segunda-feira, 16 de abril de 2018

Blindagem de Alckmin, somada a prisão de Lula, desmascara a Lava Jato

Com o maior inimigo dos golpistas finalmente - e injustamente - preso, a plutocracia parece respirar aliviada. A mídia já começa a parar de rosnar e se ocupa agora de tentar construir o seu candidato para completar a destruição do país, iniciada com o golpe de 2016.

Muita gente pensava que a operação conhecida como "Lava Jato" (interessante como a Polícia Federal adora colocar nomes bobos em suas operações) era uma iniciativa séria para combater a chamada corrupção. Não é.

Na verdade, a Lava Jato é uma operação orquestrada pela parceria entre a CIA e o FBI com as Grandes Corporações Empresariais para tirar governos que se recusem a se submeter às diretrizes impostas pelo governo norte-americano. Muitos acontecimentos levaram a crer que esta seria uma operação deste tipo, algo finalmente comprovado recentemente.

Dá para perceber porque a Lava Jato não prendeu nenhum tucano de alta plumagem (nomes dados a lideranças do PSDB). De tucanos, só prendeu os pequenininhos, com a finalidade de forjar para a opinião pública uma falsa imparcialidade. Mas o grosso mesmo era usar a operação para desmontar qualquer chance de novos governos progressistas, que repartam renda, direitos e protejam a soberania nacional.

A Lava Jato não prendeu nenhum tucano por um motivo simples: a Lava Jato sendo uma operação norte-americana, trabalha para as mesmas forças que contrataram o PSDB como seu braço político. Eu mesmo havia explicado, em vídeo, o motivo de nenhum integrante do PSDB ser preso. O PSDB trabalha para as grandes corporações e mesmo sem prestígio, o partido ainda dá sinais de força e influência.

Mesmo que a sigla PSDB se torne algo repulsivo, as forças que a controlam tem condições de criar outro partido ou entidade que continuará com a mesma função, mas com outro nome e outras características aparentes. Mas exatamente com a mesma finalidade: proteger a ganância dos poderosos aliados ao governo dos EUA e aos maiores empresários mundiais, estes os verdadeiros controladores do mundo.

Alckmin parece ser a esperança de proteger o PSDB

Mesmo desprestigiado, o PSDB continua a agir. Enquanto um novo plano não aparece, deve se insistir com o que está aí. E a aposta dos tucanos é o sisudo Geraldo Alckmin, que apesar de não ter carisma (é apelidado de "Picolé de Chuchu", um picolé que não tem gosto), é ligado a grupo religioso e tem uma postura sóbria que agrada aos conservadores que votarão no partido.

Foi anunciado recentemente que o político paulista, que deixou o governo de São Paulo para provavelmente se candidatar pelo partido a ser o continuador do golpe de 2016, não será investigado pela Lava Jato. A decisão teve bastante repercussão pois foi tomada  logo após a prisão de Lula, claramente política e que usou uma desculpa mais o que esfarrapada para incriminá-lo.

A estranha coincidência mostra que para os controladores e patrocinadores da Lava Jato, a prisão de Lula deixou um caminho aberto para uma vitória de um golpista por WO (Walkover ou Without Oponent, sem concorrente). Uma boa brecha para Geraldo Alckmin poder entrar.

Sabe-se bem que a Lava Jato é uma farsa. É uma operação encomendada pelas forças que não desejam que o Brasil se torne uma potência e tenha justiça social. O desejo dos líderes do planeta é que o Brasil seja uma espécie de "Africa das Américas", subdesenvolvido, miserável e reduzido a exportador de commodities (matéria prima e recursos naturais).

Finalmente descobrimos que o combate a este inimigo abstrato chamado "corrupção" não existe. O que existe de fato é uma luta feita pelos fortes para esmagar os fracos. E pelo jeito os fortes continuam vencendo. Ate quando, isso vai demorar...

segunda-feira, 9 de abril de 2018

A prisão de Lula é a pior coisa que poderia acontecer para o país

Eu estava devendo publicar alguma coisa em edição extraordinária sobre a prisão de Lula no final de semana, mas ocupações na minha vida particular não permitiram que eu escrevesse alguma coisa a tempo. Mas publiquei alguns vídeos na conta do YouTube, que por não precisarem ser editados, foram rápidos de fazer e publicar.

A prisão de Lula foi a pior coisa que pode acontecer ao país. Só ficou a favor da prisão de Lula os moralistas - que veem no Lula o estereótipo de um inimigo (tese do ladrão de galinha) ou aqueles pessoalmente favorecidos pela prisão (a burguesia em geral). Do outro lado, a prisão preserva o golpe e levará ao país ao caos não somente político e econômico, mas também social, pois cria uma polarização que serve como embrião de uma possível guerra civil entre cidadãos.

Lula não é apenas um preso político. Lula seria o homem com maiores condições de reverter toda a desgraça que foi feita pelos corsários que tomaram o poder em 2016 para satisfazer interesses de grandes magnatas daqui e do exterior. Desesperados pela crise de 2008, os magnatas s empenharam de forma truculenta para não perderem seus privilégios e por isso criaram um golpe sofisticado, que impressiona pela complexidade e pelo estranho sucesso.

