso junto com o jornalista baiano Wellington Calasans. Ambos, que vivem no exterior, Calasans na Suécia e Maya na Suíça, supostamente têm se empenhado em investigar os podres da Lava Jato e anunciaram um documento que poderia desmontar a operação.

Mas o que despertou o escândalo não foi o documento em si, mas a insistência de ambos para que o documento fosse anexado imediatamente ao dossiê que denuncia as falhas da Lava Jato. A apressada insistência em incluir sem verificação o documento rendeu acusações caluniosas contra o advogado e ex-presidente da OAB carioca Wadih Damous e o jornalista gaúcho Paulo Pimenta, verdadeiros lutadores contra o golpe de 2016, além de críticas a outras forças progressistas.

Desde então, o Duplo Expresso virou um desfile de ofensas e críticas pesadas a forças de esquerda pela cautela em aceitar o documento que, como qualquer outro, teria que ter a sua autenticidade verificada. Calasans e Maya garantiram a autenticidade do documento, apesar de recusarem a revelar as fontes e exigiram que o documento fosse utilizado imediatamente como prova de que a operação Lava Jato é uma farsa.

Que é uma farsa, a Lava Jato já demonstrou que é. Mas não é qualquer documento que possa servir como comprovação disso. O documento, que estava empetecado de um monte de marcas d'água com a descrição "copyright Duplo Expresso", como se o blog quisesse se promover às custas da revelação, merecia uma verificação.

Mas aí o jornalista Luis Nassif, já envolvido com divergências com Romulus Maya, resolveu publicar um texto revelador sobre a identidade do advogado, de deixar muitos de cabelos em pé. Maya seria na verdade Rômulo Brillo, representante da Trafigura, empresa sueca envolvida com distribuição de petróleo e que foi responsável pelo fim da soberania de Angola no setor. Os dois integrantes do Duplo Expresso são curiosamente muito ligados a Angola e colocaram um cientista e professor angolano como colunista do blog.

Indícios sugerem que os motivos que levam Romulus Maya a lutar contra a Lava Jato não são os mesmos das outras forças progressistas, que é o reconhecimento que a citada operação é um dos braços do golpe. Maya pode ter motivos pessoais para ser contra a Lava Jato, já que a empresa que representa é objeto de investigação na operação.

Duplo Expresso: um blog de infiltrados?

Todo golpe, para ser bem sucedido, tem que ter infiltrados, o de 2016 deveria ter um monte deles. Vários setores, sobretudo na área cultural e comportamental tem dado sinais de serem controlados por infiltrados, sobretudo entre os que querem impor o ridicularizante "funk" como a nova "MPB", a "música politizada brasileira".

Não estou aqui fazendo qualquer afirmação sobre o Duplo Expresso, mas a atitude que ambos vem tomando ultimamente nos levam a crer sobre isso. A estranha biografia de Maya - somada ao fato do nome de Wellington Calasans aparecer na lista de filiados do PSD, partido de direita ultra-conservadora, na filial de Alagoinhas, cidade baiana de que o jornalista já disse várias vezes ser sua terra-natal, jogam mais lenha na fogueira da suposta tese do quinto-colunismo de ambos.

Claro que tais fatos podem fazer parte do passado de Calasans e Maya. Pessoas muitas vezes erram e se arrependem dos erros. Renan Calheiros dá sinais de que se arrependeu do golpe. O que me leva a ter mais cautela a apontar o dedo para a equipe do Duplo Expresso que pode ter abandonado o direitismo no passado. É uma possibilidade, embora passível de ser negada se observarmos as postagens ofensivas publicadas pelo Duplo Expresso..

Mas até que tudo seja esclarecido - o Duplo Expresso referiu deixar de lado a polêmica e seguir em frente com as suas atividades, com postagens publicadas no dia de hoje em seu canal de vídeo no YouTube - prefiro não confiar mais no Duplo Expresso, embora ainda respeite a equipe. Eles ainda tem um amplo apoio de muitos seguidores progressistas por ser um blog emergente. 

Muitos dizem que a polêmica tem servido para tirar a credibilidade do Duplo Expresso, embora eu acredite que quem tirou a credibilidade do mesmo foi a própria equipe, caluniando forças progressistas realmente atuantes como Wadih Damous, Paulo Pimenta e até Rui Costa Pimenta do Partido da Causa Operária, maior crítico do golpe de 2016 e também infelizmente ofendido pelo Duplo Expresso.

A fragmentação das forças progressistas

A polêmica vem na pior das horas quando o golpe de 2016 se solidifica e promete se perpetuar. As forças progressistas estão fragmentadas, cada um pro seu canto e preocupados em causa isoladas como a causa LGBT e a Reforma da Previdência, ao invés de combater o golpe como um todo.

O Duplo Expresso, que era exemplar antes de se envolver na produção de declarações caluniosas, colaborou ainda mais para a desunião das forças progressistas. Se a hipótese de quinta coluna for confirmada, pode ser aceitar a tese de que o Duplo Expresso pode estar agindo pra desunir os progressistas justamente quando a união destes se toana mais necessária.

Sabe se que as forças progressistas estão em franca derrota. Mesmo com alguns progressistas em clima de pleno otimismo, o fato é que o golpe segue firme e forte, alheio a sua própria desmoralização diante da opinião pública, e o comportamento ao mesmo tempo passivo e difuso dos progressistas se mostrou incapaz de agir com mais firmeza contra as forças golpistas.

A realidade é que: 
1) os brasileiros são tradicionalmente conservadores e suas forças progressistas, até certa medida, também são; 
2) muitos indivíduos progressistas estão relativamente bem de vida, com emprego estabilizado, e não serão prejudicados pelas medidas do golpe, o que justificaria sua tranquila inércia diante dos fins de direitos e da soberania nacional, além do claro desprezo à luta contra a Reforma Trabalhista, causa considerada supérflua pelas forças progressistas; 
3) Fatos garantem que há infiltrados nas forças progressistas. Não se sabe de forma confirmada quem são, mas há suspeitos. E são muitos; 
4) A desunião das forças progressistas fortalece ainda mais o golpe.

Aceitar esta realidade é compreender que o combate ao golpe é muito mais difícil do que se pensa e qualquer manifestação de otimismo é na verdade uma fuga do mundo real, uma manifestação clara de wishful thinking que não vai levar o Brasil a lugar nenhum, a não ser ao mais profundo despenhadeiro.

Assistamos de camarote a destruição de nossos direitos e de nossa soberania nacional. Para, no dia seguinte, morrermos graças as imensas dificuldades de nos protegermos contra a miséria e a violência consequentes.

segunda-feira, 5 de março de 2018

A Grande Mídia Sem Vergonha

Comentário meu sobre a atuação da Grande Mídia Corporativa (patrocinada pelos maiores magnatas do país e em prol deles) diante do Golpe e da realidade construída em torno dele.