Estamos na torcida para que alguma coisa se resolva, embora os fatos mostrem que mergulhamos de vez numa era sombria que pretende ser duradoura. Certamente não prenderam Lula para que um inimigo do golpe pudesse tomar o poder. Que venha o representante dos magnatas completar o saque e tomar a população brasileira como escrava, trabalhando mais e ganhando menos do que a dignidade humana permite.

Aqui estão os vídeos publicados durante o final de semana, incluindo a mensagem que Lula deixou aos brasileiros como despedida antes de sua prisão por motivos políticos.




segunda-feira, 2 de abril de 2018

Maioria dos pesquisados não é maioria dos brasileiros

Brasileiros tem a mania de confundir maiorias com totalidade. Isso faz com que pesquisas sejam tratadas como algo absoluto, como se todos os brasileiros tivessem respondido às pesquisas.

Isso explica  excessivo otimismo das esquerdas, que trata os resultados das pesquisas, em geral feita com uma quantidade relativamente pequena - em relação ás dimensões do país - de pessoas. Para os esquerdistas, as pesquisas demonstram não apenas a vontade dos entrevistados, mas a d todos os brasileiros. Isso significa tomar uma parte como o todo.

Imagine uma pesquisa que envolva a opinião de apenas 10 pessoas. Pergunte a elas se preferem suco de goiaba ou de acerola. 9 desses 10 entrevistados respondem que preferem acerola. O resultado da pesquisa mostrará 90% a favor da acerola. E se entre os não-pesquisados a preferência pela goiaba se sobreponha? As esquerdas se esqueceram deste detalhe.

Falam tanto que a maioria dos brasileiros é de esquerda e quer Lula presidente. Gozado, no meu circulo social são quase todos de direita e opositores de Lula. Apenas meu irmão e uns dois caras, além de mim são de esquerda e preferem Lula. Todos os outros integrantes de meu círculo social, incluindo parentes - até meus pais são "coxinhas" - são de direita e sonham com o desparecimento de Lula na face da Terra.

Se as pesquisas estivessem certas, eu teria a oportunidade de ter muitos esquerdistas em meu círculo social. O que me leva a crer que pesquisas devem ser bem relativizadas, por mostrar o que pensa os entrevistados e não toda a população. 

Claro que há métodos de amostragem que sugerem que um certo numero de entrevistados corresponde ao pensamento da totalidade. Mesmo assim, a quantidade de entrevistados deve ser grande o suficiente para que a comparação por amostragem possa fazer sentido.

Não sei. Prefiro ser cauteloso e não ser otimista em relação às pesquisas. Vai que as coisas passem a acontecer do contrário do que se pensa e afunde todo o vestígio do excessivo otimismo que vemos nos corações das esquerdas.

segunda-feira, 26 de março de 2018

Todos os Direitistas unidos contra Lula

TRF-4, Moro, José Padilha, Tucanos, Bolsonaro, Fascistas em geral, além da classe média e a elite por ela bajulada. Todos unidos contra Lula e a esquerda em geral. Todos contra a soberania e o bem estar dos brasileiros. Todos a favor da ganância e da satisfação dos interesses elitistas. 

Eles sabem que Lula ameaça os interesses gananciosos de todos eles e por isso, se uniram em um projeto ultra-sofisticado de desmontar as forças progressistas para colocar no poder alguém que possa trabalhar em prol da ganância e da permanência das injustiças seculares de nosso país. 

Impedir o desenvolvimento do país e a  erradicação da pobreza é a meta destas forças retrógradas, que perderam a vergonha de difamar, ofender e agredir as forças progressistas. Se for permitido matar, até matariam, pois para eles moral é só o que os favorece.

Lula deve tomar cuidado e evitar o clima de "já ganhou". As forças retrógradas agem de forma sofisticada e tem uma poderosa quantidade de patrocinadores despejando gigantescas quantias de dinheiro para que o golpe se consolide e os interesses das classes dominantes sejam preservados. Mesmo que possa ser candidato e eleito, os plutocratas têm todas as condições imagináveis e inimagináveis para impedir Lula de governar a favor dos mais carentes e da soberania nacional.

Lula deve se lembrar que o caminho para a volta da democracia no Brasil é muito mais difícil do que se possa parecer. Há forças poderosíssimas interessadas no fracasso do Brasil e na sua redução a colônia de exploração de commodities, com um povo muito mal remunerado trabalhando para o interesse dos mais ricos. E todo o empenho haverá para que o golpe seja preseervado, de todas as maneiras, mesmo com o maior esforço.

Infelizmente vivemos em tempos horrendos, onde os maiores capitalistas, escondidos em confortáveis escritórios espalhados em lugares secretos pelo mundo, decidem o destino de milhões de pessoas, escravizadas para atender os interesses de quem não deseja ver uma humanidade vivendo prosperamente em condições justas.

Lula que se cuide. Não faltarão quem deseja derrotá-lo, inclusive da pior forma. Temos que preservar a única liderança com condições de derrotar este golpe medonho. 

domingo, 25 de março de 2018

Pílulas Políticas, 25/03/2018


Tenho alguns comentários curtos a fazer sobre coisas que vem acontecendo ultimamente.

RJ: a frente de esquerda que deveria ser nacional e evitada no estado - Esquerdistas do Rio de Janeiro decidiram se unir em torno de uma única candidatura: a do pequeno burguês Marcelo Freixo. Sinceramente sou contra esta frente única de esquerda no Rio de Janeiro. Primeiro porque a esquerda faz aqui o que deveria fazer nacionalmente: todos se unirem em torno da candidatura de Lula para presidente, com importantes esquerdistas se candidatando para o Poder Legislativo, enchendo o congresso de esquerdistas. Segundo porque não confio em Freixo. Sem querer fazer afirmações, percebo que ele age como se não fosse esquerdista. Merece ser alvo de muita atenção.

Esquerda ignora direitismo de José Padilha - Estreou recentemente a série O Mecanismo, que é mais ou menos a adaptação para seriado do filme Polícia Federal, a Lei é Para Todos (menos para os Tucanos). Os comentários de sites esquerdistas até agora não enfatizaram o direitismo convicto do diretor José Padilha, membro do Instituto Millenium e apoiador explícito do Golpe de 2016, sendo uma espécie de "Olavo de Carvalho" do cinema. Estranho a esquerda ignorar o pedigree semi-fascista do diretor da saga de pancadaria Tropa de Elite.

Lula se livrou de mais uma: mas é cedo para comemorações - A esquerda entrou em clima de "já ganhou" ao receber a notícia de que Lula não poderá ser preso (injustamente, pois não há provas de crimes e delitos). Esquecem os direitistas o fato de que a direita tem todos os meios para derrotar Lula seja ele preso ou eleito. A direita conta com os maiores financiadores políticos do planeta e não faltará chuva de dinheiro para que um plutocrata mantenha o golpe e reduza o país em uma colônia de exploração. Melhor termos cautela e acompanharmos os fatos. 

Plutocratas querem fim da Lava jato para não atingir tucanos - A plutocracia, representada pelos meios de comunicação que nunca passaram de porta-vozes das elites endinheiradas, já pede o fim da Lava Jato. Com Lula condenado e surgindo a ameaça de atingir membros do PSDB, as elites, que vem nos tucanos os seus representantes políticos, já se agitam para que estes, extremamente úteis para a manutenção do golpe e da ganancia capitalista no país, não sejam pegos e punidos pela operação. Nos bastidores já existem ações para aos poucos encerrar a operação, dispensando seus responsáveis, mandando-os ao exterior. Tudo para que o PSDB continue intotcável, para o bem dos mais ricos.

Nos EUA, celebridades endinheiradas pedem desarmamento. Já no Brasil... - nos EUA aconteceu ontem uma imensa passeata, a March for our Lives (marcha/março pelas nossas vidas) com apoio de inúmeras e mais famosas celebridades do país, pedindo limites para o armamento, maior controle sobre o porte de armas e o fim da violência. No país Tupiniquim, as elites brasileiras fazem justamente o oposto, pedindo maior armamento e mais violência para combater o que as elites classificam como "criminosos": pretos, pobres e favelados. As lites e a classe média bajuladora apoiaram euforicamente a desastrada intervenção militar, com direito a aplausos - testemunhados por mim - quando passavam carros do exercito nas ruas. É a elite brasileira não é tão sábia assim. É pura pauleira!

segunda-feira, 19 de março de 2018

Conservadores querem usar morte de Marielle para aprofundar o golpe

Algo grave começa a acontecer no Brasil e pouca gente te prestado atenção a isso. A morte da vereadora e ativista Marielle Franco, de mentalidade progressista e denunciadora do golpe, pode estar sendo usada pelas forças conservadoras para aprofundar ainda mais o golpe. 

Os conservadores decidiram pegar emprestado uma personalidade progressista para poder justificar a intervenção militar - já reprovada por gigantesca parte da população - e censurar meios de comunicação progressistas.

Apesar de várias forças conservadoras admitirem - até porque fatos obrigaram a isso - que a morte da ativista foi política e não um crime comum, os conservadores demonstram muita cautela na hora de encontrar um culpado, pois não querem que a morte de uma progressista arruíne os planos do golpe criado para preservar a ganância dos mais ricos.

Por isso, para a plutocracia, o culpado deve permanecer oculto até que conservadores possam encontrar um bode expiatório para fazer o papel de "culpado" para a opinião pública e evitar chegar ao verdadeiro culpado. Até que isso aconteça, está sendo conveniente exigir maior intensidade para a intervenção militar, usando o caso de Marielle como "motivação de urgência" para a medida.

Estranho que Marielle foi uma insistente crítica da intervenção militar e não escondia isso. A intervenção é uma farsa, pois: 1) não se combate crimes urbanos desta forma e 2) a intervenção na verdade é um ensaio para uma nova ditadura militar caso a prisão de Lula, desejada pelos conservadores, cause uma gigantesca e tensa comoção nacional.

Boatos sobre Marielle podem favorecer censura a meios alternativos de comunicação

Outra forma de exploração da morte de Marielle surge através de boatos caluniosos sobre a ativista. Como conservadores são moralistas, começaram a inventar que a ativista era amiga de bandidos, viciada em drogas e avessa a conceitos tidos como "morais" por eles.

A mídia oficial já admitiu que tais boatos na verdade foram calúnias, mentiras de caráter ofensivo com a intenção explícita de destruir a reputação da ativista e enfraquecer os movimentos progressistas, sobretudo os que se empenham em auxiliar as classes oprimidas.

Só que a  mídia oficial dá sinais de que usará a denúncia de boatos contra os meios de comunicação que não façam parte da mídia corporativa, ainda considerada a fonte oficial de informações no Brasil e por isso a "mais confiável".

Pode ser que a mídia combata sites como "Verdade Política", "Politica-mente" e "Jornalivres" (não confundir com o supostamente progressista Jornalistas Livres, que estranhamente é patrocinado por George Soros (??!!)), criados para lançar mentiras difamatórias contra as forças progressistas. Até acho que estes sites existem para a grande mídia justificar que é imparcial no combate contra notícias falaciosas.

O problema é que sites altamente confiáveis como o Brasil 247, Diário do Centro o Mundo, Vi o Mundo, Jornal GGN, Conversa Afiada, Blog do Miro, entre outros, de mentalidade progressista e administrados por jornalistas consagrados de larga experiência, com passagem na mídia corporativa, posam ser classificados como "fontes de fake news" por não fazer parte daquilo que o senso comum entende como "fontes consagradas e confiáveis de informação".

É grave isso e temos que abrir os olhos. Estamos em uma ditadura de novo tipo, diferente da de 1964, mas igualmente autoritária, sádica e gananciosa. A morte de Marielle, tratada como a de um ser humano comum e não a de uma ativista anti-golpe, pode realmente ser um fator a aumentar a intervenção militar e a censura da m´dia alternativa, fazendo com que o golpe se fortaleça.

Com isso, os golpistas seguem aprisionando a população em uma miséria crônica e destruindo a soberania nacional, transformando o Brasil em uma colônia de exploração com população escravizada a satisfazer a ganância de uns poucos, que vivem se achando melhores que os outros. Apesar de fingir solidariedade pela a morte de uma inimiga da plutocracia, convertida em mera serviçal involuntária para o aprofundamento das desgraças iniciadas em 2016.

sexta-feira, 16 de março de 2018

O que faz as esquerdas se calarem diante da Reforma Trabalhista?

Na minha opinião, a Reforma Trabalhista, junto com a Escola sem Partido, foi a pior medida tomada pelo governo golpista instalado em 2016. Se alguém me perguntasse, se entre todas as medidas do golpe, você tivesse que cancelar apenas uma, qual seria, eu respondia a reforma Trabalhista, pois ela é a mais ligada diretamente a dignidade humana. Mas grande maioria das forças progressistas iria discordar de mim, e há motivos para isso.

Apesar de ser um esquerdista convicto, por afinidade ideológica, não confio totalmente em esquerdistas. Evidências não mentem, mas pessoas sim. Não é impossível para qualquer ser humano mudar de lado e trair seus antigos amigos. Eu mesmo fui traído or muitas amizades que com o tempo, mostraram ideologicamente opostos a mim, alguns com claras capacidades de me prejudicar. Mas é assunto pessoal que prefiro não aprofundar.

Na verdade,há muitos esquerdistas de classe média, com relativa estabilidade de vida, sobretudo financeira. Muitos tem uma vida social bem movimentada, o que garante uma rede de amigos dispostos a ajudar em qualquer crise. De qualquer forma, há muito esquerdistas que não serão prejudicados pelas medidas do golpe. Se entre eles, haver algum claramente empenhado em combater o golpe, é por altruísmo e não por razões pessoais.

Por isso que a Reforma Previdenciária, e não a Trabalhista, foi eleita pelos esquerdistas como mais prioritária. A Previdenciária atingirá quem está estabilizado financeiramente. A Trabalhista só atingirá quem está desempregado, quem não está estabilizado ou os estabilizados em carreiras ameaçadas pela reforma, sobretudo servidores de empresas púbicas sob ameaça de privatização.

O que significa que a Reforma Trabalhista não e vista como ameaça para a maioria dos esquerdistas, que podem arrumar, de um jeito ou de outro, alguma remuneração para sustentar a sua vida relativamente confortável. Há muitos pequenos burgueses envolvidos com causa s progressistas e o patrocínio de entidades ligadas a grandes especuladores como George Soros - o que é um fato triste entre as esquerdas - diminui ainda mais a preocupação com a Reforma Trabalhista.

Eu tenho razões pessoais para entrar em pânico diante da Reforma Trabalhista, pois não estou profissionalmente estabilizado e no momento vivo de bicos. Vivo de favores em casa de parentes de idade bem elevada (podem morrer a qualquer momento), que pagam as minhas contas e a reforma veio para arruinar ainda mais o que já era incerto, mesmo nos governos progressistas de Lula e de Dilma, que cometeram o erro de não romper com vários dogmas capitalistas, o que favoreceu a realização do golpe de 2016.

Infelizmente, o fato de muitos esquerdistas estarem bem de vida aumenta ainda mais a desunião das forças progressistas. No fim, os que estão bem de vida seguirão em frente com seu confortável cotidiano, mesmo com o golpe solidificado, deixando pelo caminho os desafortunados que terão que se virar para pagar as suas contas, para sobreviver de forma precária nesta terra arrasada pelo golpe dos corruptos concretizado em 2016.

terça-feira, 13 de março de 2018

Entrevista histórica com o maior analista brasileiro de política internacional

Esta semana, a excelente TV 247, canal do YouTube que se tornou indispensável para a minha vida, contou com uma entrevista histórica e de grande importância para o entendimento da política mundial, principalmente em relação ao golpe que aconteceu no Brasil, em 2016.

Pepe Escobar, o maior analista de política internacional entre os brasileiros, já consagrado como jornalista na área cultural (lembro dos seus excelentes textos na extinta revista Bizz que eu comprava todos os meses), deu uma entrevista bem didática a Leonardo Attuch, o bravo comandante da  TV 247, que já se torna histórica graças a importância do conteúdo.

Attuch convidou Escobar para se tornar mais um dos excelentes colunistas da TV 247. O jornalista, que vive na França e costuma viajar por toda a Europa atrás de notícias, colaborando com os mais diversos periódicos locais, agradeceu e apesar de ter adorado a ideia, recusou alegando falta de tempo. Claro, um jornalista com a qualidade de Pepe Escobar é muito solicitado, trabalhando cerca de "40 dias" por mês.

Vejam na íntegra a entrevista e lá depois da metade, pepe Escobar fala sobre o golpe de 2016 e dá detalhes que confirmam ser o mesmo uma guerra hibrida, sem tanques, sem armas, mas com muita tirania, a ponto de destruir um país inteiro em um período relativamente bem curto.

segunda-feira, 12 de março de 2018

O caso Duplo Expresso e a fragmentação das forças progressistas

Eu estava devendo escrever alguma coisa sobre o escândalo envolvendo a equipe do blog Duplo Expresso. Demorei porque estava custando a entender o que aconteceu. Além disso, eu não queria cometer injustiças, pois eu gostava do Duplo Expresso. Não é preciso dizer que o escândalo me deixou triste e decepcionado.

Tudo começou com a revelação de um documento "bombástico" que teria sido descoberto pelo advogado carioca especialista em Direito Internacional Romulus Maya, um dos integrantes do Duplo Expresso junto com o jornalista baiano Wellington Calasans. Ambos, que vivem no exterior, Calasans na Suécia e Maya na Suíça, supostamente têm se empenhado em investigar os podres da Lava Jato e anunciaram um documento que poderia desmontar a operação.

Mas o que despertou o escândalo não foi o documento em si, mas a insistência de ambos para que o documento fosse anexado imediatamente ao dossiê que denuncia as falhas da Lava Jato. A apressada insistência em incluir sem verificação o documento rendeu acusações caluniosas contra o advogado e ex-presidente da OAB carioca Wadih Damous e o jornalista gaúcho Paulo Pimenta, verdadeiros lutadores contra o golpe de 2016, além de críticas a outras forças progressistas.

Desde então, o Duplo Expresso virou um desfile de ofensas e críticas pesadas a forças de esquerda pela cautela em aceitar o documento que, como qualquer outro, teria que ter a sua autenticidade verificada. Calasans e Maya garantiram a autenticidade do documento, apesar de recusarem a revelar as fontes e exigiram que o documento fosse utilizado imediatamente como prova de que a operação Lava Jato é uma farsa.

Que é uma farsa, a Lava Jato já demonstrou que é. Mas não é qualquer documento que possa servir como comprovação disso. O documento, que estava empetecado de um monte de marcas d'água com a descrição "copyright Duplo Expresso", como se o blog quisesse se promover às custas da revelação, merecia uma verificação.

Mas aí o jornalista Luis Nassif, já envolvido com divergências com Romulus Maya, resolveu publicar um texto revelador sobre a identidade do advogado, de deixar muitos de cabelos em pé. Maya seria na verdade Rômulo Brillo, representante da Trafigura, empresa sueca envolvida com distribuição de petróleo e que foi responsável pelo fim da soberania de Angola no setor. Os dois integrantes do Duplo Expresso são curiosamente muito ligados a Angola e colocaram um cientista e professor angolano como colunista do blog.

Indícios sugerem que os motivos que levam Romulus Maya a lutar contra a Lava Jato não são os mesmos das outras forças progressistas, que é o reconhecimento que a citada operação é um dos braços do golpe. Maya pode ter motivos pessoais para ser contra a Lava Jato, já que a empresa que representa é objeto de investigação na operação.

Duplo Expresso: um blog de infiltrados?

Todo golpe, para ser bem sucedido, tem que ter infiltrados, o de 2016 deveria ter um monte deles. Vários setores, sobretudo na área cultural e comportamental tem dado sinais de serem controlados por infiltrados, sobretudo entre os que querem impor o ridicularizante "funk" como a nova "MPB", a "música politizada brasileira".

Não estou aqui fazendo qualquer afirmação sobre o Duplo Expresso, mas a atitude que ambos vem tomando ultimamente nos levam a crer sobre isso. A estranha biografia de Maya - somada ao fato do nome de Wellington Calasans aparecer na lista de filiados do PSD, partido de direita ultra-conservadora, na filial de Alagoinhas, cidade baiana de que o jornalista já disse várias vezes ser sua terra-natal, jogam mais lenha na fogueira da suposta tese do quinto-colunismo de ambos.

Claro que tais fatos podem fazer parte do passado de Calasans e Maya. Pessoas muitas vezes erram e se arrependem dos erros. Renan Calheiros dá sinais de que se arrependeu do golpe. O que me leva a ter mais cautela a apontar o dedo para a equipe do Duplo Expresso que pode ter abandonado o direitismo no passado. É uma possibilidade, embora passível de ser negada se observarmos as postagens ofensivas publicadas pelo Duplo Expresso..

Mas até que tudo seja esclarecido - o Duplo Expresso referiu deixar de lado a polêmica e seguir em frente com as suas atividades, com postagens publicadas no dia de hoje em seu canal de vídeo no YouTube - prefiro não confiar mais no Duplo Expresso, embora ainda respeite a equipe. Eles ainda tem um amplo apoio de muitos seguidores progressistas por ser um blog emergente. 

Muitos dizem que a polêmica tem servido para tirar a credibilidade do Duplo Expresso, embora eu acredite que quem tirou a credibilidade do mesmo foi a própria equipe, caluniando forças progressistas realmente atuantes como Wadih Damous, Paulo Pimenta e até Rui Costa Pimenta do Partido da Causa Operária, maior crítico do golpe de 2016 e também infelizmente ofendido pelo Duplo Expresso.

A fragmentação das forças progressistas

A polêmica vem na pior das horas quando o golpe de 2016 se solidifica e promete se perpetuar. As forças progressistas estão fragmentadas, cada um pro seu canto e preocupados em causa isoladas como a causa LGBT e a Reforma da Previdência, ao invés de combater o golpe como um todo.

O Duplo Expresso, que era exemplar antes de se envolver na produção de declarações caluniosas, colaborou ainda mais para a desunião das forças progressistas. Se a hipótese de quinta coluna for confirmada, pode ser aceitar a tese de que o Duplo Expresso pode estar agindo pra desunir os progressistas justamente quando a união destes se toana mais necessária.

Sabe se que as forças progressistas estão em franca derrota. Mesmo com alguns progressistas em clima de pleno otimismo, o fato é que o golpe segue firme e forte, alheio a sua própria desmoralização diante da opinião pública, e o comportamento ao mesmo tempo passivo e difuso dos progressistas se mostrou incapaz de agir com mais firmeza contra as forças golpistas.

A realidade é que: 
1) os brasileiros são tradicionalmente conservadores e suas forças progressistas, até certa medida, também são; 
2) muitos indivíduos progressistas estão relativamente bem de vida, com emprego estabilizado, e não serão prejudicados pelas medidas do golpe, o que justificaria sua tranquila inércia diante dos fins de direitos e da soberania nacional, além do claro desprezo à luta contra a Reforma Trabalhista, causa considerada supérflua pelas forças progressistas; 
3) Fatos garantem que há infiltrados nas forças progressistas. Não se sabe de forma confirmada quem são, mas há suspeitos. E são muitos; 
4) A desunião das forças progressistas fortalece ainda mais o golpe.

Aceitar esta realidade é compreender que o combate ao golpe é muito mais difícil do que se pensa e qualquer manifestação de otimismo é na verdade uma fuga do mundo real, uma manifestação clara de wishful thinking que não vai levar o Brasil a lugar nenhum, a não ser ao mais profundo despenhadeiro.

Assistamos de camarote a destruição de nossos direitos e de nossa soberania nacional. Para, no dia seguinte, morrermos graças as imensas dificuldades de nos protegermos contra a miséria e a violência consequentes.

segunda-feira, 5 de março de 2018

A Grande Mídia Sem Vergonha

Comentário meu sobre a atuação da Grande Mídia Corporativa (patrocinada pelos maiores magnatas do país e em prol deles) diante do Golpe e da realidade construída em torno dele.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

A volta do Jornal do Brasil e a esperança de uma mídia não-comprada

Ontem não somente eu, mas todo o Rio de Janeiro e parte do Brasil que tem a oportunidade de ler jornais de outros estados, tiveram a melhor notícia dos últimos tempos: a volta da versão impressa do Jornal do Brasil, um dos jornais mais importantes do país e que hoje assume uma postura progressista, longe do conservadorismo proselitista da mídia corporativa, hegemônica na mídia impressa,

O jornal ressurge como uma alternativa para os leitores que, como eu, estavam canados de uma mídia parcial, que mentindo ou omitindo, molda a notícia para que os fatos se adaptem aos moldes do modelo que as grandes corporações, patrocinadoras dos meios tradicionais, desejam.

Espero que a publicidade no Jornal do Brasil não comprometa a qualidade do jornal que retornou em grande estilo, com maravilhosos artigos e com uma equipe de bambas que inclui Teresa Cruvinel (um dos jornalistas fundadores do Brasil 247, cujo canal no YouTube, o TV 247, virou a minha coqueluche da atualidade) e Marcelo Auler, responsável pelo seu próprio blogue.

O Jornal do Brasil assume a linha progressista dos últimos anos na versão digital. A contratação de jornalistas de linha progressista e o texto escrito pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva deixam bem claro o compromisso com o progressismo e com a verdade dos fatos.

Fiquei sabendo através de meu irmão jornalista que o Jornal do Brasil pode ter sofrido uma sabotagem ao decidir para com a verão impressa, cerca de oito anos atrás. Acredito ser apenas uma especulação. O que eu sei é que se o JB não tivesse deixado de ter a versão impressa, os cariocas não seriam tão conservadores a ponto da maioria  dos habitantes da região metropolitana do RJ apoiar o golpe.

Vida longa ao JB, que tive a felicidade de comprar e ler ontem. É a volta do jornalismo verdadeiro, como é ensinado nas faculdades de Comunicação.

Enfim um jornal que dá prazer para a gente ler e saber o que acontece - MESMO! - ao nosso redor.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Troca Troca

A direita já mostrou que é muito burra. Insistente em se auto-rotular de inteligente, só porque tem um diploma, que não passa de um pedaço de papel, ela não cansa de soltar besteiras e ao invés de propor soluções para os problemas do país (e quando propõe, é quase sempre algo que prejudique os mais explorados), vive xingando a esquerda, frequentemente através da calúnia e da difamação. mas como direitistas têm costas largas, eles não temem processos, fugindo rapidamente deles.

Esta direita imbecil gosta muito de substituir profissionais quando o assunto é política e segurança. para a política, sonham como um mega-empresário, aquilo que eles chamam pleos lindos nomes de "gestor" ou "empreendedor". Para a segurança, acham melhor tirar os policiais para colocar as forças armadas, principalmente o exército. Em ambos os casos um grave erro que coloca incompetentes para funções para qual eles não foram criados e treinados.

Empresários são feitos para cuidar de empresas. E a gestão de empresas - posso dizer isso com tranquilidade, pois sou especialista nisso - é algo que difere muito da gestão pública. Achar que administrar uma cidade como são pulo é o mesmo do que administrar uma empreseca não-produtiva como a Lide (de propriedade do prefake João Dória) é achar que banana e alface são exatamente a mesma fruta (alface não é fruta, e verdura).

João Dória comprovou a incapacidade que tem o gestor privado de cuidar de algo público, muito mais complexo que uma empresa já complexa, que não é o caso de sua Lide, que não passa de um "Rendez Vous" de grandes empresários a bater papo e trocar imensas quantias de dinheiro. Fora a experiência de cuidar de uma empresa que nada produz para a sociedade, Dória teve uma experiência desastrosa na Embratur e uma experiência midiática em um talk-show e um reality show. Mas governar São Paulo, meu amigo, é outra história...

Exército como guarda municipal do Rio de Janeiro

Outro desejo da direita é ver policiais dando lugar a soldados das forças armadas. Crentes no mito maniqueísta de que a polícia é 100% corrupta e as forças armadas 100% honesta (o que é uma farsa em ambos os casos), conservadores comemoraram a intervenção militar no Rio de Janeiro para  combater a supostamente crescente violência na região metropolitana do estado.

Quase todo mundo sabe que a medida foi uma decisão errada, apesar da real necessidade de se frear a violência que, mesmo forte, é muito menor do que a mídia (que sabe muito bem que multidão apavorada é manobrada com mais facilidade) anuncia com estardalhaço. O próprio interventor, General Braga, de forma sensata, reconheceu a não-necessidade da intervenção, apesar de ser obrigado a obedecer o golpista Michel Temer, por lei o chafe maior das Forças Armadas.

A colocação do exército para combater a criminalidade já se mostrou um fracasso em outras ocasiões. O Exército não é preparado para operações deste tipo. Colocar o exercito para combater pequenos traficantes (os grandes, isolados em mansões bem distantes, nunca são pegos) é como tentar matar um mosquito com uma metralhadora AR-15.

Com certeza, muito estrago e muita gente inocente morta aparece em operações como esta, que necessitam na verdade de um preparo melhor para as polícias e a priorização do uso da inteligência, além de acabar com o elitismo que protege os grandes traficantes, aqueles que a mídia nunca menciona e que se escondem em confiáveis ternos e gravatas. Matando os traficantes pequenos, o grande simplesmente troca por outros que continuarão a fazer as mesmas coisas, perpetuando a violência que se torna rotineira.

Como deveria ser o combate ao crime

Outra coisa que é importante lembrar é que boa parte dos traficantes pequenos não são bandidos de fato. Se tornam, porque encontram neste tipo de vida a única oportunidade de ganhar dinheiro suficiente para manter uma vida digamos digna.Sem emprego que os remunere de forma justa, os pobres são facilmente contratados pelo tráfico que lhes paga muito bem, apesar dos altíssimos riscos de uma atividade considerada criminosa e facilmente punível.

O verdadeiro combate ao crime está no fim das desigualdades, com meios de fazer com que os ricos se livrem de fortunas supérfluas. É mais do que consagrada a ideia de que o supérfluo dos mais ricos impede os pobres de ter o necessário. Os pobres, privados do minimo necessário, apelam para a violência, não por maldade, mas por desespero. Até porque os verdadeiros maus são os mais ricos, que mudam leis e controlam o sistema para que este funcione a seu favor.

Se fosse para combater o crime de fato, cortando o mal pela raiz, não precisaria de exércitos. Basta invadir as muitas mansões habitadas por traficantes de luxo a serviço do Brasil, usando a tática de inteligência e agindo de forma mais sutil o possível, que o resultado seria muito mais eficiente. Somado a isso, melhorar avida de quem mora nas favelas e subúrbios, para que ninguém encontra nas atividades do tráfico uma oportunidade de uma vida com remuneração justa.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Plano da direita é estimular nulos, brancos e abstenções na esquerda para eleger um plutocrata

Pouca gente te falado nisso, mas observando o andar dos fatos, eu cheguei a uma conclusão. Como não vão impedir a eliminação de Lula nas eleições de 2018, sabendo que ele é o líder absoluto nas pesquisas. As elites e a classe média preconceituosa não quer ver ele na presidência e agem de forma unida e articulada para tirá-lo do páreo. 

Concluída a primeira etapa da eliminação de Lula, as esquerdas, mesmo permanecentes no páreo, ficarão enfraquecidas. A grande mídia, que ainda atrai confiança de grande parte da população, trataria de desunir as esquerdas ara pulverizar os votos ou tiraria proveito da eliminação de Lula, estimulando abstenções, nulos e brancos para que um plutocrata ganhe, mesmo perdendo para os não-votos.

Isso aconteceu nas eleições para prefeito de São Paulo, dando a vitória ao boçal João Dória e no Chile, dando vitória ao mega-capitalista Sebastian Piñera, cuja foto oficial ilustra esta postagem. Este é o plano secreto da direita que as esquerdas pouco comentam. A direita sabe muito bem que não vai conseguir atrair os votos de esquerdistas para um plutocrata. Mas pode fazê-lo ganhar caso estimulem um gigantesco número de não-votos entre os esquerdistas.

É bom ficarmos atentos, pois ao meu ver, tudo caminha para que este plano seja o escolhido. Já vejo nesta última semana a grande mídia estimulando uma pulverização das esquerdas que começam a se desentender, cada uma querendo para si uma fatia do eleitorado de Lula, ao invés de unir para combater as forças conservadoras que, como cupins, destroem o país rapidamente.

O golpe infelizmente continuará e demoraremos talvez décadas ou seculos para vermos o país como um país. Ou para quem está ansioso pelas ilusões que começarão no meio deste ano na Rússia, talvez um título no futebol compense o fim de nossa soberania.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

APENAS 60% acham que Lula está sendo condenado injustamente

A grande mídia ainda exerce uma grande influência na sociedade brasileira. Estamos ainda longe de ver uma sociedade brasileira majoritariamente desconfiada dos grandes meios de comunicação. Ou seja, a grande mídia em si virou uma instituição consagrada e respeitável e ainda não conseguiu ser derrubada, apesar de estar cometendo erros graves facilmente observáveis por quem tem o mínimo de intelecto.

Isso prova o fracasso da luta popular contra a condenação do maior líder popular da história política brasileira. mesmo que fatos comprovem o oposto, Lula ainda é considerado um bandido por uma gigantesca arcela da sociedade brasileira, sobretudo no sul e sudeste, que sonham com um presidente europeizado, com características similares ao de um príncipe encantado, longe do perfil proletário/nordestino do líder petista.

Segundo pesquisa recente, cerca de 60% dos pesquisados - é bom destacar: dos pesquisados, esqueçam o mito de que 100% dos brasileiros são pesquisados - sabem que a condenação de Lula foi injusta. Apesar de ser maioria dos entrevistados, o número foi bem pequeno. E é bom lembrar que maioria dos entrevistados pode ser parte da minoria da população.

Mesmo que a pesquisa tenha sido feita com 100% do povo brasileiro, 60% ainda é bem pouco, pois 40% são um número muito grande para a população do país e com poder de influência suficiente para abafar os outros 60%. 

Sinaliza que apesar da intensa campanha conscientizadora da mídia alternativa, pouca gente tem se convencido que as acusações contra Lula são mentiras para tirá lo do páreo eleitoral para favorecer um continuador do golpe a tomar posse em 2019, mantendo as maldades que preservam a ganância capitalista escondida pela grande mídia, tradicional e fiel cúmplice do poder econômico.

O resultado me entristeceu e pode ser considerado como uma derrota. nem para vitória de Pirro ela serve pois a esta altura 60% é um número muito pequeno, com reduzida diferença entre os que possuem outras opiniões, vindas de quem ainda acha que os meios oficiais de comunicação são a fonte mais confiável de informações sobre política em nosso país.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Leonardo Stoppa faz críticas sensatas à esquerda

Leonardo Stoppa, que é jornalista, engenheiro, economista e analista político, fez um vídeo necessariamente longo, fazendo observações sobre o comportamento das esquerdas, que apesar de sensatas na maioria das ocasiões, cometem muitos erros que acabam enfraquecendo as forças progressistas e dando oportunidade para a antiquada e burra direita dar o bote e sair vitoriosa.

Vejam com muita atenção, até o final, porque nele Stoppa fala coisas que poucos esquerdistas tem coragem de falar de seus correligionários. Sã críticas respeitosas construtivas e baseadas em fatos. Se as esquerdas não corrigirem as suas falhas, poderão ser varridas do mapa, pois mesmo sem popularidade e sem razão, as direitas possuem muito dinheiro e estrutura para vencerem os mais difíceis combates. 

Valeu, Stoppa! Mais uma aula de sensatez política vinda de você.